quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Bandido não entra - Lei da Ficha Limpa de Gramado é aprovada por unanimidade




Pensei num negócio para investir, que possa dar dinheiro, e uma das ideias que tive, foi a de vender papel para imprimir Leis, tantas são as que temos que cumprir, e nem sabíamos que existiam. Na grande maioria são excelentes e de fato promovem a justiça e a equidade entre os cidadãos de bem, fortalecendo com barreiras do Poder Público contra as demandas injustas que nos acometem todo o tempo. Agora então Gramado tem aprovada também sua Lei contra a Corrupção,pelo menos nos cargos públicos Comissionados.Muito justo sim. Lamentável apenas que para que haja seriedade no trato da coisa pública, sejam necessárias tantas leis, quando o lógico seria aplicar as duas leis sugeridas por Rui Barbosa, o "Águia de Haia", eminente jurista e um baiano debochado de marca maior, que deu esta contribuição para uma Constituição ideal:
" ARTIGO  PRIMEIRO - Todos deveriam ter vergonha na cara.
ARTIGO SEGUNDO - Revoguem-se todas as disposições em contrário".


Registre-se Publique-se Arquive-se, Lasque-se!

Pelo sim pelo não, abaixo segue na íntegra a Lei mais desnecessária que já foi criada, caso tivessem todos os envolvidos, hoje e no futuro, vergonha na cara.




Aprovado projeto de Ficha Limpa para CCs e FGs


Foi aprovado, por unanimidade, na noite de ontem (26), o projeto de autoria do vereador Dr. Ubiratã (Progressistas) que institui a ficha limpa municipal na nomeação de servidores a cargos comissionados ou designação de funções gratificadas no âmbito da administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo e do Poder Legislativo, e dá outras providências.
A proposta foi embasada na Lei de Ficha Limpa para cargos eletivos, Prefeito, Vice-prefeito, Vereador, Deputados, Senadores, Presidente e Vice-presidente, que visava a partir das eleições municipais de 2012, que candidatos julgados e condenados na justiça não pudessem concorrer a cargos eletivos.
O intuito é coibir a nomeação de pessoas que não possuem ‘ficha limpa’ para ocupar cargos públicos em nosso Município, entre outras providências, buscando garantir o princípio da moralidade na administração pública. A diferença da Lei Federal para a Lei Municipal é que a garantia pudesse ser estendida também para nomeações do Poder Executivo e do Poder Legislativo, livrando a Administração Municipal dos julgados e condenados pela justiça que tenham cometido crimes contra o erário, crimes eleitorais, crimes ambientais, abuso de autoridade, lavagem de dinheiro, crimes análogos à escravidão, crimes contra a vida e a dignidade sexual, demitidos do serviço público, entre outras tipificações.
“A lei da Ficha Limpa revelou-se como exemplo do exercício da cidadania, na medida em que demonstrou a insatisfação do povo com a permanência de pessoas com condenações judiciais na gestão de cargos públicos. Dessa forma, entendo como legítima a utilização dos mesmos critérios em âmbito municipal para evitar o acesso dos chamados ‘fichas sujas’ aos cargos de provimento em comissão e funções gratificadas.”, explicou Dr. Ubiratã.
Enquadram-se nas vedações os seguintes casos:
- Os que tenham contra sua pessoa representação julgada procedente pela Justiça Eleitoral, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiada em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, desde a decisão até o transcurso do prazo de 8 anos:
- Os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiada desde a condenação até o transcurso do prazo de 8 anos após o cumprimento da pena, pelos crimes:
a)            contra a economia popular, a fé pública, a Administração Pública e o patrimônio público;
b)           contra o patrimônio privado, o sistema financeiro, o mercado de capitais e os previstos na lei que regula a falência;
c)            contra o meio ambiente e a saúde pública;
d)           eleitorais, para os quais a lei comine pena privativa de liberdade;
e)           de abuso de autoridade, nos casos em que houver condenação à perda do cargo ou à inabilitação para o exercício de função pública;
f)            de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores;
g)            de tráfico de entorpecentes e drogas afins, racismo, tortura, terrorismo e hediondos:
h)           de redução à condição análoga a de escravo;
i)             contra a vida e a dignidade sexual;
j)             praticados por organização criminosa, quadrilha ou bando.
- Os que forem declarados indignos do oficialato, ou com ele incompatíveis, pelo prazo de 8 anos;
- Os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se esta houver sido suspensa ou anulada pelo Poder Judiciário, aplicando-se o disposto no inciso II do art. 71 da Constituição Federal, a todos os ordenadores de despesa, sem exclusão de mandatários que houverem agido nessa condição, desde a decisão até o transcurso do prazo de 8 anos;
- Os detentores de cargo na Administração Pública Direta ou indireta que beneficiarem a si ou a terceiros, pelo abuso do poder econômico ou político, que forem condenados em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, desde a decisão até o transcurso do prazo de 8 anos;
- Os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado da Justiça Eleitoral, por corrupção eleitoral, por captação ilícita de sufrágio, por doação, captação ou gastos ilícitos de recursos de campanha ou por conduta vedada aos agentes públicos em campanhas eleitorais que impliquem cassação do registro ou do diploma, desde a decisão até o transcurso do prazo de 8 anos;
- Os que forem condenados à suspensão dos direitos políticos, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiada por ato doloso de improbidade administrativa que importe lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, desde a condenação ou o trânsito em julgado até o transcurso do prazo de 8 anos após o cumprimento da pena;
- Os que forem excluídos do exercício da profissão, por decisão sancionatória do órgão profissional competente, em decorrência de infração ético-profissional, pelo prazo de 8 anos, salvo se o ato houver sido anulado ou suspenso pelo Poder Judiciário;
- Os que forem demitidos do serviço público em decorrência de processo administrativo ou judicial, pelo prazo de 8 anos, contado da decisão, salvo se o ato houver sido suspenso ou anulado pelo Poder Judiciário.
- Aquele que for sócio de empresa que mantenha contrato de forma direta com o Município de Gramado, salvo quando o contrato obedecer a cláusulas uniformes;
- Aquele que for sócio proprietário de empresa que tenha alguma restrição oriunda de fraude em Licitação;
O Prefeito Municipal e o Presidente da Câmara de Vereadores, dentro do prazo de noventa dias contados da publicação desta Lei, promoveram a exoneração dos atuais ocupantes de cargos de provimento em comissão, enquadrados nas vedações previstas nesta Lei.

