quarta-feira, 31 de maio de 2017

O Rei está Nu? Gramado espera que não.

The King is Naked!  Internet

A Acefalia Política  pela qual, aparentemente,  atravessa Gramado, pode ter várias leituras, sejam  elas negativas, ou até mesmo  promissoras, dependendo do cume em que nos posicionamos para observar, a fim de que que a sociedade se aparelhe de inteligência, a que chamarei aqui de "Inteligência de Transição", termo que desconheço, e nesse quesito, eu tomo ele por minha autoria.

Para que se defina acefalia política, não quero dizer aqui que não hajam líderes capazes de conduzir o processo político através de suas agremiações , com equilíbrio e presteza. Longe de mim definhar uma prerrogativa natural dos seres vivos, mais notadamente da espécie Humana, e diretamente, as civilizações, de gerir e promover o equilíbrio da suas sociedades sob a égide das democracias, talvez não a melhor forma de governo, mas a única onde seja possível parear os direitos e as garantias individuais. E neste cenário, não se define por democracia aquela onde seus líderes não sejam orientados por grupos menores, e estes grupos por "cabeças" que estabeleçam o equilíbrio de forças entre os demais. São estes "cabeças", ou dirigentes (ou não) quem recebem o privilegio dos holofotes, mas também o peso das cadeias, quando vitoriosos ou desafortunados em suas pelejas, respondendo solitariamente por um e outro resultado de suas demandas. Assim sendo, quando um grupo  jornadeia entre erros e  acertos, e não haja um vetor humano que norteie a jornada, em pouco tempo o grupo, a nação, e a própria civilização desvanece. Um exemplo disso foi o Império Macedônico, que com velocidade de um leopardo com asas, de acordo com a alusão bíblica do profeta Daniel, conquistou todos os reinos do mundo num breve espaço de três anos, mas tão logo tenha perdido seu General, Alexandre, O Grande, foi imediatamente fragmentado em quatro reinos menores e com a mesma velocidade que se firmou, também sublimou.

Após um concorrido embate entre duas forças ao longo de quarenta anos, Gramado, já o disse aqui repetidas vezes, esvaziou-se no primeiro embate em que aparentemente haveria uma troca de mãos, de um caudilho para outro.

Eu estava errado, quando disse que Fedoca poderia ser, ao seu modo, o caudilho da vez.Não foi. Não é, e dificilmente será. E quando foi que pude perceber esta realidade? Foi quando, uma após outra, as vezes onde tenha sido convocado a se manifestar, seja em sua defesa, seja em defesa de suas ideias, ou de seus parceiros, o Prefeito optou pelos caminhos aos quais está mais ambientado: A frieza do manifesto oficial, por meio de assessorias, em linguagem jurídica, apesar de ter atraído a si uma multidão sequiosa por um líder, e não por um advogado.

Um líder é audaz. Ergue-se inusitadamente em qualquer tribuna ou até mesmo sobre uma caixa vazia onde possa ser notado, e dali brada suas convicções, para que o povo possa ouvi-lo. Fedoca opta pelos breviários esquivos, onde assegura culpabilidade eventual, contanto que não seja sua. Joga para os parceiros e servidores, onde seja o caso, a responsabilidade de seus atos. E faz bem. Faz certo, pois quem erra precisa consertar os seus erros, além de desculpar-se com a sociedade por tê-los cometido, assegurando suas intenções de envidar esforços para que não sejam repetidos, e acima de tudo, demonstrar a grandeza da humildade em reconhecer que se humano, e humano o é, está sujeito à falibilidade contínua, assim como, a sabedoria dos anos, o predispõe a também continuamente preservar a dignidade de buscar acertar no passo seguinte, trazendo para si o peso da responsabilidade, el lugar de promover o descarte de quem ao seu lado erra, por ser também humano.

Um líder audaz é aquele que revoga suas prerrogativas de líder e junta-se à multidão para o abraço do consolo, quando há um choro convulsivo ou uma alegria sonora. Com honestidade do livre pensar, não afirmo de modo algum que seja Fedoca relapso em promover sua aliança com os eleitores, seus ou de seus adversários, e que certamente tenha a carta final em que lançada na mesa possa assegurar uma resposta às inquietudes do cidadão gramadense, que busca ansiosamente por um líder, e que desiludido, dia a dia, guarda as bandeiras e alia-se aos demais queixosos, acenando com ligeira esperança para que lá do horizonte, nas bandas da oposição, possa estar aquele líder a quem procuram.

Dia a dia, aquele que parecia ser um novo caudilho, no saudável sentido de liderança renovadora, mostra-se cansado e sem rumo. A oposição, por sua vez, guarda em seus aposentos o líder que o povo espera. É apenas uma questão de momento, quando este líder surgirá, na oportunidade que for convocado, a direcionar aquilo que eu gosto de chamar de nova civilização gramadense.

