terça-feira, 29 de outubro de 2019

Acangaú - Voltar à cabeça do poço - As revoluções de uma "civilização" chamada "Gramado"


..........
Foto: Nascente do rio São Francisco - Picture of Parque Nacional da Serra da Canastra, Sao Roque de Minas - TripAdvisor

Acangaú, uma palavra de origem Tupi-Guarani, que é traduzida como: Voltar à Cabeça do Poço. Vale com isso, dizer, retornar às origens. Buscar a nascente do rio, onde se bebe água limpa. Tive oportunidade de criar um seminário no Norte Catarinense, um dos maiores polos moveleiros do Brasil, onde fui chamado para criar um projeto de inovação e gestão de design, cujo objetivo era capacitar empresários deste setor ao retorno ao mercado brasileiro, a partir da gestão de design para inovação tecnológica. Isso foi lá por 2009 a 2012. Isso aconteceu porque o polo de São Bento do Sul, que engloba também os municípios de Rio Negrinho, Campo Alegre, além de São Bento do Sul, havia deixado de atender o mercado brasileiro por cerca de 40 anos antes, em razão de seu grande preparo e tecnologia com suficiente capacidade para atender o mercado internacional, motivado também pelo Dólar convidativo, e seu potencial de produção em larga escala. o enfraquecimento do mercado interno, pelo baixo volume e concorrência com as empresas ditas de "fundo de quintal", que tinha certa paixão por esquivar-se de tributar suas vendas, aliado à inadimplência contumaz dos clientes, o que permitiu com grande facilidade a tomada de decisão de deixar de fornecer aqueles que pagavam mal e compravam pouco, em benefício dos que compravam muito, em quantidades repetitivas, favorecendo o crescimento rápido, e pagavam em moeda verde, o Dólar. Assim, por quatro décadas, o Brasil deixou de comprar móveis de São Bento do Sul, e pulverizou seu fornecimento em outros polos, como Bento Gonçalves (RS), Linhares (ES), Arapongas (PR), e não, Gramado nunca chegou a preencher sequer uma fração do mercado moveleiro, com exceção de privilegiada camada com melhor poder aquisitivo, em âmbito regional.

Quando falo de mercado consumidor, faço referência a cerca de 100 milhões de pessoas, na época, em crescente situação de consumo, com poder aquisitivo baixo, que necessitava de produtos de larga produção, e baixo preço, condição que Gramado nunca teria, por diversos fatores. Assim manteve-se como fornecedor regional, de mobiliário de maior valor agregado, e com estilo próprio, denominado "Móvel de Gramado", razão de ostentação em casas de campo e  fazendas, por sua rusticidade e estilo, e mais tarde, migrando para estilos mais urbanos, mas ainda com certa rusticidade, e fabricação quase artesanal, necessitando de profissionais bem treinados, e tempo extra para acabamento e pintura, uma vez que o clima de Gramado não oferece acolhida favorável à pintura e acabamento em ambiente natural, devido o clima temperado e frio, chuvoso, de umidade elevada.

Associado ao clima desfavorável, à falta de espaço para um distrito industrial, a mão de obra tornou-se cada vez mais rara, considerando que outras oportunidades de trabalho e emprego, em condições mais favoráveis, tornaram-se como o lendário "Flautista de Hamelim", o vácuo que tirou das fábricas, e os enviando para a hotelaria, comercio, serviços ao turismo, os fortes braços que antes "paleteavam" pranchas pesadas, cedo de manhã, sob temperaturas negativas, e diante destas novas alternativas, não pensaram duas vezes e trocaram, de contínuo, o barulho das máquinas, pelo perfume do café da manhã nos hotéis, e a alegria dos hóspedes que deixavam agradáveis gorjetas em troca desta amabilidade. Assim de uma a uma, as fábricas de móveis de Gramado, foram sendo fechadas, e permaneceram aquelas que investiram em tecnologia, design, e bons salários, para manterem-se no mercado, agora ainda mais competitivo que antes.

