sábado, 23 de dezembro de 2017

Mas neeem te mete, bocaberta! - Um passeio pelos sotaques do Rio Grande




O Serrano
Pois falar do sotaque gaúcho, ou dos gaúchos, melhor dizendo, é muito mais que a miséria caricata da fonética carioquês-agauchada e imbecil que os personagens teatrais teimam em acreditam que sejam capazes de imitar. Não conseguem. O único humorista que conseguiu chegar próximo do caricato original (porque até pra fazer caricatura de si próprio, tem que ser gaúcho e bom de ouvido), foi Chico Anísio, onde imitava uma fazendeira de Bagé, a Salomé, que por sinal, nem foi criação dele e sim de um dos maiores humoristas brasileiros, amoitado no Rio Grande, o Renato Pereira. Todos os demais humoristas, por mais engraçados que sejam, ao seu modo, imitam os gaúchos, e acabam com isso, por seus estilos próprios, tornando-os engraçados também. Mas não seriam capazes de passear com uma cuia de mate por um rodeio, ou num fandango, sem que discretamente passassem um lencinho umedecido na bomba antes de tomar um mate servido, e aí tava morta a cobra. 

Pra começo de conversa, o rio Grande não tem um sotaque uniforme, e mudar a sílaba tônica quando diz "Barbaridade, tchê!", é o primeiro grande deslize fonético regionalista que cometem. Só um gaudério bem bagual (uma prenda lindaça é classificada aqui como gaudéria bem bagual também, pois discriminação não faz parte do jeito gaúcho de ser. Macho é macho, prenda é prenda e o pingo véio leva os dois no mesmo trote) é capaz de florear a entonação da palavra "Barbaridade!". Vejamos então estas particularidades.


O taura de cima da Serra, espicha o beiço pra salientar o bigodinho demodê, bem aparado, cheirando a loção de "Água Vérva", e diz: 
-"Mâns isso é uma baaar...baridade!". 
Percebem? A primeira sílaba, "bar", é separada por reticências, um leve hiato dançando no vazio, que termina rapidamente, para não perder o fio da meada, chegando no "baridade", porque prosa de serrano não tem hora pra terminar, quando tem mate e costela na prosa. E se você quer ter mesmo certeza de que o vivente é serrano, vai perceber que sempre no meio da conversa ele deixa escapar a expressão: 
-"Mãns isso é côza dos antxíiiigooo, de fal-cída minha vó, côza ainda do tempo da rivulução de vintxitrêis...".
 Dito isso, fica olhando no vazio, buscando um restinho de lembranças da saudosa Revolução de vinte e três, e chega até a escutar os gritos de "bâmo mula!"; "carca fogo nos veiáco!"; "te meto um soco nos beiço!", e outros impropérios de exaltação da valentia, e ainda o retinir das adagas na peleia. E se olhar com cuidado, irá perceber uma lágrima escorrendo no cantinho do zóio do maleva... Eis então que Barbaridade dita por um serrano, é de fato uma barrr...baridade mesmo.

Barbaridade é uma palavra que carrega uma carga muito grande de responsabilidade, pois quando começa a dizer "bar", meneia a cabeça e gira os olhos numa espiral cósmica, em busca de respostas para o infinito entre o bar e o baridade. Creio que até deveria haver um tratado para a pronúncia da barbaridade, o que em si seria já uma grande barbaridade também.

O Portoalegrense
Gracinhas à parte e discórdias por disputas de ego, o porto-alegrense é disparado o mais original de todos. É um cantor de ópera e um contorcionista por excelência, pois ao pronunciar a palavra "barbaridade", é um espetáculo imperdível, um show de mímicas, caretas, sons etéreos e volteios que se entrelaçam e voltam, entre sons que são modulados de acordo com o espaço disponível para a extensão fonética, e após se encurvarem em diagonal, com os braços estendidos em direção contrária, rodopiando a mão enquanto coça o redemoinho do cacuruto, exclama, começando com com o preâmbulo : 
-"Mãééééssss bêeeeeeeim capássssss!" Béãééérrrrr-báridáaaadjeeeee...! E aí começa a prosa, entremeada de adjetivos como: 
-"Me caíu os butxiãnnnsss, né guríêmm? Ou então:
- "Páu-lô Felí-pêee! Dêu pra txi, guríêeimm! Não quero mais que me chupes picolé antes do churrass, porque djepôis tu néaoo comee ná-damm , viuuu?"

