segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Deus vota? O que minha avó diria sobre isso



Vamos partir da premissa que meus leitores creem e tenham fé em Deus, pois não tenho a menor intenção de tentar provar a existência do Criador do Universo. Porém, seja você crente ou ateu, o escopo desta reflexão está mais ligado à ética do que à Teologia. Mas voltemos aos leitores crentes, especialmente aos leitores crentes na intervenção divina nas coisas do dia a dia, na ação dos pequeninos milagres, e sobretudo, na resposta de nossas orações, nos momentos de angústia, de aperto, de busca de soluções divinas, até mesmo naquelas soluções onde a intervenção do Eterno possa ser menos percebida.

Orar é uma necessidade e uma oportunidade que temos de nos conectarmos com o Altíssimo, isso todos os que creem, creem assim. O que parecem outros não saber é como podem ser recebidas e atendidas algumas destas orações, destas petições. O caso aqui é o voto, mas ainda na continuidade do tema anterior, as disputas. Será que Deus vai atender nossas orações em toda e qualquer circunstância? Partindo do entendimento que Deus não É surdo ou insensível às nossas preocupações, quero analisar as circunstâncias onde orar pode tornar-se uma atitude inócua, irreverente, e até mesmo estranha ao entendimento de que O Criador possa parecer injusto.

Quando jovem, fui candidato ao cargo de presidente do grêmio estudantil, e como tal, dediquei-me à campanha, argumentando de sala em sala ou pelos corredores da escola, das razões porque deveriam votar em mim. Minha avó acompanhava meu entusiasmo, e sorria. Apenas sorria,mas não dizia nada. E minha avó foi uma mulher de oração. Orava duas vezes ao dia:antes do sol raiar pela manhã, e ao fim do crepúsculo, à noitinha, sem levar em conta que orava continuamente com louvor e ações de benemerência. Mas sobre dar um empurrãozinho em minha campanha pelo método dos joelhos dobrados, nada. Nenhuma palavra. E mesmo assim, venci a eleição, com larga margem de votos, e ao chegar à casa, eufórico,contei à ela do resultado. Ela deu mais um largo sorriso, de alívio, e disse: "Bem, meu filho, agora eu posso orar por você, para que sejas um bom líder!".

Guardei, por ter entendido imediatamente suas palavras. Minha avó ensinou-me a orar por sabedoria, saúde, dignidade, fé, temperança, alimento, abrigo, proteção, saúde, e principalmente por paz. Mas jamais orou pedindo que O Altíssimo desse um empurrão no goleiro para o lado oposto da rede, e nosso time, o Grêmio ou a Seleção Brasileira, fizesse aquele gol que gostaríamos de ver. Jamais vi ou ouvi minha avó orar pela vitória deste ou daquele candidato, ainda que tivesse alguma simpatia pelos mesmos.Orava sim, mas orava para que houvesse paz e equilíbrio durante a campanha. Orava para que todos os candidatos fossem inspirados e iluminados, para representar seus eleitores, fossem eles eleitos ou não. Minha avó jamais fez promessa para que este ou aquele vencesse isso ou aquilo, até porque ela sempre acreditou que com Deus não se negocia. Com Deus não há artimanhas, e muito menos serve O Eterno como "cabo eleitoral" de quem quer que seja, por mais bem intencionado que seja o candidato.

Assim, de chofre, até parece que sou descrente da intenção de minha avó em buscar proteção e apoio ao candidato que nutria sua simpatia. Não sou, e muito menos era minha avó, Maria Elisa. Sua lógica era sábia, porque ela orava pelo candidato em sua vida espiritual, e que sua eventual vitória ou derrota pudesse servir de crescimento espiritual, enquanto indivíduo, enquanto cidadão. Minha avó não era uma "Maria-vai-com-as-outras" em questões políticas.Não mesmo. Ela tinha opinião e sabia de quem gostava, ou de quem queria manter distância, porém, orava por todos, e deixava que Deus agisse de acordo com Sua vontade (a vontade de Deus), e não pela muito provável condição de erro a que são submetidos os eleitores de muitos, sendo ela própria uma destas eleitoras. Minha avó jamais pediu que Deus desse vitória, nem mesmo ao seu neto querido, no caso eu, mas que a eleição fosse conduzida com sabedoria e justiça.