Esta acefalia, neste pensar, é o sinal verde que  Gramado precisa e espera para renovar completamente seu apogeu, e construir sobre esta civilização que nitidamente  se encerra aqui, as novas colunas da civilização que brota através da nudez do rei, como na fábula, onde o rei pensava vestir um manto mágico de luminescente beleza, e que um humilde menino, em sua pueril inocência, constata que não havia roupa nenhuma escondendo as vergonhas de sua majestade, e proclamou ao mundo que o rei estava nu.


terça-feira, 30 de maio de 2017

Crise Política de Gramado - A Solidão do Poder


Foto: Perfil do facebook 

Há pelo menos três casos onde uma avaliação com mais profundidade se faz necessária, no que diz respeito à politica gramadense. Não se trata apenas de críticas da oposição ou reclames da população, acerca do comportamento político absurdo que vem sendo desenhado pelo Executivo Municipal. Tratarei agora apenas da questão da solidão do poder.

Aqui mesmo neste espaço, teci duras críticas à oposição, que, pelo frescor do cargo, demandou certo tempo para encontrar-se enquanto oposição. Começou dúbia, evoluiu para pífia, e num estalo de poucas semanas, desabrochou com sede, e agora mostra-se faminta por denunciar de hora em hora os estertores do despreparo já prenunciado aqui por mim, meses atrás, acerca de uma equipe dissonante, cujo cabeça não está encontrando o equilíbrio que necessita para gerir seu contingente administrativo.

Fedoca foi traído! Duramento traído pelo despreparo de uma equipe que ganhou seu coração, pela bajulação de campanha, pela amizade irrestrita, e pela obediência aos sonhos do Partido, que até tentou apoiá-lo, enviando seus companheiros disponíveis de outras querências, e que, ao aportarem numa pequenina cidade que é um máquina de produzir turismo, estasiaram de pronto com o que Gramado exigia de seus administradores. Não é um lugar para amadorismo nem políticos de ocasião. Vencer uma eleição é o de menos. Manter a máquina lubrificada em funcionamento exige malabarismos e tempo, o que Fedoca não tem. Teria algum fôlego se não tivesse que prestar contas para a oposição. E tem. Se não tivesse que manter eventos, escolas, obedecer políticas de Estado e Públicas do Município, às quais não pode mexer. Seria mais fácil se não caísse no seu colo todos os dias queixas, intrigas, reclamações, inovações, calamidades, e tantos tropeços aos seus planos de transformar Gramado naquela cidade que ele idealizou. Lamentavelmente um sonho que se sonha só é só  um sonho que se sonha só, dizia o maluco beleza, Raul Seixas. Só que a realidade de sonhar um sonho junto com alguém não poupa o infeliz trocadilho da poesia, porque a sua metade política não foi incluída no sonho.

Fedoca está cada vez mais só. Por mais que a elegância de um e outro digam, a prática do dia a dia mostram o contrário. O Prefeito está triste. Cada crise vem abraça em outra crise, e seus projetos de inovação, ou de reestruturação até mesmo ideológica de Gramado, está sendo preterido, pelos leões do dia nesta floresta astuta, onde não são mais os opositores a colocarem tropeços pela escuridão do caminho, mas os que vem de casa. São seus aliados, seus eleitores, que chamam para si a dor da traição. Gritam pelas ruas, pelas redes sociais, enviam recados, não se escondem, mas pululam ávidos por ouvidos que os ouçam, embora rouca ainda sua voz pelos gritos de vitória há tão pouco tempo atrás.

Gramado já começa a chorar pelos seus filhos que a abandonam. Não está preparada para ser triste.Não tem vocação para tornar-se infeliz. Fedoca está perdendo para si mesmo.Num solitário refúgio que construiu, mas não aceitou seus pares.  Quis ouvir outras vozes. Acercou-se de quem não o havia conhecido primeiro. E estaria à espera de um milagre, se é  que milagres de fato acontecem.Milagre seria colher louros e frutos, quando semeou-se apenas vento.

Sofrem ao vê-lo sofrendo aqueles de quem certeza teria de que o acolhessem no infortúnio do poder. Fedoca, que sempre foi tão cheio de amigos, descobre velozmente,que o poder é solitário. Inebriante, mas vazio, quando se esvazia de esperanças.

Fedoca está só. O poder chamou à si o melhor dos sonhos e o pior pesadelo: Governar Gramado! O contraditório do poder de estar à frente dos grandes eventos, e por trás das insatisfações trazidas à público pelos Servidores que sentem-se perseguidos, assediados pela ideologia, exauridos de suas esperanças. Fedoca está ligeiramente só,mesmo que cercado pela multidão inerte dos que sentem-se cerceados do próprio pensar enquanto servidores. 

Cresce o medo, trazido pelas mídias, acerca do mundo, mas cresce ainda mais o medo, de que um governo perdido se desgoverne ainda mais e não haja nem mesmo luz para que seja apagada, pelo último que sair.




Câmara de Gramado chama imprensa para coletiva. Assunto: UBER

Luia Barbacovi - Presidente da Câmara de vereadores de Gramado

Impressiona a velocidade de resposta de uma rede de comunicação com a comunidade, quando o assunto é de interesse da comunidade.