Falei dos móveis, mas associo a esta inundação de novas oportunidades, a diversificação de ofertas e entretenimento ao turismo, como a criação de parques temáticos, a fabricação de chocolate caseiro, a abertura das comunidades rurais como valor agregado de permanência dos turistas em Gramado, assim como, e principalmente, os eventos, pequenos e grandes, que pulverizam motivos e oportunidades de enriquecimento comercial, profissional, social, e cultural, que a cidade construiu como uma câmara de descompressão para enfrentar as grandes crises nacionais.

Gramado criou em si e para si, uma legendária fama de paraíso na terra, onde centenas de milhares, e por que não dizer, milhões de pessoas, ainda que não acreditem, ou desconhecem as profecias que  falam em um paraíso restaurado na Terra, com a chegada do Messias, tem como sonho de consumo, se não morar, ao menos visitar Gramado, pelo menos uma vez na vida, assim como todo devoto islâmico deve visitar Meca,  e aproveitar o máximo de suas delícias.

O mundo é cíclico, e todas as grandes civilizações já se foram. Delas restam apenas fragmentos enterrados na poeira dos anos, e que retrata duas coisas muito simples: Sua cultura e sua religiosidade É por meio destes vestígios encontrados, que os arqueólogos desenham o possível desenvolvimento humano sob os costumes destas civilizações. É por meio de um fragmento de estátua ou tijolo, que é possível desenhar-se o cenário e o dia a dia daqueles povos. cujas civilizações tiveram seu princípio, seu apogeu, e seu declínio. Após este prefácio, segue a pergunta do dia: Gramado, dentro do contexto de identidade nacional, e em comparação à milhares de outros municípios, tem já demarcados os seus limites do coletivo, e iniciado o seu rascunho de uma pequena civilização , ou começa aos poucos a se redesenhar para a história? Em qual lugar você, meu querido leitor e minha perfumada leitora, estará neste mural de originalidades e grandes feitos, quando for descortinado o passado, em algum tempo e lugar no futuro? Quem é você e qual seu papel em desenhar uma história, cujas páginas já se desenham a cada manhã que você sai de sua casa para edificar uma cidadela? Quem é você neste livro, e em quais páginas suas digitais tocaram, para que possa receber o merecido registro nesta civilização?

Acangaú diz que somos uma volta à "cabeça do poço", num tempo em que o certo e o errado se mesclam, em que o aceitável substitui  o bom, e que o ótimo é apenas uma figura de retórica. Diz que precisamos cessar por algum tempo, ainda que pouco, aquilo que estamos fazendo, e pensarmos no que representa o que fazemos, para enobrecer aquilo que outros encontrarão daquilo que nós deixamos.

Quando visitamos as páginas da história em nossos livros, ali encontraremos nomes de pessoas com as quais nunca trocamos um cumprimento, mas que, ainda que mortos, tornaram-se imortais nos registros das civilizações que construíram, e hoje conduzem até nosso modo de pensar e agir. Então, que nomes deixaremos nesta história? E caso não tenhamos as respostas, não deveríamosvoltar ao "Acangaú", para descobrirmos, pela limpidez da água, de que água bebemos até aqui, e que água beberemos daqui em diante?

Assim como o polo moveleiro de Santa Catarina, a seu tempo, entendeu necessário reciclar-se antes que os desejos do rio de sua história contaminassem sua nascente, como deveríamos visitar nossas própria nascente, e ali colhermos da melhor água, aquela que nos refresca a alma, mas nos molda o caráter e norteia nossa busca pela felicidade?

Acho bom pensar, antes que descubram este poço de águas límpidas, e o cerquem, para vendê-lo aos pedaços, como souvenir de um tempo e um lugar que não tem mais fonte para voltarmos.

Acangaú é o "Reiniciar" do computador que trava sem parar. Esfriar o processador. Limpar o lixo digital. Refrescar a memória. E bola pra frente!







terça-feira, 22 de outubro de 2019

AS SOMBRAS DA JANELA





Apenas pássaros. E pássaros que não podem voar,
não podem ser pássaros, pois voar é preciso
para que sejam cada vez mais.