Secretaria da Saúde de Gramado coloca MDB em destaque no Governo de Fedoca



Sou o mais duro entre os críticos da administração do meu querido amigo Fedoca, desde que comecei este blog, e venho analisando minuciosamente cada um de seus passos políticos desde o primeiro dia de governo. Não tenho modéstia alguma em dizer que esta dureza de minhas muitas críticas, angariou simpatia dos leitores que tem uma visão oposicionista desta administração, e consequentemente também, certa frustração dos personagens, cujas ações eu tenho desenvolvido reflexões. Porém, se a dureza de minhas palavras leva a oposição a rejubilar-se, com o mesmo vigor tenho observado que as ações de reparo de algumas destas críticas também ingressam como resposta direta ou indireta ao que tenho apontado, e as coisas voltam à normalidade. Não sou modesto em dizer que sou um "Ombudsman" (pessoa encarregada de apontar os deslizes da corporação manifesta pelos clientes, para informação de correção e ajustes de conduta da empresa) voluntário, porque não sou pago por ninguém para trazer a lume tais eventualidades. Mas tem dado certo, e parece-me ver ocorrendo uma reversão de simpatias em direção ao meu trabalho, advinda da própria Administração, e particularmente do Prefeito Fedoca, que tem se mostrado sensível de um modo positivo às críticas, e buscado demonstrar respeito aos seus críticos, levantando as questões com o apuro necessário e em tempo aceitável, e é este respeito que também abala qualquer tipo de manifestação gratuita que possam ter estes críticos, eu entre eles, e o respeito à verdade e ao justo reparo ao público destes ajustes deve ser o comportamento de quem propõe seriedade no que escreve. 

Recebi com alegria um breve relatório, em tópicos, de meu querido amigo João Teixeira, Secretário de Saúde de Gramado, certamente a pasta mais sensível que o município tem, e demonstra o Secretário, com humildade, aquilo que buscou desempenhar, diante dos desafios que encontrou. Conversamos demoradamente ontem sobre o assunto, e solicitei ao Secretário que me enviasse um relatório sucinto que mostrasse à população o que tem feito esta Secretaria, quais os seus desafios, e também as dificuldades encontradas durante o primeiro ano de trabalho como titular. Cresce com isso João, que na negativa dee continuidade de Evandro Moschem na política depois d 2010, torna-se um dos nomes fortes do MDB à sucessão de Evandro, seja em composição com Fedoca novamente, seja em aliança com os Progressistas, ou ainda com o PSDB de Drumm. Seja o que for, o nome de João Teixeira começa a sair do anonimato e se encaminha para o fortalecimento do partido, mas nesse momento, da Administração de Fedoca e Evandro.  Eis o relatório.