O assunto do UBER, em Gramado, com tecnicamente 99%  de aprovação, fez eco na administração municipal,e no mesmo dia, houve resposta do Executivo, e movimentação do Legislativo.

Desta vez foi de iniciativa do Legislativo a chamada da imprensa para explanação dos prováveis projetos acerca do sistema de mobilidade mundial, Uber, que aporta seus parceiros em Gramado.

Como eu não trabalho nos moldes da imprensa tradicional, vou aguardar as reportagens que seguirão após a coletiva, e elaborar meus comentários.

Vence a população de Gramado e os seus visitantes. Vence o entendimento e a negociação. Esta é a boa política, da qual poucos falam.



segunda-feira, 29 de maio de 2017

UBER - Fedoca pensa duas vezes antes de confrontar os gramadenses e volta atrás




Não vejo como capitulação, mas como percepção da vontade popular, que o UBER tenha, ao menos a oportunidade de dizer a que virá fazer pela mobilidade de Gramado.

Fedoca está atento, assim me parece e revê sua decisão, a princípio arbitrária, e põe em estudo a chegada do Uber à cidade que representa a internacionalização do turismo em nome do Rio Grande do Sul.

Seria uma desastrosa derrota ao Executivo, confrontar nesse momento de estupefacção nacional, que Gramado fosse ainda mais dividida pela intransigência de seus políticos.

Prevalece, nesta situação, o bom senso. A oposição fez seu trabalho. A imprensa garantiu a transparência das opiniões, e a população correspondeu através das redes sociais.



Clique aqui para ler a notícia original de Caíque Marquez

UBER em Gramado ? Não! Serviço de charretes talvez volte novamente.


Serei sucinto,porquanto urgente o tema que eclode essa semana em Gramado.  Optando por não opinar ( o que já é minha opinião), com cerca de 350 contatos no whatsapp, fiz a seguinte pergunta à todos:



A resposta, em menos de dez minutos é de 99,99% A FAVOR DO USO DO UBER, e 0,01% não tem opinião formada.

Está feito o meu comentário.


Inscreva-se no whatsapp para receber os comentários do Blog em primeiro lugar 

48 999 61 1546




Gramado - Prorrogada Campanha de Vacinação contra a Gripe


Prorrogada Campanha de 
Vacinação contra a Gripe


Gramado vacinou mais de 90% do público-alvo
O Ministério da Saúde prorrogou a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe até o dia 9 de junho. Em Gramado, quem integra o grupo de risco e ainda não se imunizou pode procurar as salas de vacina das unidades de saúde do Centro, Várzea Grande, CAIC e Pórtico.

A avaliação geral mostra que Gramado já conseguiu imunizar mais de 90% da população-alvo da campanha (que, no total, é de 14 mil pessoas). Porém, a Secretaria da Saúde salienta que determinados grupos ainda precisam procurar os postos de saúde, como puérperas (68% vacinadas), gestantes (82%) e profissionais da saúde (63%).

Neste ano, a principal novidade da vacinação foi a inclusão de professores das redes pública e privada no público-alvo. Também fazem parte do grupo prioritário crianças de seis meses até cinco anos, gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), idosos (60 anos ou mais), doentes crônicos, pessoas privadas de liberdade e funcionários de presídios.

Campanha de Vacinação 
contra a Gripe
Quando: Até 9 de junho
Onde: Postos de saúde do Centro, Várzea Grande, CAIC e Pórtico
Quando: de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 14h às 17h



Foto: Manuela Teixeira
Assessoria de Imprensa de Gramado

E por que não falar sobre o amor?


O lado bom de envelhecer é que somos confundidos com sábios, e carinhosamente chamados à depor sobre coisas que nos parecem triviais, especialmente pelos jovens. Ter cara de tiozão, de avô bonachão, ou de filósofo de fim de noite, nos favorece ao recebermos minutos de atenção da ansiosa solicitude pela vida, por aqueles que começam a trilhar as sendas das paixões tumultuadas e dos descaminhos que o coração cantarola.

Daí, falamos sobre muitas coisas, empiricamente algumas, mas na maioria delas, apenas pelo pressuposto daquilo que gostaríamos de ver como ideal estabelecido na fórmula da felicidade. Então, aconselhamos a outrem sobre uma felicidade idealizada no diário não escrito da nossa própria felicidade.

E desta forma, de experiências vividas e ilusões sonhadas, tentamos descrever o amor. Tentamos  diferenciar com palavras que traduzam, definam  amor e  paixão, tentando dosar os vocábulos para que não sejamos demais explícitos, nem vagamente subjetivos.

Como saber se amamos, ou se estamos vivendo um relacionamento de comum conforto, onde um e outro, na incerteza dos próprios sentimentos, enreda-se numa complexa espiral que se entrelaça entre a dúvida e a certeza, entre  a vontade de permanecer junto, ou o medo de perder aquela companhia, e que se traduz em aflição ética, onde por um lado, seria mais fácil perceber esta certeza, se o tempero da paixão participasse deste relacionamento, e de outro lado, onde a paixão seja o componente mais danoso à certeza daquilo que possa ser amor, ou na pior das hipóteses, de um sentimento de posse, ou da comodidade de estar em posse de outrem?