Gentilíssimo e barraqueiro, o porto-alegrense é capaz de andar dez quadras fora de seu roteiro para levá-lo ao seu destino, quando descobre que você está perdido no trânsito. E nem será difícil de localizá-lo na serpetina do trânsito, porque ele te localiza. E berra de janela aberta: 
- Óooonhmmm! Daqui agora tu segue reto que vai dar béeeem onde tu queres irrrr!
Nem espera pelo agradecimento, e já some no meio dos carros que voam rasgando a buzina por qualquer dá-cá-essa palha.

O Missioneiro
O taura das missões fala de um modo mais malemolente, meio que mastigando água, quase adengosado, e suavizando o "C" pelo "X".:
- "Nhãoum! Não me gripo com faxilidjádje. Xó quando me dão xerveja muinto gelhádja pra beber!"
Mas aqui tem umas particularidades que convém salientar.Por exemplo: "Quando ME dão..." O Me é acentuado com vigor: Mê! As sílabas são bem separadas e cada palavra é tratada com a devida vênia. Não se engolem palavras. Muito menos sílabas. Pode dizer-se que o misssioneiro, que soaria como "Mixionêirô!, seja um bibliotecário e arquivista do vernáculo, porque cada palavra tem que ser minuciosamente elaborada ao ser dita.

Podemos dizer que o sotaque do missioneiro norteia também o planaltino e o fronteiriço, este um pouco acastelhanado pela influência com os países que divisam  com sua pátria, o Rio Grande. O "leitê quentê" faz parte tanto do cardápio quanto da fonética das palavras desta parte do Rio Grande.
- Nhão se apoquentê donha Mariaãm,  porque o pôrco foi capado e carece dê muintô tratô!"

O gramadense
Gramado é uma mini cidade cosmopolita sem sotaque próprio, que ora, pende para o serrano, ora para o porto-alegrense, e ainda sofre forte influência do tedesco (alemão primitivo) e dos seus dialetos, e também do italiano, ambos dialetos de seus colonizadores. Mas os mais antigos tinham certos maneirismos e expressões interessantes, ainda cultivada por alguns habitantes do interior, com:
- "Bamo pro Gramado, na venda do sêu Abeli, mãns antes bamo jogá uma partida de bótia na vendo do sêu Istrapassóla"!
Os sotaques italianos são bastante característicos em Gramado, de onde colhemos expressãos como:
- "Má crrrrrameintooou! Pórrrca mijéria! Xe eu non me xegurrro, tinha me ixcuiambado todoo o fordeco!"

-  Má óia, é, que te dou um tapo na retcha xe tu me incomoda ôze! Má io te díxe quantas veix que nom me incomoda, porque io xó vou lavá ox pé, e deu!"
- "Má me ixcuita, é! perrchê tu num vai mizá do ôtrrro lado da cája, xêu pôrrrcooo! Má dèssa a nona tê vêe aí que ela te cápa!"

Os alemães também deram sua contribuição pro rico balaio fonético dos gramadenses:

- "Das ist fumets, uma feiss lá, xácuára! Fem lá uma fêis e come ein stick kuhen, nêne! Côome, nêne, que tepôiss tu cânha uma piscôitinho brá facê tunga, ssim, no gafé"
- "Máaaaaim! O brimo Hans me tuca ti nôvooo! (Tuca,, brimo, tuca, fêm lá e tuca..!)"
"Bóte xecá, frequêsss! O cuca é arecém saíto ta fôrrno!"
- Ficínhaa..fí-cinhaaa! eu tá ton prreocupata com minha filho, Heinz! Ele xá dá rapaisss, e taí arumô um chenemetz pêemm mais félha gue ele, e ficáron no tomíinco te dárrte, facendo popaxáda nos capuêrra, e ela, que é peeeem maiss vélha te gue ele, tevía te ter xuíço no cabeça, mas nom tem, e fez mál pra ele. Acórra fái der que cassar, ele tois, né, uma fez!"

Enfim, isso tudo e muito mais é só um pouquinho do que se fala no Rio Grande, que é muito maior que o nome diz.

Assistir no Youtube (Entra lá e dá um LIKE)



segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Reunindo as mais belas vozes femininas de Israel, Quinteto Carmel Acapella, lança seu álbum de 20 anos




O Quinteto vocal feminino CARMEL ACAPELLA reúne as mais belas vozes de Israel em clássicos, e comemora seus 20 anos de carreira lançando um álbum por Crowfunding, e convida o Brasil a participar deste projeto.
Minha querida amiga, Maestrina Shula Erez envia e eu compartilho esta oportunidade.
Confesso que sonho em vê-las cantando aqui no Brasil.
Pacard


Resultado de imagem para carmel acapella

 Visite o site e conheça mais clicando aqui


Nós temos um sonho

Carmel A-Cappella está comemorando 20 anos de criação musical conjunta. Para esta ocasião especial, decidimos gravar nosso 3º álbum e gostaríamos de convidá-lo a participar deste presente de aniversário.