SECRETARIA DA SAÚDE – PRESTAÇÃO DE CONTAS

- INVESTIMENTOS: ANO DE 2017 (6o BIMESTRE) INVESTIDO R$34
MILHÕES (25,70%) EM DESPESAS COM RECURSOS PRÓPRIOS EM AÇÕES
E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE DE UM MÍNIMO CONSTITUCIONAL
DE 15%;
- REATIVAÇÃO PROGRAMA PIM – PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR, C/5
VISITADORAS E 1 COORDENADORA EM ATENDIMENTO DAS FAMÍLIAS
EM VULNERABILIDADE NO MUNICÍPIO. HOJE 45 FAMÍLIAS EM ATENDIMENTO:
31 NO BAIRRO ALTOS DA VIAÇÃO E 14 NO CANTÃO E PRAÇA DA MISS (AMBOS NA
VÁRZEA GRANDE). Este projeto atende a famílias que tem crianças de 0 a 5 anos;
- REMÉDIOS/FARMÁCIAS: 6,1 MILHÕES DE UNIDADES DISPENSADAS DE
MEDICAMENTOS EM 96.000 ATENDIMENTOS (FARMÁCIAS DO CENTRO E
VÁRZEA); Remédios que são de competência da rede básica municipal 100% atendidos; o que tem
gerado falta e reclamações são os de competência do Estado;
- TRANSPORTE: COMPRA DE UMA GM SPIN E VAN RENAULT MASTER
COM INVESTIMENTOS DE R$210.000,00 E TRANSPORTADOS MÉDIA 1.000
PESSOAS/MÊS P/ EXAMES, INTERNAÇÕES E HEMODIÁLISE (TAQUARA,
PORTO ALEGRE, CAXIAS DO SUL E ERECHIM); Fora investido em
manutenção nos 18 veículos da Saúde em 2017 o valor de R$200.000,00 em mão de
obra, peças e seguros para dar segurança e conforto aos pacientes e familiares. E
para 2018 temos a previsão de comprar um micro ônibus e uma Van para
substituição de 2 veículos que atualmente possuem 650.000km e 350.000km
respectivamente.
- CAUSA ANIMAL: 979 ANIMAIS CASTRADOS; 1080 MICROCHIPADOS E
140 DOADOS; 526 ATENDIMENTOS À ANIMAIS ATRAVÉS DO FALA
CIDADÃO – INVESTIMENTO EM 1 MILHÃO DE REAIS; 266 CÃES E 27
GATOS; Trabalhar constantemente nas escolas e na comunidade em geral,
campanhas de adoção, de posse responsável, incentivar a prática do “cão
comunitário” entre outras ações;
- REFORMA POSTO DA VÁRZEA GRANDE E VILA OLÍMPICA PARA
RECEBER MAIS 3 ESTRATÉGIAS DE SAÚDE DA FAMÍLIA, BEM COMO
UBS’S DO PÓRTICO II E JARDIM, COM PREVISÃO PARA 02/2018; Estamos
no estágio de regularizar a contratação dos Agentes Comunitários de Saúde
(infelizmente a administração anterior “sumiu” com os registros no sistema e em
papel quanto ao Curso de Capacitação dos agentes, realizado em 2016, havendo a
necessidade de refaze-lo, gerando retrabalho e insatisfação nos concursados e
demora na oferta deste importante trabalho/serviço, que é o de oferecer as visitas dos

agentes, de médico e enfermeiros, trabalhando de forma preventiva o combate a
doença, ou seja, trabalhar a atenção básica;
- APROVAÇÃO DE PROJETO NOVO CENTRO DE SAÚDE NA VÁRZEA COM
PREVISÃO DE INÍCIO DA OBRA 1o SEMESTRE 2018 (PREVISÃO DE
CUSTOS EM TORNO DE R$4 MILHÕES); *1,5 MILHÃO EM ORÇAMENTO
2018; Processo em fase de licitação de mão de obra;
- REATIVAÇÃO PROJETO HORTO MUNICIPAL FITOTERÁPICO EM FASE
DE PREPARAÇÃO DO SOLO E INÍCIO DE CULTIVO PARA METADE DE
2018; Trabalho em parceria com a Secretaria de Agricultura, onde até Junho/18 estará sendo plantado
primeiras mudas de chás, para depois serem levados a uma secadora e distribuidos na forma de cachês nas
unidades básicas de saúde;
- REPASSE DE 2,3 MILHÕES À CREDENCIADOS ( ESPECIALIDADES,
EXAMES DE IMAGEM E LABORATORIAIS);
- 549 CIRURGIAS ELETIVAS; MAIS DE 17,1 MILHÕES AO HOSPITAL POR
MEIO DE REPASSE E EMPRÉSTIMOS (UNIÃO, ESTADO E MUNICÍPIO) – 5,4
MILHÕES A MAIS QUE 2016;
- CONSTRUÇÃO ACADEMIA DO SUS JUNTO AO CENTRO DE
SAÚDE(POSTÃO) COM RECURSO EMPENHADO DE R$231.000,00
(R$80.000,00 DE EMENDA E R$151.000,00 DE RECURSO LIVRE); PREVISÃO
INÍCIO 1o SEMESTRE 2018;

Obs.: O material acima é uma parte do que fora trabalhado e ofertado à comunidade
gramadense e também a que nos visita através de atendimentos no HASM. Muito
tem se feito e assim mesmo existe a sensação que poderíamos ter feito “ainda mais”.
Mas quero registrar minha preocupação com a política do “assistencialismo” que
fora criado em nossa ilha chamada Gramado, que soube muito bem aproveitar a
época em que o governo federal ofertava, ou melhor, jogava para cima muito
dinheiro/recurso a quem tinha bons projetos, captando e investindo em nossa cidade.
A administração anterior soube muito bem tirar proveito disso e agora com a atual
crise política econômica, onde as dificuldades são para todas as prefeituras, onde
vamos a Brasília passar o chapéu e voltamos com migalhas, aumenta e muito nossa
responsabilidade em bem gerir com os recursos públicos e investir naquilo que mais
necessitamos, porém com limites, sob pena de fracassarmos e não podermos
oferecer nem o básico a nossa comunidade.
Fico a disposição para esclarecimentos!
João Teixeira
Secretário Municipal da Saúde

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Gramado chegou no seu limite? Qual é o limite de Gramado?