Os gregos encapsularam o amor em quatro partes. Interessante análise, pois no pensamento judaico, significa universalidade. mistérios da razão e da paixão. Mistérios do amor. Estas quatro partes definem os tipos de manifestação, à qual o mundo contemporâneo ocidental economiza, chamando simplesmente de amor (como se o amor fosse algo simples e universal). São estas:
Phileos - O amor entre irmãos. Aquele amor de amizade pura entre as pessoas. Sem interesse maior que não o de fazer o bem aos outros, porque "phileos" nos faz bem. Daí provém a palavra "Filadélfia". Começa com a letra "Phi" (Φ) que também tem um valor numérico, de 1,618, e é chamado de "Número de Ouro", e está na receita matemática através da qual tudo que existe no Universo está desenhado. Talvez seja uma maneira poética de perceber que o amor esteja em todas as coisas criadas.

Letra Phi


A segunda palavra grega para amor, é "Eros", o nome de uma divindade do panteão de deuses gregos em sua mitologia. Eros é o amor carnal, a ânsia pelo prazer, vulgarizado com a palavra chula de  "tesão". É o desejo, que acaba sendo traduzido por vontade pelo prazer sexual entre duas pessoas.  É o amor mais complicado, porque dele também provém a "paixão", que vem do latim "sofrimento". É o tipo de amor que serve de tempero, mas não de base para um relacionamento. É no entanto, o tempero que liga as baterias e faz despertar a percepção pela pessoa disponível (ou não). É o sentimento que aguça os desejos, e podemos compará-lo a um macaquinho com fome que adentra um bananal. Se não for controlado, come demais e tem indigestão. Porém, se não entrar no bananal, não vai sacia a fome.


Eros e Psiquê
Então surge um terceiro vocábulo grego para definir o amor, que é "Storge". Storge é aquele amor de proteção, de necessidade, traduzido pelo que sente um filho pelos pais, pela busca de proteção, pela vontade de proteger. É também o sentimento onde um percebe-se protegido pelo outro e em troca sente a necessidade de proteger o seu par. É o amor que fala de segurança, de afeto lenitivo, de conforto moral e espiritual, de suprir as necessidades afetivas.




Storge

Então, depois de compreendidas as necessidades do outro, e supridos os vazios, de um amor onde os defeitos de um são somados aos defeitos do outro e mesmo assim descobrem-se incompletos sem esta cumplicidade, crescem cercados dos outros amores, e em determinado momento se descobrem no quarto amor dos gregos, o "Agape", este tipo de amor que não pode ser descrito, porque apenas é. É o amor de D's pela Sua obra, pela Sua criatura, pelo Ser Humano. Amor sem troca perfeita, porquanto é sempre maior, mais intenso, mais perfeito. 

O amor Agape é assim. Intenso,  perfeito, inexplicável, quando perguntando acerca de qual razão ele ama o outro, e não consegue encontrar tantas virtudes que justifiquem este amor,e que mesmo assim, simplesmente amam. 

Agape é o amor que abraça com serenidade todos os demais amores, onde não mais se fracionam, mas são somados, unificados e compartilhados em suas funções e natureza. É o amor que promove quietude de alma. serenizar. Desejar o entardecer. Junto com quem você ama. São quatro, portanto os termos pela universalidade. se um não preencher o outro, a casa fica com três pernas e cai ao primeiro vento.


Entardecer com Paz - Palestra Inspiracional - 48 999 61 1526

domingo, 28 de maio de 2017

São Martinho, SC - Como uma Casa de Bonecas, só que de verdade


http://www.cidade-brasil.com.br/foto-sao-martinho.html



Foto de Internet




Foto: Click RBS - Internet
Fui apenas duas vezes ao lugar, mas é como se conhecesse esta pequenina cidade, uma das menores do Brasil, desde a minha infância, tamanho o carinho com que fui recebido pela gente hospitaleira deste Município. Isso já falei em outra reflexão. Porém, naquele texto, concentrei minha atenção nas palestras que havia realizado. Dessa vez, quero falar da cidade e da região, um pouquinho mais. Talvez você também se apaixone, e corra para conhecê-la o quanto antes.
Foto: Pousada Alto das Águas
Foto: Germano Schürr - Internet


Foto: Câmara de Vereadores de São martinho
Tremo em pensar que ainda existam lugares assim, de uma pureza ímpar, de uma geografia talhada para a felicidade, de uma topografia perfeitamente desenhada para distribuir belezas e prazeres entre cachoeiras, arroios, florestas, vales e montanhas. Difícil descrever apenas por palavras o que acontece na combinação entre pessoas e Natureza, em uma altitude que varia de 38 metros a 600 metros em poucos quilômetros de distância. Um lugar onde tem neblina que denuncia a cachoeira, e tem  também pastagens montanhosas regadas por riachos cintilantes, que acolhem pássaros, macacos, capivaras e incontáveis espécies que caminham, voam ou rastejam pela vegetação espessa, ou pelo azul pintado de azul do céu cristalino.
(Continua após o anúncio)