Quem somos e o que fazemos

Há 20 anos, Shula Erez fundou o primeiro grupo feminino A-Cappella
em Israel, e desde então, Carmel A-Cappella é uma parte vital na cena musical israelense. Ao longo dos anos, nos apresentamos em pequenos estágios e enormes, ganhamos alguns prêmios de prestígio e participamos de uma variedade de festivais, cerimônias oficiais, programas de TV e rádio, além de colaborar com vários artistas líderes em Israel e no exterior. Nosso repertório é muito versátil e contém uma variedade de arranjos vocais frescos de peças clássicas instrumentais, musicais, música contemporânea e música de jazz. Durante os últimos anos, estávamos em uma turnê mundial que incluiu China, Equador, Alemanha, Espanha, Suíça, México, Itália, França e muito mais.

Nossa paixão

Nossa paixão e amor pela música A-Cappella nos leva a encontrar, criar, gravar, executar e evoluir ao longo dos anos. Mas, o amor não é sempre o suficiente e aqui gostaríamos de pedir-lhe amantes de A-Cappella para intervir e nos ajudar a perseguir nosso sonho.

Nosso sonho

Ao longo dos últimos anos, trabalhamos em vários arranjos frescos e diversos de A-Cappella que gostaríamos muito de gravar. Os novos arranjos são originalmente escritos por nossa muito talentosa Shula Erez e, como de costume, são extremamente versáteis e incluem uma grande variedade de peças musicais. Se você tiver o amor A-Cappella ardendo em seu coração, tudo que você precisa fazer é apoiar este projeto e participar dessa criação. Nós, naturalmente, devolvemos e agradecemos seu apoio. Todo apoio, pequeno ou grande, nos aproximará para tornar nossos sonhos realidade. Um olhar muito rápido do que o nosso novo álbum incluirá é o pequeno vídeo anexado.

Agradecemos antecipadamente a todos vocês que participarão para tornar nossos sonhos realidade.

Com Amor,
Carmel A-Cappella


Beethoven the 5th

 














What a Wonderful World by Bob Thiele and George David Weiss



Uma canção especial para a Páscoa 
Vivaldi - As quatro estações - A primavera

 

Recordando as visitas nos tempos da infância (Se você se identificar, sim, estamos velhos)



Quando eu era menino, muito pobre, minha família praticava certas coisas, das quais sinto muita saudade, e que não vejo mais acontecer hoje. Não, não digam que é  porque todo velho tem saudade, não senhor, senhora ou senhorita. O segredo não é sentir saudade, mas sentir saudade das coisas certas. Por exemplo: Dormir na casa de um parente! Isso era um acontecimento. Tanto no nosso ranchinho se vidraça, com janelas de madeira, quanto nas casas das tias e tios,estar com a família era o que importava. Era um milagre da multiplicação, inexplicável. 

Uma pobreza que dava gosto, mas assim que chegasse um parente de longe, primeiro, não chegava de mãos vazias. Sempre trazia consigo algum mimo da lavoura ou mesmo do armazém. Embrulhados em panos de prato, pães perfumados ainda quentinhos, da casca crocante, um pote de geleia ou marmelada, caramelos para as crianças, ou até mesmo um quilo ou dois de bananas, que eram devoradas no tempo de um suspiro, coisas desse tipo

Para a dona da casa, um paninho de prato ou um lencinho bordado, ou uma bela moranga, ou um saco de milho verde, feijão ou aipim. Qualquer coisa da própria horta. Ou do pomar, como um saco de peras ou pêssegos, talvez umas uvas. Sim senhor, senhora ou senhorita! eram tempos felizes aqueles.

A mãe corria a matar uma galinha gorda para preparar um sopão, enquanto um café cheiroso espalhava perfume pela casa, e do armário milagrosamente saltavam coisas que o mistério da multiplicação não explicava.Por exemplo: De onde saiu aquele queijo: E os biscoitos enfeitados, que apareceram milagrosamente para dividir com os primos? Não sei. Só sei que comíamos com gosto tudo, e ainda sobrava espaço para subir nas árvores e colher frutas verdes para embotar os dentes.