É um desafio de proporções imensuráveis, ousar tratar de uma questão que diz respeito à linha que separa a análise crítica, do saudosismo, que é próprio de quem se aproxima do primeiro centenário de vida (está certo, faltam ainda quarenta anos, mas o que são quarenta singelos anos para que já tem sessenta?), e não intenta ser maçante, ainda que insistente na causa. E qual é a causa? Aqui é o ponto de conexão, o quiasma de meus escritos: A causa é ter uma causa. Serei mais claro. Ter uma causa é saber onde se quer chegar. Saber o que desejamos e ter claro o caminho que nos levará à nossa causa, o ponto de chegada de nossas intenções.
 Há que se pensar no entanto, que muitas vezes a causa não é uma chegada, mas um caminho apenas, uma jornada. O colher das flores e o aspirar as fragrâncias que o vento nos oferece pelo andejar. Certo. Vou filosofar menos e direcionar mais respostas do que perguntas, embora eu prefiro as perguntas, porque uma boa pergunta me isenta de estar certo. Ou não, porque também devo portar-me de modo a fazer as perguntas certas, e aqui, acreditem em mim, porque a pergunta certa não oferecerá, de minha parte, nenhuma resposta. Então vou caprichar na pergunta, posto que sei que repeti-las-ão de esquina em esquina, porque são perguntas existenciais de um ambiente, ao qual dirigir-me-ei como se uma civilização o fosse. Falta muito, bem o sei, mas façamos de conta que estejamos no primeiro degrau de que tal aconteça:Uma civilização!  Claro, necessitaríamos de mais pensadores, mais sonhadores, mais menestréis, mais artistas (aí a coisa pega, porque os pobres artistas servem apenas de ratos moribundos na boca e na disputa de dois gatos), mais filósofos, mais arquitetos engenhosos e criativos, enfim, é preciso mais do que cada um destes especialistas, que conhecem seus oficios, mas para que deem fluência a uma civilização, hão de ser mais e mais inventivos, criativos, ou até mesmo cruéis, se lembrarmos que há relato de civilizações mais conhecidas pela crueldade do que pela genialidade. Mas não enveredemos por este viés. É perigoso demais. Permaneçamos na colina e deixemos os penhascos aos ousados. Eis o que penso então.

O que define um limite? Quem define um limite? O que é um limite?  A estas ouso responder, ainda que não passe de opinião pessoal, mas como meu trabalho neste blog é opinar, pronto! Eu opino. E o que define um limite é a definição da trajetória, da meta, da força de impacto, e da força de tensão do lançamento em direção à meta, a determinação, e o conjunto de fatores que se encontram, e o cumprimento de seu objetivo. Muitas vezes, mesmo para chegar a tais objetivos, ainda que desconhecidos, há limites no esforço empreendido, caso contrário, promoveriam o esgotamento por antecipação de quem empreenda tal jornada. Penso então que Gramado, se encontra em uma fase onde este esgotamento começa a ser visível, palpável, notado, e delicado.

O que é o limite do esgotamento de uma cidade que cresce, senão as dores deste crescimento, e os conflitos gerados pela falta de planejamento desta trajetória? Sendo assim, Gramado, conforme já tenho comentado em outras oportunidades, tem crescido à sorte de seu sucesso, isto é, as coisas acontecem intuitivas e fortuitas, onde a sorte deixa de ser uma variável, e passa a ser uma constante. Uma constante tanto no repetir dos fatos, quanto por constar no planejamento deste crescimento. A sorte de uma cidade que não tem entre as preocupações os dramas que possuem centenas ou milhares de pequenas e grandes municípios brasileiros diante das crises que se amontoam  , é justamente ter na própria sorte a ventura de tê-la em sua contabilidade e arranjo de crescimento. Assim, quando a sorte se torna uma determinante do sucesso, anestesia as dores da movimentação e reduzem a sensação de fadiga que cada corpo apresenta no senso de proteção de seus componentes. Assim, Gramado disfarça sua fadiga de crescimento pelo sucesso atrás de sucesso de seus empreendimentos. Mesmo assim, Gramado vem alcançando limites, e estes limites são o resultado de antigos sonhos de seus governantes, de seu povo, de seus visitantes. São limites onde o alerta vermelho da dor é sufocado pelas endorfinas do sucesso, e que somente serão percebidos no momento em que não houver mais o ruidoso cantarolar das fanfarras, lá pela calada da madrugada, aquele momento em que o corpo não consegue mais repousar, e os pensamentos se mesclam com a insegurança e o medo de que tal sorte se sublime no dia que logo vai amanhecer.

Gramado é entretecida por fios, como cabos de aço de uma ponte pênsil que se rompem silenciosamente aqui e ali, e ao termo de tempos maior é o número de fios que se romperam do que daqueles que ainda se encontram intactos, mas que não  podem suportar sozinhos o peso que os leva à exaustão por antecipação. 