Resultado de imagem para sao martinho sc
Fluss Haus



Fluss Haus 
Esta é a Natureza. Mas não é apenas do mundo natural que se faz São Martinho. São as pessoas que mais tocam os sentimentos, óbvio. É das pessoas que chega o talento para as artes, para a gastronomia, e para a impressionante obsessão pela perfeição naquilo que fazem, e repito tantas vezes quantas falar deste lugar: pela carinhosa hospitalidade do povo que vive e faz este lugar.
Fluss Haus

Foto: Internet
Sou um apaixonado por cidades pequenas. Cresci em uma cidade pequena que agigantou-se em fama e qualidade, que é Gramado,  Então esta circunstância torna-nos, e à mim especialmente, exigentes demais quando se trata de avaliação e qualificação de pequeninas cidades que possam caminhar na mesma direção do turismo e da criatividade que Gramado foi formada. 
É dura tarefa dizer que esta ou aquela cidade tem tais atributos e janelas de possibilidades para seguir os passos que fizeram Gramado, assim como é de grande responsabilidade afirmar que uma cidade possa ocupar seu espaço a partir de valores que a diferenciem de tantas outras com as mesmas características. Mas São Martinho tem esta e muitas outras possibilidades. Pode buscar o bom modelo das cidades que alcançaram este caminho para o sucesso, assim como pode também avaliar com cautela os erros que porventura tenham cometidos aquelas cidades que excederam sua capacidade de crescer, pelo sucesso que alcançaram, e criaram gargalos quase intransponíveis para a felicidade de seu povo, assim como para a admiração de quem as visitam.
Foto: Família Beckhäuser
Conhecer São Martinho é um dos desejos que valem a pena serem escritos num primeiro de Janeiro, para que antes de setembro ou dezembro chegarem, possam tornar-se metas alcançadas.

Se eu definisse São Martinho em uma frase, diria que é uma grande Casa de bonecas. Só que de verdade.











Fotos diversas recolhidas na internet. Os autores podem contatar com o blog para que sejam publicados os créditos.







Video youtube

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Obra irregular no Centro de Gramado - A primeira crise ética de Fedoca


Confesso que este assunto estava comigo desde o primeiro instante em que foi divulgado pelo Jornalista Caíque Marquez, e que por ter informações confiáveis de que o assunto seria resolvido, como efetivamente foi, pela minha leitura está resolvido o problema administrativo. Mas agora eclode uma questão ética, e quero manter a palavra "Ética" como premissa desta reflexão, não deixando nenhuma margem para uma eventual má interpretação acerca da questão moral.

Por que eu separo a palavra "ética" da palavra "moral" neste caso? Porque são valores e interpretações bastante distantes, especialmente nesta questão. Não vejo que tenha atingido a questão moral do Prefeito, o que seria grave caso, se ocorrido.Mas a questão ética precisa ser vista à luz da questão política, no entendimento que, como comprovam os documentos aqui apresentados, pera encurtar ilações sobre a origem da questão e da autoria do feito, dão indicações de que a empresa ligada ao Prefeito seja proprietária do imóvel na Avenida Borges de Medeiros, onde há muitos anos, funciona uma loja de chocolates, e que, no alvo deste tema, tenha sido proposta uma alteração de projeto, aumento da área construída para ampliação da loja.
(Segue após  o anúncio)


Perfeitamente normal e usual, e até mesmo elegante saber que mais empregos, impostos e riquezas serão geradas pela mencionada ampliação. Tudo perfeitamente legal, ético, se não fosse por um detalhe: O mesmo Prefeito emite, e faz saber aos quatro cantos do mundo, uma portaria, onde deixa no congelador todos os novos projetos, sendo que qualquer cidadão que queira ter aprovada uma nova edificação, necessita entrar na fila de análise, e só depois de determinado tempo, que a Portaria estabelece (não vou passar datas e prazos para não ser burocrático demais),é que pode ter seu projeto eventualmente aprovado e seguir em seus planos de crescimento.

O que faz parecer aqui é que o principal interessado em que o exemplo fosse seguido, esqueceu a regra, e mesmo que tenha a declarar que não tinha conhecimento, ou que tal atitude tenha partido deste ou daquele profissional, o qual certamente responderá pelo seu ato junto às instâncias que o julgam, o Prefeito deve responder solidariamente ao erro. Estes os fatos. Agora minha análise política e ética.

Em minha leitura, Fedoca tem uma oportunidade ímpar de demonstrar que é um líder, e assumir total responsabilidade pelo deslize ético de alguém de sua cadeia de relacionamento comercial. Fedoca tem a oportunidade de demonstrar a honradez que os grande Homens públicos o tenham demonstrado, em livrar da culpa os subalternos, e tomar para si o peso do erro cometido contra a Municipalidade do lugar onde recebeu metade mais sessenta e dois votos, outorgados pela população que nele confiou. E aqui estendo o comentário político.