Ouvia Debussy.
Em plena metade da manhã, ele ouvia Debussy.
As manhãs não foram feitas para Debussy. Talvez
Vivaldi. Debussy, não. Este tem seu lugar ao entardecer.
Chopin, vem logo mais adiante, no alto da escuridão. Mas
para as manhãs, Grieg poderia fazer companhia a Debussy.

No entanto ele ouvia Debussy enquanto a mão
trêmula desenhava algo no vidro suado da janela. Desenhava
ou escrevia. A água condensada pelo calor da mão escorria
fazendo borrar o que já havia desenhado. Pareciam círculos,
repetidos, mecânicos.

O seu olhar não mirava as mãos que pareciam
mecânicas, no gesto hipnótico de circular no vazio. Olhava
num ponto perdido entre o infinito de seus pensamentos e o
horizonte avermelhado.
Uma lágrima verteu enquanto premia os lábios
contendo o choro. Mas a alma já chorava havia muito tempo
antes.

Lá fora, o sol brincava de ir e vir entre nuvens
apressadas, e o riacho murmuravam quebrando o silêncio.
Um pássaro perdido buscava gravetos com pressa próprios
dos pássaros, compensando o inverno que avisava de sua
chegada. Com chuva. Fina e fria.
Fechava-se o céu. As cores mudaram e cada vez mais
embaçado o vidro ficava.

Debussy no velho toca-discos continuava a tocar
numa interminável homilia ao amor perdido. Numa elegia à
solidão.

Numa compensação pela dor, apenas se quebrava a
mágica combinação da música com a paisagem e o
pensamento, o ruído das falhas do disco de vinil antigo.

Ele havia sonhado voar alto, mas calculara errado o
alcance do voo. Suas asas, como as de Ícaro, se partiram,
escoaram no sol da realidade, e o levaram a estatelar-se no
chão. Restava agora o recomeçar. Sem as asas, que eram seus
sonhos. Com a dor da queda. Apenas ainda o olhar aguçado,
para que distante pudesse ver e sofrer pelo que havia
perdido.

Seus sonhos eram tantos. Uns tangíveis, outros eram
brumas.

Pequenos sonhos povoavam sua alma como uma
multidão de pequenos pássaros voejando em sua existência.
Eram pássaros pequenos e nada mais. Apenas pássaros. E
pássaros que não podem voar, não podem ser pássaros, pois
voar é preciso para que sejam cada vez mais pássaros. E livres
possam voar...

A música acabou, mas o disco continuou a girar. A
agulha travou e o último acorde se repetia
interminavelmente da vitrola...
Seus pensamentos se repetiam em pequenas partes.
Apenas as partes boas de serem lembradas.


segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Pra não dizer que não lembrei dos loucos



...........................


Erasmo de Roterdã, escreveu, em homenagem ao amigo Thomas Morus (autor de "Utopia"), um livrinho com apenas 78 páginas, contando com o prefácio, onde faz uma bem humorada e inteligente crítica à Igreja católica, mas de forma tão bem feita, que até o Papa Leão X achou a obra divertida. Esta mesma obra foi um dos gatilhos para o surgimento do Protestantismo.

O livro começa com um aspecto satírico para depois tomar um aspecto mais sombrio, em uma série de orações, já que a loucura aprecia a auto-depreciação, e passa então a uma apreciação satírica dos abusos supersticiosos da doutrina católica e das práticas corruptas da Igreja Católica Romana. O ensaio termina com um testamento claro e por vezes emocionante dos ideais cristãos.

Então, o que parece ser uma elegia satírica, torna-se um preâmbulo para o próximo capítulo do pensamento ocidental. Mas o tema central é a Loucura, uma personagem, que trago para minhas reflexões, e direciono como um obelisco imaterial, que mostra o fálico torpor do louco que habita pelas vielas de todo lugar por onde passamos. Atrás de casa esquina, à sombra de cada poste á noite, um ser quase irreal contorce-se com angustiante certeza, anunciando, ora o fim do mundo, ora a existência de um corrupto no seu sanduíche, e ao final de tudo, dá uma sonora gargalhada e cospe do café do freguês de um bar, que fica paralisado, não reage, ou reage com medo do louco. E o louco é louco, mas não é burro, e solta outra gargalhada e cospe de novo. No prato do outro freguês, que ria do primeiro.