Gramado se encontra no momento em que não apenas o Poder Público, senão cada cidadão precisa fazer uma auto-avaliação de suas condições, um checape do funcionamento de seu corpo ideológico, e descobrir em que momento de seu limite está vivendo, se nos primeiros fios já rompidos, ou no último que ainda sustenta seu desejo de crescimento. E ao descobrir-se mais frágil do que imaginava, ao descobrir-se com menos potência do que registram suas informações de uso, é saudável que pense e repense seus caminhos, seus sonhos, seus objetivos. É mister que questione-se sobre sua trajetória passada, para que não esbarre em muralhas nos passos que virão. Urge que Gramado faça esta avaliação de sua própria história, que avalie seu momento presente, que ponha em uma planilha e em um gráfico suas conquistas, mas também o preço que foi pago por elas, e que verifique a linha evolutiva deste gráfico para descobrir e comparar com a linha vermelha dos custos necessários para que esta linha siga sua trajetória desejável. Assim, comparando o andamento e o cruzamento entre tais linhas, avalie-se se o caminho por onde seguem, mesmo que ao sabor da sorte, seja realmente o caminho que foi desejado lá atrás, onde haviam mais sonhos e menos fadiga para realizá-los.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Eu sou judeu e você nem sabia

Maria Elisa Dias Cardoso, minha avó

Pois é. Embora a lei judaica diz que para ser reconhecido como judeu, é necessário que seja filho de mãe judia. Pois então tou lascado, porque minha mãe tem nome persa: Ester! Ninguém em minha casa tem nomes parecidos com nomes comuns às famílias judia, pois meus tios chamam-se Esaú, a quem minha tia Lina, chamava de "Izáu" (Izav é a grafia hebraica de Esaú), e Samuel Isaac, todos nomes, acho que italianos, me parece assim. Minha avó materna, chamava-se "Maria Elisa Dias (e não "Tia Ilizia", como era conhecida), mas curiosamente suas irmãs chamavam-se assim: Maria Lucinda Dias, Leonor Pereira Dias, Maria José Dias, Margarida Pereira Dias, Lina Pereira Dias, e seu irmão de cuecas chamava-se João Vitor Pereira Dias. Perceberam algo estranho aqui? Vou ajudar: Quem tinha Pereira no nome, não tinha Maria, e quem era Maria, não se chamava Pereira. Curioso, não? Eu explico.


Por demanda de sobrevivência desde os tempos da inquisição, vulgo "Santo Ofício", que de santo não tinha nada, mas demoníaca mancha da humanidade, assim como o Holocausto,  os judeus e seus descendentes precisavam defender-se de qualquer modo, e defender-se significava sobreviver dia a dia com medo e desconfiança, tomando precauções e se esgueirando aqui e ali para manter a cabeça em cima do pescoço. Inclusive trocar os nomes de família. E por que tinham estes nomes?Simples: Para que, caso um fosse apanhado pelos dedos-duros do Papa, poderiam dizer que não tinham parentesco, e com isso, ao menos parte da família estaria a salvo da perseguição,  e quiçá do martírio e morte cruel.


É um golpe duro, nestes tempos de antissemitismo explícito, alguém declarar-se "Judeu", ainda que tendo uma religião proveniente do cristianismo, ou por acreditar que O Messias prometido seja Jesus de Nazaré. Então, vale salientar que sim, eu não sou reconhecido como judeu aos moldes formais do judaísmo, que tem suas regras e devem ser respeitadas, e tampouco estou preocupado em quebrar alguma lei e infiltrar-me a golpes de malho em uma comunidade à qual eu não pertenço de fato. Então o que? Então nada. Tenho dito aos meus amados amigos judeus de fato e direito, que não estou preocupado em buscar reconhecimento, mas quero sim, adquirir conhecimento. Quero enriquecer minha história e mergulhar na sabedoria deste povo que gerou meus antepassados, eles sim, judeus de fato e de direito, e que se estou aqui é porque em algum momento alguns deles entenderam que deveria preservar a vida, sua e de seus descendentes,e aderirem à religião cristã (católica, e mais tarde,luterana), porque sabiam que ainda que houvesse um mar à frente, o braço forte do mesmo D-s (judeus não escrevem as vogais, para que não seja profanado O Nome Sagrado do Criador e rei do Universo, como O chamam) que tirou nossos pais do Egito, com incontáveis milagres e maravilhas, também varreria o mar do preconceito que varre a humanidade de quem deveria manter-se à Imagem e semelhança de seu Criador.