Fedoca vendeu a imagem de seriedade, de justiça, de honestidade, de integridade, que até o momento não foram quebradas, porque temos até o momento em que escrevo esta reflexão, apenas fatos de natureza técnica e administrativa, mas que ao pronunciar-se em público, poderá surpreender seus eleitores e seus adversários, declarando-se inteiramente responsável pelas falhas de sua equipe e dos empreendimentos onde empresta seu nome.

Isso tudo, naturalmente, se sentir-se responsável e que queira manter o respeito às instituições e à Legalidade que prega há tantas décadas o remanescente do velho PTB de Brizola.

Eu convido Fedoca a inocentar o arquiteto que sai prejudicado deste imbróglio, e publicamente demonstrar que é capaz de perceber que houve um erro. Técnico, talvez, mas que assim permaneça. Técnico e não ético, e muito menos, moral.

Repito para que se registre. Até aqui, Fedoca não cometeu nenhum erro. Nem ético, nem moral, nem administrativo. Um erro foi cometido. Na propriedade dele. No Município de Gramado, cujas Leis são iguais para todos. Mesmo que ele mesmo as tenha chancelado.

Receita infalível para tornar-se infeliz



Motivado a escrever esta reflexão após assistir uma reportagem digestiva pela manhã, contando o drama de uma família do Rio de Janeiro, que utiliza um carro antigo e de baixo valor comercial para o passeio com a família, e que o menino, com cerca de dez anos de idade, precisa de acompanhamento psicológico para superar o medo da violência, porque ouve diariamente tiros dos confrontos entre gangues e policiais, ou entre si, à certa distância de onde moram.

O detalhe que chamou minha atenção foi que eles nunca foram assaltados. O medo então é uma couraça gerada pelo imaginário do jogo de possibilidades que um assalto efetivamente aconteça. Esta situação não é diferente aqui onde moro, onde pelo menos uma vez por semana, ouço o tatalar das hélices de um helicóptero da Polícia sobrevoando meu bairro, à procura de fugitivos de um presídio existente no bairro vizinho. Quando não é o helicóptero (que minha netinha chamava de "Pilotópito")da Polícia, é o do Corpo de Bombeiros. Ou então das sirenes dos carros de policiais que chegam ao Instituto Médico Legal, aqui próximo, informando que estão trazendo bandidos para exame de corpo de delito, ou quando não, um cadáver para as gavetas do necrotério.
(Continua após o anúncio)

Meu condomínio é cercado por forte segurança de vinte e quatro horas, câmeras, muros e cerca eletrificada, e isso está sendo substituído por vigilância eletrônica monitorada por especialistas, e para entrar em minha casa, já preciso de senhas, controles eletrônicos, e uma excelente memória para guardá-las na lembrança, senão corro o risco de dormir do lado de fora do portão.
(Continua após o anúncio)


A crise que está vindo em progressão geométrica, motivou-me à abandonar meu caso de amor com o Plano de Saúde, ao qual usufruí largamente, até com duas cirurgias de emergência caríssimas. Felizmente sem ele, sou isento dos checapes mensais de substâncias que eu nem sabia que existiam antes da popularização do tomografo e de alguns exames que me obrigavam a passar oito horas inerte numa cama desconfortável, com uma média de oitenta eletrodos enfiados em lugares que o pudor me proíbem de relatar. Enfim, passei a esquecer que se a mudança de pólos da terra podem influenciar minha hérnia de hiato, e que se eu comer pão branco podem me deixar com o fígado do tamanho de uma batata de inhame. Passei a preocupar-me apenas em correr atrás de trabalho, clientes, e essas bobagens que deixam a vida mais prazerosa, como até mesmo carpir um lote, que só não o faço, porque dentro de um apartamento cercado de câmeras e sensores de iluminação nos corredores, é matematicamente impossível que haja um bom lote para ser carpido.
(Continua após o anúncio)

Volto ao menininho que nunca foi assaltado, mas que mesmo assim necessita de apoio psicológico pela obsessão impregnada pela mídia de que ele poderá ser assaltado com requintes de crueldade, isso porque se a notícia de um assalto fosse apenas a notícia de um assalto, seria menos impactante e não obteria suficiente público para comprar os produtos oferecidos pelos comerciais dos noticiários que vendem sangue no café da manhã dos telespectadores. Está aqui a receita infalível da infelicidade. Sofrer por antecipação.  Queixar-se por precaução. Reclamar do que está apenas na caixa de probabilidades que aconteça. Percebe, que não estou mencionando o fato de queixar-se daquilo que já aconteceu, porque o que "pode vir" pela frente pode ser ainda mais cruel do que se pode imaginar. Então sofre-se pelo que imagina-se esperar-nos na próxima esquina. Plantamos a infelicidade e colhemos amargura, regada com a urina do medo do imaginário.
(Continua após o anúncio)

Há dois mil anos atrás, Jesus dizia que devemos deixar a cada dia seu próprio mal. Seu seguidor, Paulo de Tarso acrescentava: "Não murmureis", isto é, não fique reclamando de tudo, muito menos do que nem aconteceu ainda e possivelmente nem vá acontecer. Chore pelo que te faz sofrer hoje, isso sim é necessário. Mas chore por hoje e talvez por ontem, mas jamais pelo amanhã. A não ser que sua felicidade seja planejar sua infelicidade. Daí, como água rio abaixo, não há nada que possa contê-lo em sua missão de esperar que o vinho azede para beber vinagre.






quarta-feira, 24 de maio de 2017

Como Fedoca vai enfrentar a crise?