Todo lugar tem um louco. O louco que quer ser rei, para sentar-se ao trono e bolinar as cortesãs. Ou quer ser o Primeiro-Ministro de um reino distante, para mudar a ordem das coisas. Anarquizar, talvez, esculhambar a sociedade estabelecida e fundar o caos. Todo lugar tem um louco. Não, não estou falando do perturbado mental, do esquizofrênico, daquele que sofre algum distúrbio de comportamento, não senhor. Estes são apenas pessoas enfermas. O louco não é assim, porque se finge de normal. Finge ser louco para que pensem que sua loucura é sua fraqueza, sem que percebam que são os loucos quem mandam no mundo (obrigado por emprestar-me a frase, amigo Professor Pachecão). Mandam sim, só que não são apanhados, porque disfarçam muito bem. Frequentam reuniões públicas, assembleias de condomínios, usam a tribuna do povo nas câmaras e assembleias, usam o poder esmagador de minoria confusa, e acabam constrangendo os demais a que se submetam aos seus "siricuticos e chiliques", quando são contrariados. Vociferam seu coitadismo e constrangem seus pares, e quando tudo termina, sorriem e arrumam a gola ao saírem, como se nada tivesse acontecido. Atrás de si, um cenário de tsunami mental. Pessoas com olhos esbugalhados, catalépticas, tremendo e enroscadas em posição fetal aos frouxos de riso ou choro, não definem bem o que seja. O louco passou por ali. Saiu à francesa para acorrentar-se na praça, em penitência pelos pecados alheios. Claro, se receber um óbulo por sua dor, a canequinha agradece.

Há os loucos humildes, mas também os pavões. À sua frente vão seus lacaios ( fico impressionado, como os loucos ainda arregimentam seguidores fiéis, tão fiéis?)tocando trombeta em uma bota de borracha jogada fora. Não se joga bota velha fora! - diz o louco, de dedo em riste, do alto de um pedestal de caixa de feira. E e entrega com solene piedade à um seguidor mais jovem, que sente-se profundamente honrado em receber de seu mestre tamanha deferência. E o lacaio toca novamente sua trombeta, no ouvido de um passageiro que espera pelo ônibus. O louco passa e todos se curvam, até quem não o conhece, pois curva-se porque todos se curvam, e ninguém quer ser diferente. Ninguém ousa mudar os marcos antigos da tradição, ainda que a tradição mande seguir um louco. O louco que inventou tal tradição. Cuidado que lá vem o louco, beijar a loucura, e dançar com a insanidade. Cuidado com o louco, berra outro louco. É sempre bom tomar cuidado. Especialmente com o louco, E pior ainda se ele não for louco, e só se faça de louco pra defecar no meio da sala? Que os faça, na casa dele, mas não na casa do povo. Senão, louco é quem escolheu o louco. Além de louco, quem faz isso, é também, burro.






A Professora ou Prostituta - Onde foi parar nossa gramática?




Alguém chamou-me à atenção de um fato aparentemente corriqueiro, porém, por demais intrigante, que é o significado das palavras. Eu mesmo, muitas vezes, recorro ao dicionário para assegurar-me da certeza de que devo usar aquela palavra que havia imaginado, mas bate a insegurança sobre seu significado, e corremos ao Vade Mecuum, o velho e bom Dicionário.

Houve um tempo em que chamávamos as palavras simplesmente de "Palavras", era simples assim, procurarmos por palavras difíceis, diferentes, pouco usuais. Este era meu passatempo literário favorito: descobrir palavras novas. Hoje, chamamos de "verbetes", que tem o mesmo significado de palavras simples, objetivas, e mais usuais.


O linguajar coloquial cresceu sobremodo, e um jargão de rua de hoje torna-se o verbete de amanhã, assim, de modo muito acelerado, nossa gramática se enriquece tanto, e tão depressa, que este excesso de informação acaba por corroer a formação, e assim, apocopamos frases em palavras e palavras em monossilábicos grunhidos, chegando aos novos hieróglifos, que são os "emojis", aquelas carinhas divertidas que usamos para sorrir, concordar, discordar, manifestar emoções, ao toque de um único dedo, economizando a leveza ou agressividade de um vernacular colóquio, ao ponto do nosso corretor digital não compreender mais expressões já quase em desuso, como esta que usei agora, "vernacular", ao que o robô sugere-me que eu troque por: "Vernaculizar, vernaculiza, ou cenacular" Pobre robô: nunca irá acompanhar a velocidade da mente humana, em se tratando de criar vocábulos e verbetes, traduzidos por palavras.