Assim, minha avó e meu tio-avô João, ainda jovens, católicos fervorosos, desde priscas eras, ao descobrirem uma denominação religiosa que tinha a guarda do Sábado (Shabat) como um dos preceitos principais, adotou esta modalidade de fé para preservarem sua preciosa herança genética. Tornaram-se Adventistas do Sétimo Dia (O Sétimo Dia é o Sábado). Minha avó conversava muito comigo, e tinha uma memória prodigiosa. Era capaz de nominar pessoas, casamentos, origens, até a quinta ou sexta geração de nossos ancestrais, e sempre terminava dizendo assim: "..o fulano que era casado com a fulana, filhos do beltrano, vieram de Lages, que vieram de Laguna, que vieram de Portugal, que vieram da França, e por fim, todos eles eram "Arábios". Para bom entendimento, neste tempo não havia ainda o Estado de Israel,e a região conhecida como Palestina, nome dado pelos Romanos, ao dominarem todo o território dos Filisteus (Hoje Tel Aviv e adjacências), deram o nome de toda a região aos "Falastinvs",  Os filisteus não eram árabes nem ao menos semitas. Sua origem era grega. Eles não falavam árabe, nem nunca tiveram qualquer conexão étnica, lingüística ou histórica com a Arábia ou com os Árabes. O nome “Falastin” que os árabes usam atualmente para “Palestina”, nem sequer é uma palavra árabe mas sim hebraica – Peleshet (raiz Pelesh), que significa divisor, invasor. O uso do termo “Palestino” para se referir a um grupo étnico árabe é uma criação política moderna, sem qualquer credibilidade acadêmica histórica. Assim então, eram chamados de "Arábios", todos aqueles que eram provenientes do Oriente Médio, ainda que fossem eles cristãos, muçulmanos ou judeus.



Fui criado mediantes muitos costumes que , embora adventistas, tem grande proximidade com o judaísmo,como a alimentação "Casher" (recomendada), indicada no Livro de Levítico; a guarda do Sábado, e muitos outros, mas o pitoresco disso são os costumes de minha avó e da própria família, que se consultarem a literatura bastante abrangente sobre os costumes dos "Cristãos-Novos, como eram chamados estes descendentes de judeus cristianizados pela força, verão por exemplo, a grande quantidade de casamentos entre parentes próximos, para fugirem à assimilação, o que fatalmente destruiria completamente a cultura judaica. Evidentemente desconheciam leis da Genética, e isso explica certas coisas da minha doideira também. Para não me alongar demais, vou dizer que meus bisavós maternos, eram primos-irmãos. Muitas tias eram casadas com primos-irmãos ou primos em segundo grau. Minha avó orava duas vezes ao dia, trançando seus logos cabelos (nunca cortou, e batia na cintura), recitando um por um dos nomes dos filhos e parentes, balbuciando ou cochichando ao orar. Assim como fazem os judeus religiosos. E depois disso, seguia, cantarolando canções religiosas (cristãs) o resto do dia.



Minha bisavó, Maria Francisca foi cuidada por minha avó, que era a filha mais nova, e ao morrer, foi sepultada ao lado da casa, para não ser sepultada em cemitério gentio. Coincidência? muita pra ser desprezada.



Outra particularidade da família são os nomes bíblicos do Antigo Testamento, repetidos: Davi e Daniel são os mais comuns (por coincidência, dois netos da penca que tenho, se chamam...Davi e Daniel! Outros dois são Sarah Elise, e Lucas. Elisa então, além da minha Sarinhah, tem mais duas: minha avó e sua tia, ambas se chamavam "Maria Elisa". Elisa é  um nome judeu, proveniente de Elisabeth, que por sua vez, na Bíblia recebe o nome de Elisha, a esposa de Aarão, irmão de Moisés. No catolicismo foi chamada de Isabel. Aliás, Moisés também tem na familia, assim como uma penca de irmãos que se chamavam: Elias, Geremias (a grafia errada é culpa do escrivão analfabeto), Izaías (o escrivão de novo), Ananías (o escrivão era terrível,pois meu querido primo sempre foi chamado de Ananias, o que deveria ter sido), Malaquias, Saulo (Sha-Ul), assim como Ezequiel, Joel, Manuel, e por aí segue a caravana.


Ao  longo dos  últimos dez anos,ou mais, tenho aprofundado meus estudos e minha reverência à cultura judaica e buscado sua sabedoria, não apenas religiosa e ética, política e humanitária, e tenho assumido publicamente minha paixão pelas coisas que tenho encontrado. Estudo hoje a Torá e o talmude com o mesmo afinco que durante décadas estudei a Bíblia integral cristã, e pude compreender ao modo judaico o que era dito ao modo cristão. Juntei meus preconceitos e os lancei no mar antes que suas águas se fechassem novamente, e se me perguntarem ( e me perguntam) o que eu sou, se judeu ou cristão, eu digo: Sou um Dati, um estudioso das Escrituras, filho de HaShem (D-s), amigo de meus amigos e irmão de quem souber me respeitar por aqui que escolhi seguir. Fui a Israel conhecer um pouco mais desta história, e também tomei um choque de realidade, ao deparar-me diante do Kotel (Muro das lamentações, coberto por uma quipá (aquele chapeuzinho engraçado), e ao ser abordado por um Rabino Chassídico que me oferecia um Tefilim, perguntei a mim mesmo:"O que estou fazeno aqui? Quem sou eu? Qual  o sentido disso tudo?