Visitar ou ser visitado na infância era dormir no chão, cinco ou seis crianças, tagarelando e rindo, até  que algum adulto nos mandasse calar a boca e dormir. Mas dormir pra que? Dormir era tempo perdido, quando tínhamos visita em casa. E na manhã seguinte, ainda madrugada, acordar ouvindo os adultos tagarelando na cozinha, o café quentinho, os bolinhos fritos e o cuscuz fumegando para ser comigo com coalhada ou leite gordo. Não senhor, senhora ou senhorita! Não tem como esquecer coisas assim. Não tem como esquecer as longas horas de prosa onde as novidades eram o zap-zap de então. Um retratinho guardado dentro de um envelope bem cuidado que passava de mão e mão valia mais que mil páginas de facebook, e um livro velho com gravuras em preto e branco garantia entretenimento por muitas horas entre olhares curiosos sobre as ilustrações antigas.

Voltar no tempo para visitar as velhas malas guardadas em cima dos armários, amarradas com cordinhas, e que guardavam lembranças, são a chave da eternidade das lembranças que temos, especialmente quando dentro destas velhas malas ou caixas encontrávamos tesouros, como óculos antigos, traquitanas que nem sabíamos para que servia, caixas com fotografias cor sépia serrilhadas, e rostos enigmáticos de parentes falecidos e vaporizados na história, gente de quem nunca ouvíramos falar até aquele momento. 

Voltar naqueles dias pelas lembranças é lembrar da despedida, onde novo banquete era servido, a mesa farta, cucas, pães, doces, manteiga, leite quentinho, café coado, queijo serrano, e muitas recomendações de lembranças. E para esticar um pouquinho a boa companhia,  acompanhando as visitas com suas trouxas e embrulhos, porque também milagrosamente levavam o dobro daquilo que traziam, e lá na cancela do potreiro, limite da casa com a saudade, os últimos abraços e recomendações.

Eles se iam e nós voltávamos.  Ou quando éramos nós as visitas, nós íamos, e eles voltavam. Assim eram os dias nas gavetinhas de nossas lembranças. Nos visitávamos. Nos visitavam. Passávamos dias e dias felizes, armazenando alegria para a espera da próxima visita.Nossa ou deles.

sábado, 2 de dezembro de 2017

Apolônio Lacerda e a Carteira de Bandido




A Carteira de Bandido

Torresmo era bandido. Não era qualquer bandido. Era bandido concursado. Bandido federal. Tinha carteira de bandido válida em 32 países. Mafioso. De Palermo. Por isso era chamado de palerma. Talve fosse. nunca se sabe. pouco se sabe dos mafiosos. Foi morar no Cêrro do Bassorão por uns tempos para sair de circulação. Levou pouca coisa consigo. Apenas a roupa, um chapéu e sua carteira de bandido. 
Valia muito uma carteira de bandido válida em 32 países. Era um salvo conduto em certos lugares. Na capital federal, uns figurões enlouqueceram quando viram uma destas. Ofereceram muito a ele. Dinheiro grosso. Mas nada o tentava. Era uma carteira conseguida na raça. Por mérito. Só uma vez balançou com uma oferta. Um Monza 83, mas motor 84 retificado. Parachoque original. Era demais. Mas ele resistiu e caiu fora.  Teve medo de ser roubado e saiu de lá. Era um lugar cheio de gente mal intencionada. Não. Ele era bandido, mas tinha principios. Não se misturava com esse tipo de gente. perigosa demais. Até mesmo pra bandido. Com carteirinha da bandido. Válida em 32 países.
Chegou no cêrro à noitinha e ficou na hospedaria atrás do bolicho do Tuiuco. Não deu seu nome verdadeiro. Nem sabia mesmo. E se soubese, nem a pau contava. Era bandido confiável. Tinha carteira de bandido. Válida em 32 países. Carimbada em 76. Pagou adiantado. Seis meses. Em dinheiro.  E se instalou ali. Fez amizades com o populacho. Em pouco tempo era do populacho.
Conheceu o Frei Uomo numa noite de carteado. Não jogava truco. Teve que aprender. Aprendeu. Se tornou campeão de truco e amigo do Frei.
Um dia apareceu no confessionário e desabafou com o padre:
- Sou pecador, padre. Me perdoe senão te arrebento. Chamo meus bandidos e mando passar fogo na tua batina contigo dentro. Eu pequei. E estou arrependido. 
O frei matutou e perguntou:
- Conte o que fez, meu filho!
Torresmo deu um pulo e sacou a arma. Arregalou o olho e sentenciou:
- Não vim aqui me gabar, padre. Vim me humilhar. Não conto nem tapado de mutuca!
O padre arregalou o olho e perguntou:
-E foram muitas vezes?
- Isso também não conto. Nem a pau!
- Alguém mais sabe?
-Ninguém.
O padre insistiu:
-Se não me contar, não tenho como saber.
-Pois bem. Vou contar! Tenho uma tara. Gosto de ir visitar as percantas e dou a elas duzentos contos, enquanto a tabela delas é de apenas cinquenta contos. E despois eu desato a xingar.
- E xinga muito?
- Não. Só até que me devolvam os duzentos.  Aí mostro minha carteira de bandido válida em 32 países.
O padre arregalou os olhos e bebericou uns goles para segurar o riso.
Dito isso, Torresmo se deu conta que confessara um segredo capital. Pegou a mala e sumiu mundo a fora. Levou consigo apenas seu chapéu e sua carteira de bandido. Válida em 32 países. Inclusive em Brasília.