Este introito foi para apresentar argumentos ao absurdo que vi hoje, no verbete que mencionei neste preâmbulo: Entre no Google, o meta buscador, e digite (antes dizia-se "escreva" a palavra (desculpem, verbete): Professora, e o Google enviará para um conhecido "Dicionário Informal", cujo conteúdo satisfaz a grande maioria dos pseudo-pesquisadores, aqueles que se contentam com uma busca superficial, são os mesmos que não limpam a bunda senão com uma leve esfregadela de uma folha fina de papel, e saem dali sem lavar as mãos. Na linguagem e no conhecimento, não fazem diferente: coletam lixo e espalham imundície. Assim, se procurarmos a palavra "Professora", encontraremos duas definições, sendo a primeira, correta, mas incompleta, "A mulher que ensina ou exerce professorado". Já na segunda definição, diz que professora é: ""prostituta com quem adolescentes se iniciam na vida sexual", classificada como um "brasileirismo". Então, numa opção de escolha dos significados, o leitor poderia livremente entender que uma professora é, por definição vernacular, uma "puta". E os alunos poderiam ler isso e escrever tal infâmia na lousa, e sequer serem intimados a uma conversa com a Orientação Pedagógica da escola, porque o aluno nada mais fez do que repetir a terminologia recomendada pelo buscador "Big Brother".  Aqui começa a minha reflexão.


A quem interessa distorcer os valores, a partir das palavras, para que possam ser interpretadas como verdadeiras, ainda que não o sejam, porque na média absoluta, o robô acerta suas sintaxes, e vomita verbetes de acordo com sua conveniência cibernética. Assim, diante do mercado binário, se o robô disse, o robô está certo, e portanto, se o aluno entender desta forma, poderá passar uma cantada na sua professora, e caso ela teste o que aprendeu nas aulas de defesa corporal (Krav Magá, por exemplo), ela sim, a "Prostituta que ensina educação e iniciação sexual aos alunos", poderá ser levada aos tribunais por agressão a incapaz (incapaz de raciocinar é um tipo de incapacidade).


Minha leitura está naqueles números que aparecem no alto da página de pesquisa: Aproximadamente 16.400 milhões de resultados em 0,48 segundos (minha internet está lenta). Este tempo, 0,48 segundos, é o tempo que também o pesquisador (esse tipo de pesquisador) levará para absorver a informação, e muito, mas muito raramente, irá buscar outras fontes para  agregar mais e melhores verbetes ao seu conteúdo de palavras. 0,48 segundos bastam para formar um idiota. E se o Google falou, quem somos nós para discutirmos lexicografia com o Google? Afinal, a palavra Google, vem de GUGÓL, um verbete criado para definir um número astronomicamente grande, inominável. tipo um algarismo UM, seguido de uma sequência de, digamos cem mil zeros. Isto seria um Gugól. E quem somos nós para discutirmos com a entidade que acaba de dominar a barreira quântica de processamento, em três segundos, o cálculo que os supercomputadores do Pentágono levariam dez mil anos para concluírem. Então, se o Gugól do Google diz que professora serve também como puta, é melhor rever meus valores. Ou buscar outras fontes de conhecimento. O próprio Google, mas com mais opiniões, mais sites, de preferencia acadêmicos, confiáveis, que deem, respostas menos sinistras.