Sou membro de uma comunidade religiosa, mas não frequento nenhuma congregação,porque não me identifico mais com o modo ocidental de culto e pregações,  porém guardo na essência aquilo que determina os pilares de uma crença: Creio no Messias Yeshua (Jesus), creio na Sua volta muito em breve, mas creio que o povo judeu é sim o povo escolhido e amado por D-s, e que tem grande responsabilidade sobre o conhecimento das coisas da fé no D-s Único e que fará grande diferença diante do Eterno no breve dia da reconciliação da humanidade caída com o Libertador dos Homens e Mulheres de boa vontade.
Shalom!

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Annelies Helena Rosenfelt - Pioneira e hospitaleira

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna
Foto Reprodução Facebook:Jorge,Rose,Fábio e Annelies

O ano era 1977. Mês de setembro, se não me falha a memória. Eu presidia a entidade dos estudantes secundaristas de Gramado, GEMA - Grêmio Estudantil Machado de Assis,e estávamos às voltas com o III FET - Festival Estudantil de Teatro, promovido pela UGES - União Gaúcha de Estudantes, e anfitrionado por nós. Era um evento interessante,com grande peso político, pois reunia cerca de setecentos estudantes, vindos de todo o estado, para se apresentarem e competirem e uma mostra de teatro amador, mas com ares profissionais.

Além das apresentações teatrais, haviam oficinas e palestras,e também rodadas de debates com os autores e diretores, como também com renomados artistas convidados para o evento. O ápice foi um monólogo encenado pelo ator Dilmar Messias (hoje Diretor do Theatro São Pedro, em Porto Alegre).

Tínhamos que prover alimentação e hospedagem gratuita para toda essa gente, e mais, tínhamos que organizar eventos sociais para entretê-los também. Tudo de graça, às custas do GEMA. E fizemos. Tudo foi feito na base do mutirão, começando pela alimentação e hospedagem. A comida era preparada por nossa equipe, maravilhosa, devo salientar, que era quase onipresente, ora na cozinha do pavilhão da comunidade católica, onde eram feitas as refeições, ora no palco do Cine Embaixador (hoje Palácio dos Festivais), ora pelas ruas e em suas próprias casas, acomodando visitantes para o evento. 

É destas acomodações que quero manifestar meu reconhecimento pela primeira pessoa da comunidade, em cuja porta batemos,pedindo hospedagem para os estudantes, que disse com um largo sorriso, que era próprio de sua elegância pessoal, que aceitava dois hóspedes, e além de dormirem em sua casa, poderiam ainda tomar as refeições com a família. Esta pessoa era Dona Annelies Rosenfeldt, a quem conheço desde minha infância, onde também fui escoteiro por certo tempo, e portanto colega de seus filhos Jorge, Fábio e Ronaldo* (In Memorian), que também me acolhiam na mesma condição de amigo, sem nenhum tipo de discriminação ou diferença. Uma família que exala simpatia e generosidade desde sua matriz. Assim era Annelies! Simpática, generosa, cortês e elegante. Sempre tinha um sorriso ao receber quem quer que fosse em sua loja. Sempre tinha uma forma de dizer sim e dizer não com tempero no olhar.
Annelies foi uma pioneira na sua arte, que por acaso era também um negócio, uma empresa, que gerou por muitos anos parte da economia de Gramado, direta ou indiretamente, pelo fato de ter gerado um mote desta economia, ainda que efêmera, e ouso dizer que Annelies lançou a semente e colheu bons frutos por muitos anos, e o tempo que faz das pessoas seguidoras daquilo que dá certo, encarregou-se de disseminar sua arte por outras malharias, e descendo a serra, estacionou em Nova Petrópolis, que aprimorou-se e disparou à frente com mais tecnologia e ímpeto empreendedor. Passado esse tempo, as malhas de Gramado arrefeceram, e Annelies recolheu-se ao descanso merecido. Não a via fazia muito tempo, mas de que importa a distância, quando as grandes atitudes de uma pessoa são gravadas em ouro em nossas lembranças?

Minhas condolências, e ao mesmo tempo meus cumprimentos aos filhos de Annelies, meus queridos amigos Jorge, Fábio e Rose, assim como aos filhos de meu também querido e saudoso amigo Ronaldo, pela oportunidade que D-s, o Eterno, lhes deu, de serem escolhidos pelo destino para serem chamados de filhos de Annelies Helena Rosenfeld.

Shalom!