Gosto de falar de coisas que elevam o espírito. Crise não eleva. Mas põe em alerta. Vacina. Fortalece. E crise é a palavra de ordem no mundo em nossos dias. Dias que sobrecarregarão as páginas de história. Dias que poderão separar os vencedores dos desiludidos. Então, preciso refletir sobre o dia na turbulência do dia, o que é raro, pois reflexão sobre as coisas, em geral, acontecem quando tudo terminou. Mas nem tudo terminou. Ou melhor: acaba de começar.

Minha reflexão caminha pela triste situação moral do Brasil, que não é nova, mas que se expôs à luz. Corrupção é antiga, mas agora desabou. Como a barragem de Mariana, a corrupção no Brasil soterrou esperanças e credibilidade nas instituições, nos empresários, nos políticos, e na pátria. A pátria pede socorro.

Mas o que é a pátria, senão o cidadão que encontra outro cidadão para edificarem coisas de benefício comum em busca da felicidade? A pátria é a terra apinhada de gente com ideais. Mas aqui e agora, os ideais ruíram. Pergunte a um jovem o que ele deseja para o futuro, em lugar de construir sonhos, ele deseja apenas honestidade. Deseja apenas prisão para os corruptos. Deseja apenas saber que seu trabalho não será em vão naquele dia e que seus impostos não serão solapados pela ganância daqueles que roubam nos impostos a esperança da pátria.

Gramado não é mais uma bolha, e a crise chegou. Leio que a lei Rouanet não vai mais financiar o Natal Luz. Mas é sério, eu não estou preocupado com o natal Luz. Ele não é só um momento de fé e descontração de uma comunidade, mas um negocio de milhões. E seus gestores devem pensar em milhões em cada evento que fazem. Então, se o dinheiro da República está minguando a cada dia, a exigência de imaginação e boas iniciativas emerge como resposta aos gestores e idealizadores.

Devo lembrar que quando foram criados os eventos de Gramado, lá em priscas eras, não havia dinheiro da República (exceto no período dos militares, quando jorrava em cascatas e sem exigência de prestação de contas), mas era o trabalho comunitário quem emprestava a beleza do que acontecia. E a seguir, buscar patrocinadores era apenas um passeio.

Gramado é linda, mas não é única. Hoje centenas de pequeninas cidades começam a mostrar seu próprio brilho, muitas delas inspiradas na própria Gramado. Outras inspiradas na pátria de origem, criam eventos que caracterizam suas culturas, e acabam por atrair a atenção de outras pessoas, e este crescente dá continuidade ao crescimento destes eventos. Uns vão, outros surgem. Não se pode imaginar que aquilo que deu certo por alguns anos vá ser padrão para a eternidade.  Não tem como isso acontecer, mesmo porque o ser humano é transitório, efêmero, e se entedia facilmente, até mesmo com o excesso de brilho na escuridão das águas dançantes.

A atual administração ganhou de mão beijada um conjunto de eventos e estrutura, que os obriga a buscarem recursos para que não deixem cair o status de oferecerem melhor aquilo que os outros faziam bem feito. Só que está faltando criatividade, e então vão mascarando aqui e ali alguns componentes, até que descubram onde estão todas as gavetas deste armário intrincado chamado Eventos.

O desafio destes gestores, alem de não deixarem desabar aquilo que ainda estão tentando entender, é renovar seus estoques de inovação. E embora o tempo ainda seja curto (será sempre curto), Gramado espera expectante o desenho das estampas dos fogos que farão brilhar a noite da crise que está chegando, como aquelas explosões coloridas e faiscantes dos fogos de artifício. A pirotecnia dos gestores é um dos componentes que se exige de quem se propõe a comandar uma cidade que vive da inovação e do espetáculo. Mas até aqui, tudo ainda está cor de cinza.  E a noite vem chegando.

O Prefeito não está conseguindo despertar o espírito pátrio de sua equipe, que ainda se debate em erros primários, e não encontrou seu ponto de equilíbrio entre o andar pra frete e o não retroceder. Há que se lembrar que Gramado não é uma cidade de 40 mil habitantes, mas é  uma cidade de 40 mil habitantes que tem uma identidade única no Brasil e que recebe seis milhões de pessoas no ano, ávidas por êxtase e famintas por sabores. Não basta que seus gestores sejam "campeões de captação" (e ainda não deu pra saber isso), ou bons de discurso populista, ou empreendedores (o que ainda pode ser discutido), mas que sejam melhores do que aqueles que criticavam. Que sejam únicos, que sejam heroicos, porque o tempo é este. O Brasil precisa de heróis  com urgência. E Gramado está na capa da gaita para precisar de alguns também, pois quanto mais alta a árvore, maior é o estabaco. 