Ah, pra não dizer que não falei de política, então traduza isso para sua escolha por reflexão pessoal, sem depender dos enlatados que os marqueteiros lhe empurram durante o curto período de campanha eleitoral. Ou então você corre o risco de achar um verbete semelhante para "eleitor desinformado" - Burro que deveria puxar carroça em lugar de melecar a urna com o mesmo dedo que futuca o nariz!



domingo, 20 de outubro de 2019

"Pequeninos da Democracia" - O Poeta e a Professora




Escrevi sobre os principais e eventuais pré-candidatos às majoritárias de 2020 em Gramado (veja aqui), mas como a política é mutante e progressiva, deixei de fora (o que corrijo agora), dois personagens que merecem o respeito deste escriba, ainda que não os conheça com a profundidade que gostaria. Faço isso, porém, pelo critério de equidade literária e analítica, o qual tenho pautado meus ensaios, e principalmente para uma reflexão sobre o papel do cidadão, individualmente, no processo político e social, e não apenas por valoração numérica exponencial, que blinda os grandes partidos e coligações, e por acharmos que apenas os grandes tem responsabilidade.

Recebo, por minhas fontes, a notícia de que dois cidadãos, ao que sei, em pleno gozo de seus direitos civis e eleitorais, expõem-se ao sabor da crítica, tal como o fazem os demais pré-candidatos; o ativista Elias Vidal Sobrinho (PATRIOTA), e sua parceira, compondo como pré-candidata à Vice, em sua chapa sugestiva, a Professora Tatiana Dalle Molle (PARTIDO INDEFINIDO). Antes da análise, porém, gostaria de pincelar rapidamente as biografias dos personagens.

Elias Vidal Sobrinho, cujas façanhas e bravatas dispensarei do comentário, haja vista que há amplas publicações a respeito de sua conduta pouco regulamentar, se comparada aos moldes desejados aos que ousam buscar púlpitos e cadeiras públicas por meio do voto, e em se resultando favoráveis, se eleitos, a cargos que exijam certa liturgia e posturas formais à liturgia do cargo que pleiteiam. Ainda assim, e assim me parece, que suas emocionadas demonstrações de cidadania, em teatrais espetáculos, o sejam motivadas pelo marketing pessoal de fazer-se notar e prevalecer seus direitos, os quais, entende no momento das acaloradas manifestações, tenham sido, à sua leitura, desrespeitados. Resumindo, quem não chora, não mama. (Veja mais) (Veja ainda..) (Mais...)

De sua biografia pessoal, pouco se conhece, senão o que consta na sua ficha de ex-candidato à Vereador, junto ao TRE, declarando-o "Empresário". Então, Empresário e Ativista político, podem bem definir o pré-candidato.

Sua parceira e pré-candidata à Vice, ainda que também ativista política e educacional, é Professora, trabalhando na Rede Estadual, e também foi candidata à Deputada Estadual nas eleições de 2014 (Veja aqui...), além de ter sua biografia agregada à uma dobradinha com a ex-Senadora Ana Amélia Lemos, pelo PP, onde após ter sofrido impugnação, entendo como solucionado, posto que a candidata concorreu e recebeu a soma de 210 (duzentos e dez) votos, ao final do pleito. De família tradicional de Gramado, Tatiana retorna à terra, e milita então na política local,desta vez, ao que é divulgado nas redes sociais, ao lado de Elias Vidal Sobrinho, mais conhecido como "Poeta".

Encerradas as apresentações, numa análise fria, insensível, resumida, as circunstâncias parecem ser completamente desfavoráveis, à que a dupla vença uma eleição onde com absoluta convicção, será liderada pelas duas grandes formações históricas, de um lado UPG, e de outro, o nome que for criado para o pleito. Historicamente Gramado nunca ofereceu grandes surpresas. Historicamente nunca houveram  "azarões" que tenham dado uma reviravolta nos resultados esperados, ora de um, ora de outro lado.

O fato aqui não se trata das pessoas envolvidas, mas do que representa esta eventual candidatura para o fortalecimento democrático da eleição. Fica demonstrado que qualquer cidadão, eleitor, e com sua situação jurídica e fiscal em dia com a sociedade, pode, e deve entregar-se aos braços do povo, por meio do voto, se sua competência em convencer seja maior que seu histórico político, e principalmente suas "costas largas". E aqui, cito o presente caso do Presidente Bolsonaro, conhecido por sua língua destravada, e por defender posições diametralmente contrárias ao "bom senso politicamente correto" vigente, que, sem dinheiro, sem Partido, sem aliados profissionais, sem estrutura publicitária, dobrou a coluna de gigantes do Marketing Político, da Mídia, e da colossal máquina administrativa de outros candidatos, e promoveu a primeira revolução democrática com base nos ´pilares do inconformismo com a classe política, e com as Redes Sociais ao alcance de qualquer pessoa que possua um teclado de Smartphone , e alguém disposto a fazer uso devastador destas ferramentas a serviço de uma campanha.