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Os amigos, o mar e eu



Férias sempre foram terríveis para mim,  desde os tempos em que ainda mijava na cama e andava de tamancos e meia, em dia de geada grossa. Quando chegava janeiro, todos viajavam, saíam para visitar parentes, passarem o verão na praia e coisas do gênero, e eu ficava sozinho. Não tínhamos casa na praia, e não éramos convidados para passar o verão com os parentes que as possuíam. E eu ficava lá sozinho, jogando bola comigo mesmo, escavando barrancos e imaginando estar construindo um refugio para defender o mundo de invasões alienígenas ou dos russos, pois eu fazia parte de um importante comando interestelar de super heróis, que tinha como missão defender o planeta. Ou a vila onde morava. Isso eu fazia muito bem, era confiável aos meus superiores, fossem eles quem fossem. Anoitecia, e eu estava lá vestido a caráter: toalha de saco de açúcar nas costas, máscara do zorro, espada de madeira, funda municiada com grande estoque que pedrinhas selecionadas a dedo, e um lanche para suportar a longa noite de ronda, que começava ao anoitecer e encerrava tarde da noite, algo como vinte e uma horas.  Eu não usava relógio, mas tinha um sistema de alarme instalado na voz poderosa da Maria Elisa, que berrava aos fortes pulmões, invocando pelo meu nome. Eu ficava incomodado, pois todo o quarteirão ficava sabendo que eu estava de plantão atrás das pedras, guarnecendo as galáxias. Tudo isso com uma funda, uma espada de madeira, pão com chimia de cana, o doce dos pobres, e a máscara do zorro, porque era fácil e barata de fazer. Sozinho, porque meus amigos tinham que acompanhar a família rumo às praias.

Hoje eu não uso mais máscara do Zorro. Depois que George Hamilton fez aquele Zorro que usava chapéu lilás cheio de franjas, e costurava vestidos para matronas da sociedade mexicana, reavaliei melhor meus personagens.  Meus heróis atuais tem olhinhos que fazem com que meus velhos olhos cansados voltem a brilhar e aceleram meu coração quando ouço seus gritinhos marotos e seus pezinhos lépidos correndo pelo apartamento fazendo traquinagens. Hoje eu não fico mais sozinho pelo fato dos meus amigos passarem o verão na praia. Dei a volta e vinguei-me deste abandono. Então, se era a praia quem me afastava de meus amigos, passei uma rasteira na vida (ou tomei uma rasteira dela, ainda não decidi isso), e revesti-me de mar e areia: vim morar em uma ilha, com quarenta e duas praias. A ironia disso é que, pelo trauma de não ter amigos por perto por culpa do mar na minha infância, hoje eu não gosto de praia. Não vivo na praia, apesar de ver o mar todos os dias, pois moro pertinho de uma avenida à beira do mar. Mas estranho. Muito estranho, pois quanto mais eu vejo o mar, mais saudade eu sinto dos meus amigos que ficaram nas minhas lembranças. Eu vim morar perto do mar, busco então ser feliz por isso, enquanto eles se tornam mais felizes quando conseguem dez dias por ano para salgarem o couro no primeiro braço de mar que encontram. E depois, voltam para o cotidiano e o repetitivo do qual fogem para o lugar onde verdadeiramente são felizes (muitos nem sabem disso), porque tem um cotidiano por seguir, uma história por construir, um livro de lembranças por escrever. 

O mesmo acontece com as sextas feiras, as segundas feiras, as férias e o retorno ao trabalho ou às aulas. Sextas feiras são péssimas, quando a semana foi improdutiva, mas pior que o domingo à noite, não tem. Ainda bem que depois do domingo à noite, amanhece uma promissora segunda feira, para reparar os fracassos da semana anterior e nem lembrar que cada semana tem os seus próprios fracassos a nos esperarem na próxima curva. O lazer entedia mais que o trabalho, pois o trabalho proporciona o prazer do sucesso, ou a frustração pelas falhas. Já o lazer não tem nada a oferecer senão o prazer do lazer. Não há conquistas. Não há sucesso, senão as contas que restaram. Então, sentir saudades dos amigos abduzidos pelas férias nas praias, foi o meu jeito de intuitivamente, instintivamente sem planos estabelecidos, um dia morar perto do mar, e como vingança, passar em frente e não pisar na água nem na areia. 

Talvez o faça também pelo prazer em escandalizar àqueles que imaginam que quem vive numa ilha, passe o tempo todo num barquinho balançando ao sabor das ondas em busca de um peixinho para assar à beira da praia numa fogueira, cercada por gente romântica cantando odes ao luar, ou então entregando-se ao ócio tresloucado da gula incontinenti nos pequenos botequins do casario centenário da ilha, e ainda mais, imaginam que quem, quando menino, ficava sozinho no verão, certamente vingar-se-ia dos verões consumindo todo o mar que pudesse conter em tais lembranças, para resgatar a infância perdida. Mas não. Não é isso  que acontece. Não foi o que aconteceu. De fato, os anos nos afloram sabores, mas em mim afloraram os bons sabores que tive e não os que me frustraram, o que me leva a concluir que meu livre arbítrio me fez pisar no lugar que nunca pude ir quando menino, e ainda assim, escolher não desfrutá-lo, tornando-se este o meu desfrute. De outro lado, aquilo que me leva pela mão às mais remotas lembranças, tais como o cuscuz com leite, o feijão mexido, o chá de mate com leite, a batata cozida fria que sobrou do almoço para comer com café, o café com mistura, o feijão com arroz e couve, a uva pretinha e o refresco gelado de boteco, são aquelas lembranças que não exigem esforço para  que nos chamem no entardecer. Assim, ficam as lembranças e os amigos. E fica também o mar. Ali pertinho. Mas o mar deve continuar sem mim.




A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...