A feiura segundo Apolônio Lacerda - A honra e a glória



Mãns chê - dizia Apolônio, com ar de desdém, misto com compaixão e um certo tanto de deboche: " Não te apoquentes, porque feiura não é mistério! É só defeito no carburadôri da encrenca!

Não  poupava nada.Perdia amigos, mas de jeito nenhum deixava guardado um elogio invertido sobre as qualidades da fealdade humana, vegetal, animal ou de desafetos, os quais não classificava em nenhum dos reinos conhecidos, mas algo entre o reino Fungii (dos fungos) e do traseiro das baratas, que também não era um lugar muito louvável.

A questão era que Apolônio tinha um transtorno bastante comum em pessoas tacanhas, de inverter valores e subverter virtudes, daí, dizia que tal pessoa era "imbizugada", quando o conceito geral era de que tal pessoa fosse linda. Chamar de linda perto dele era pedir briga, pois ele acreditava que o lindo era ser feio e e quanto mais feio mais lindo, pois pregava um ensinamento de que vivemos em um circulo virtuoso e ao mesmo tempo defeituoso, onde a lindozura estaria em um ponto desconhecido e que se ao mesmo tempo nos distanciássemos deste ponto indo na direção oposta na tangente deste círculo, estaríamos ao  de igual modo nos aproximando da belezidade que buscávamos, ou seja, quanto mais feio, mais lindo. Então, dizia ele que para um encontro pleno com a buniteza, era preciso que fugíssemos dela.

Apolônio era meio doido e meio certo. Isso ele não definia direito, pois dependendo da conveniência, ser doido era vantagem, Mas a lógica de Apolônio era interessante, e poderia ser aplicada a outras virtudes em contrastes com seus defeitos seja no Bassorão ou alhures, dando à lógica apolônica um sentido especial. Por exemplo, diz a sabedoria judaica que a honra é assim que se apresenta aos que a buscam, e quanto mais se busca a honra ( glória, reconhecimento, louvor próprio), mais ela foge de nós, porém no inverso disso, quanto mais fugimos da honra (modéstia, equilíbrio, temperança moral), mais ela (reconhecimento)  nos persegue.

Apolônio nunca fala em honra, pois isso  comprometeria a não dizer mais asneira. Mas não deixa escapar uma oportunidade para ofuscar a prepotência alheia com suas pérolas mordazes. Assim foi no dia em que foi apresentado ao recém nascido filho varão de Gualhaba, causo ocorrido com a Emerenciana, neta do...bem, isso não tem importância no relato. Pois Apolônio olha para o rebentinho ainda de olhinho fechado e lasca de chofre:
- Mãns chê! Como é feio! mas que bá! Parece um juêio de rezadêra!
- APOLÔNIO! - Vocifera o Frei Uomo, cuspindo o gole de vinho que amolecia o bocado de torresmo que mascava, escandalizado encolerizado com o disparete do atarantado.
- Mãns chê! Foi um inlojíu. Eu não ia falá pra mãe do cuéra que a cara do bicho é mais parecida com uma capivara desmamada, ia?
Frei Uomo estava em duvida se enforcava Apolônio com o rosário, ou dava nele com a bengala, quando vê Apolônio  fazendo um carinho no infante, que por estes inexplicáveis mistérios, fez com que a criancinha olhasse para Apolônio e desse um largo sorriso, desconcertando Apolônio:
- Eu vou bater nele, Frei! Não tava no combinado que o piá ficasse de gracinha comigo!
E quanto mais falava e gesticulava,mais ria o piá, derretendo Apolônio de lembranças...e fechando o círculo das virtudes, onde quanto mais se foge da honra, mais ela nos persegue..e quando o Frei olhava para outra direção, lá estava o dedo do Apolônio, emocionado, fazendo bilu na creancinha marota.
- Mãs que parece um juêio, parece! Ih, o piá me cagô no colo....

A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...