Maria Elisa, minha velha e sábia avó, acreditava na volta de Jesus para muito breve, e acreditava que ela própria, ainda em vida, participaria deste momento tão solene, porém, em momento algum pediu para estar viva para esperar o acontecimento, mas confiava que O Eterno guardaria seu tesouro até que o momento tão desejado viesse a termo. Minha avó, Maria Elisa, resolveu tirar uma sonequinha aos noventa e cinco anos, e dorme desde então, há mais de uma década, esperando ainda, que Jesus volte. Entendeu sempre, que Deus deu ao Homem determinação, vontade própria, para fazer suas escolhas, e acreditava que o Homem havia sido criado à Sua imagem e semelhança, isto é, com livre arbítrio, assim também Deus Se permite a liberdade para escolher a quem colocar no poder,ou a hora em que O Messias virá, sem estar sujeito à pressões de quem nada entende do desconhecido.

Minha avó me ensinou a entender que orar pela vitória do meu clube, ou de meu candidato, ou ainda por ganhar na loteria, pode tornar-se até mesmo uma blasfêmia, considerando que quando entram em campo, os dois clubes oram com a mesma fé. Quando entram no front, também oram pela vitória, os combatentes dos dois lados. Quando se encontram nas urnas, oram pela vitória os eleitores e os candidatos de todos os lados. A disputa então começa nas igrejas e termina no foguetório nos ouvidos dos cachorros dos vencidos, porque antes, cordeiros e cordatos, imploram pela misericórdia de Deus para seu pleito, mas uma vez vencedores, tripudiam sobre os despojos dos vencidos.

Eu vou continuar orando para que Deus dê serenidade aos eleitores, dignidade aos candidatos, e paz à nação. E penso muito na oportunidade de apresentar minha avó à vocês, no dia da ressurreição. Não posso mais orar por ela, pois seus dias expiraram, e ela já se encontra inscrita em um dos livros do Céu, e de lá não tenho como mudar, mas posso orar para que cada um que me lê e reflete em minhas palavras, tenha a oportunidade de abraçar Maria Elisa, mas isso não depende de mim, senão o pedido contínuo de inspiração divina aos governantes depois de eleitos, e de minha colaboração com as autoridades, uma vez que são elas ali colocadas por Deus. Mesmo que ninguém tenha orado por elas. De minha parte,vou orar para que tenhamos serenidade para discernir o podre do contaminado, e que nosso voto seja capaz de escolher aquele que dará aos nossos filhos e netos a possibilidade de também continuarem votando e orando. Parece pouco, mas é muito para quem crê.

domingo, 12 de agosto de 2018

O Bom ou O Melhor - A Anatomia do Bullying


O Bom e o Melhor - A Anatomia do Bulying

Paulo Cardoso* (Palestrante)

Desde menino, talvez pela minha origem pobre e desprovido de pai, mirradinho, fracote, e sem nenhum tipo de talento comum, de natureza  atlética, ou intelectual, aprendi às duras penas, a suportar fracassos continuados, e deles recolher restos de esperança, somados com pequenos atos de generosidade alheia, e desta amálgama de sobrevivência, a construir meus castelos, onde eu era rei, o rei de mim mesmo, e talvez de um reino onde os súditos não tinham nomes. Uns, apareciam em meus sonhos de menino, com rostos de amigos, a quem, em minha generosidade, os havia transformado em nobres. Outros, os meus inimigos, os malvados da vila, eram para meu reino, os vilões, com quem eu batia espada, e sempre os derrotava. Eram trancafiados nas masmorras, e impiedosamente eram submetidos a humilhações, como carregar meus livros, amarrar meus sapatos, ou dividirem suas saborosas merendas com outros súditos, também humilhados como eu era, nos momentos de lucidez, quando não era rei de lugar algum.

Por não ter conhecido meu pai, e na condição de "homem", ainda que com sete ou oito anos de idade, eu não poderia sobrecarregar minha mãe e minha avó com meus pequenos problemas de menino. Desta forma, eu tinha que transformar-me em pai de mim mesmo, para defender a honra da família, isto é,salvar meu couro das surras que tomava dos malvados que moravam perto de mim.