Fedoca tem o compromisso de ser melhor que Pedro e Nestor juntos, pois críticas não faltaram, ao referir-se à eles como "continuidade". Então, Fedoca certamente será a descontinuidade, e quando entendo continuísmo, entendo que nada daquilo que fizeram é digno de sua grandeza como gestor. Nesse caso, torna-se, por esta reflexão, um pequeno "Estadista", uma vez que seja capaz de entornar todo o mau passado que critica, no belo futuro que promete.

Tenho visto várias publicações onde Gramado ainda recebe prêmios, indicações, reconhecimento de figurar entre os melhores destinos do mundo, mas fico estarrecido que ao receber tais títulos, alguns com homenagem presencial, em nenhum deles vi uma menção aos que construíram o caminho para este reconhecimento, e passa a impressão, que certamente será utilizada em campanhas futuras, contando com a falta de memória das pessoas, que tais e tais prêmios tenham sido recebidos por méritos deste gestor. E não é assim que isso acontece. Então, posso cobrar aqui publicamente que Fedoca tenha o senso ético de lembrar isso, em beneficio de Gramado e não apenas como trunfo eleitoreiro.

Você vai esperar pra ver, ou vai agir? Vai cobrar do Prefeito e sua equipe que mostrem o que tem na mesa para enfrentarem a crise que está chegando? Digo  por mim, que por várias vezes pedi informações, projetos inovadores, e só recebi simpáticas evasivas de que "nossa equipe está trabalhando nisso". Eu acredito que estejam, mas,o gramadense quer saber o que acontece nestas gavetas.

Acredite ou não, a crise chegou e O Prefeito tem responsabilidade em blindar sua cidade para que sofra o menos possível os danos causados.




terça-feira, 23 de maio de 2017

Andando entre leões


Quantos leões você já matou hoje?

Não! Não estou falando dos simpáticos felinos que rugem grosso e devoram zebrinhas lá na África, ou galinhas nos zoológicos pelo mundo afora.
Também não faço referência ao famigerado e faminto leão que toma nossas economias para que sejam emprestadas aos açougueiros milionários, e aos ditadores pelo mundo afora. Não é deste leão que falo, embora este esteja entre os demais a quem todos os dias temos que matar. E matar bem matadinhos, porque os indecentes tem o poder de aparecerem do nada, surgirem das trevas, e nos atormentarem da manhã à noite, que é quando dormem, e cedem lugar aos leões notívagos, que cumprem horas adicionais e nos atormentam até enquanto estamos dormindo.

O primeiro leão (e não necessariamente nesta ordem) é o leão que está na moda: O leão da política. O bem engendrado leão que junta os políticos pelo cangote e os joga despedaçados no lamaçal da corrupção. Este leão é ainda mais danoso que imaginamos, pois em dado momento ele arrasta a nós mesmos para longe da boa política, nos fazendo imaginar que política é coisa do diabo. E é, se deixemos que ele tome conta dela e do nosso caráter.

O segundo é um leão bem pequeno quando é jovem, mas que em muitos casos se avoluma de tal maneira, que ocupa todos os espaços que seriam destinados aos outros leões. Cabe no bolso, e os demais, precisam de estádios, rodovias, hospitais, pontes, para se acomodarem. É o leão financeiro. É aquele leão que ruge no cercado dos outros, mas que morde você todos os dias um pouquinho. E se refestela feliz. O leão das contas de mercado, luz, água, sabonete e pasta de dente. O leão da geladeira, da escola, do condomínio. Um leão voraz, nervoso, irrequieto.

O leão que vem diminuindo de tamanho, definhando de fome cada vez mais, é o leão da moral. Este leão se esgueira com vergonha de sua timidez, e vive do passado, cavando reminiscências.

O Leão da ética, dizem , é quase legendário. Muitos falam, mas poucos tem contado com ele. Então, o seu sósia, a sua antítese, assombra diuturnamente os anais das ruas, beliscando traseiros com a mão esquerda, e trocando etiquetas de mercados com a mão direita.

Há um leão que monitora todos os demais leões, chamado crise espiritual. vem atrelado aos dois leões anteriores: o da ética e o da moral. Este porém corrói por dentro. Corrói e se refestela com a alma da presa.

Quando o conjunto destes leões anda em bando, dá poder ao leão familiar, isto é, aquele que bebe sangue de gente da casa. Destrói e dilacera irmãos, primos, pais e filhos. É o leão do golpe de misericórdia.

Outro leão que se fortalece quando o bando anda junto, é o leão da crise profissional. O leão do desânimo, do fracasso, da falta de perspectiva. Este leão prenuncia o fim do banquete.

E por fim, o leão cultural, é aquele que apaga todos os vestígios deixados pelas presas dos demais leões, pois quando se apaga a cultura, apaga-se a história, a vida, a sociedade e a civilização.

Qual a solução para enfrentar estes leões?

Isso é o que eu conto nesta palestra: Andando entre leões. É só me convidar.



A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...