Aprendi também que para pertencer a algum grupo, e caso não tenha sido você mesmo, o mentor, fundador, autor, e presidente deste grupo, você não é nada, ou menos que nada,  mas ainda assim, você tem uma chance de participar daquele grupo, contanto que seja público e notório que você cumpra todas as regras de ingresso e permanência lá dentro da fraternidade do mal. Mas você é forte, e como uma pessoa vencedora e decidida, regras lá fora não interessam mais para que você possa subir no conceito dos malvados. Pescoços de amigos, familiares, e quem quer que seja que cruze seu caminho, tornam-se escadas, degraus, tapetes e alcatifas. Agora você tem a oportunidade de não só entrar no novo grupo, como também vê a chance de crescer ali dentro, de ser importante, de ser chamado pelo nome, e um dia, quem sabe, ser você mesmo o supremos comandante daquele grupo. Você vê a oportunidade de sobrepujar seus medos e seus adversários, e passar da condição de dominado a dominador, porque você está decidido a tornar-se o melhor, o mais ágil, o mais inteligente, o campeão. É aqui que pega a coisa então. Tornar-se campeão.

Somos doutrinados, desde muito pequenos, a conquistarmos nossos prazeres através de disputas. Precisamos, diante da sociedade, da família, dos amigos, e principalmente dos desafetos, provar nossa superioridade, em tudo. Todos os caminhos que nos esperam, não nos querem como segundos colocados. Querem sempre o primeiro, o maior, o melhor, o mais forte, o mais hábil, o mais belo, e até mesmo o mais calado. Mas sempre será o mais. Sempre seremos aquele "mais" desejado, porque também nós temos em nosso íntimo particular que ser o maior, o melhor, é algo natural. Foi neste modelo que o Naturalista Fritz Kahn, seguido por Darwin, decidiu demonstrar que na Natureza, o mais forte é o que vai sobreviver, e assim Darwin desconstruiu o modelo criacionista,onde todos tem o mesmo privilégio, para estabelecer neste lugar, aquele que seja capaz de pisar melhor, de esmagar com mais força, de chegar na frente, e de demonstrar que compaixão e piedade, humildade, serenidade, são apenas demonstrações de fraqueza dos incapazes.

Meus filhos jamais receberam de mim qualquer motivação para disputas inúteis. Jamais motivei qualquer um deles a tornar-se desportista, atleta, ou perseguir títulos que enaltecem apenas o ego, e ainda que a prática de esportes seja saudável para a mente, para a cooperação, para a saúde, e para o companheirismo, sou levado a pensar que ações solidárias em reconstruir uma casa derrubada pela chuva em áreas desfavorecidas, ou transportar alimentos para um asilo, brinquedos para um orfanato, abrigos para os moradores de rua, sejam oportunidades ímpares de aproximação de pessoas com interesses comuns. Sempre entendi que subir o morro para levar comida às viúvas e os desamparados, seja um exercício tão eficaz ou até melhor, do que passar noventa minutos correndo atrás de uma bola, embora eu saiba que o prazer não será o mesmo, tenho que admitir. Subir o morro é muito melhor.

Vejo com tristeza que nem mesmo as igrejas escapam desta tragédia humana chamada "disputa". Não escapam os seus pastores ou seus missionários, da perspectiva de "levarem mais almas à Jesus", conquistarem mais adeptos para suas igrejas, alcançarem mais ofertas para as obras sociais, ou buscarem o patamar mais alto na escala de humildade. Quanto paradoxo!Vejo com decepção pela oportunidade que perdem na formação do bom caráter nos pequeninos, os professores que promovem jogos, ainda que educativos; com os educadores que promovem disputas e oferecem premiações e pontos, favores, benefícios, àqueles que tirarem as melhores notas, aos que se destacarem nas tarefas, ainda que muitos se esforcem, mas não logram êxito, uma vez que cada pessoa tem percepção e capacidade cognitiva diferente. Uns são hábeis em aritmética, enquanto outros desempenham satisfatoriamente as artes. Vejo assim, com preocupação, a transformação das pessoas em "boas" nisso, "boas" naquilo, enquanto que todos querem apenas aprender, entender, e depois fazer aquilo que foram contratadas por seu conhecimento.

Ser bom, é desejável. Ser ainda melhor, é alcançável por todos, mas ser "o bom", ou "o melhor", é uma façanha que exige mais que esforço, e em muitos casos, dobra e quebra em pedaços a própria ética durante a formação do caráter. Esta é a anatomia do Bulying: Ultrapassar o outro, mesmo que dentro das regras. Eu passo essa. Não preciso ser o melhor, nem melhor que ninguém. Preciso apenas ser melhor do que eu mesmo fui ontem, e amanhã, do que sou hoje. O que passar disso, não vem de Deus.

A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...