O Poeta e a Professora, sem perceberem, fazem "leading", (Pé-de-Chumbo) abrem espaço e caminho para que qualquer cidadão perceba que de que tudo o que ele precisa para ser também um candidato à Prefeito é de um partido que o apoie, de ideias  que o diferenciem, de credibilidade que dê sustentação à arregimentação de prosélitos, e de algumas contas gratuitas no Instagram, Twitter,  Youtube, Whatsapp, Skype, Google Talk, e outros que nem lembro mais. Não precisa nem mais de Megafone, estúdio de gravação de rádio, e muito menos de impressos caríssimos. O santinho é binário e às vezes, santinho de caseiro também faz milagres. Quem se habilita?

Nota ao Leitor:
Este espaço destina-se à divulgar minhas reflexões acerca de fatos e personagens políticos. Todos terão o mesmo espaço e todos estão sujeitos à críticas, análises independentes, e também observações favoráveis, dentro do que estabelece a Lei de Imprensa, a Lei Eleitoral, e a Constituição Brasileira.

sábado, 19 de outubro de 2019

Pra não dizer que não falei de flores





De modo algum irei falar de política, de movimento de resistência contra o regime militar no Brasil, embalado pela canção de Geraldo Vandré, com o título dado a este ensaio. Devidamente explicado, passo a falar de flores então.

Dar flores é um comportamento próprio dos Seres Humanos, mas também entre os animais há certos hábitos de oferecer mimos às fêmeas, como forma de demonstração de disponibilidade ao acasalamento.  Os bowerbird, ou “pássaro pavilhão” masculino, são arquitetos incríveis, mas reservam suas habilidades para apenas uma finalidade – encontrar uma companheira. Eles constroem esses ninhos elaborados e deslumbrantes para impressionar as fêmeas – talvez eles pudessem ensinar aos homens, uma coisa ou duas sobre decoração, diz um artigo no blog "Tudo Curioso". Nestes enfeites, tantos, há também flores. Há espécies de peixes que fazem o mesmo, constroem ninhos elaborados com design sofisticado, linhas precisas, geometria perfeita, para que sejam escolhidos como os progenitores dos filhotes das fêmeas, pois sua capacidade de construírem e lidarem com esta matemática inata, demonstra que seus filhotes possuirão uma genética selecionada. 



Assim como os animais que presenteiam com cores e flores seus parceiros, também as flores se oferecem, por meio do perfume e cores, aos insetos e também pássaros e morcegos, que em troca destas dádivas, são por eles, polinizados. É uma moeda de troca. É por instinto e por interesse.

O Ser humano é o único que, não só presenteia com flores, por interesse, amor, paixão, reconhecimento, como o faze também por dor, gratidão, ou saudade.  São as pessoas quem produzem flores para venderem sentimentos, e embora eu não deixe de reconhecer a preciosidade de uma arranjo de flores numa floricultura, são as flores do campo e das matas, ou ainda dos jardins antigos, das vovozinhas, quem mais fazem aflorar minhas lembranças de tempos felizes, ou até mesmo melancólicos.

O costume de ofertar flores, é mais afeto ao mundo feminino, e mesmo os homens que oferecem flores, o fazem à mulheres: Mãe, namorada, esposa, amante, amigas, e em ocasiões significativas, na maioria.  Jamais vi um homem levar flores a outro homem (hetero), senão em velório, e mesmo assim, opta por comprar uma coroa com flores artificias, onde gravam em uma fita dizeres mecânicos de :Saudade eterna, Repouse em Paz, Homenagem da família tal.


Não sei dizer em outras culturas, mas na nossa cultura ocidental, um homem oferecer flores a outro, o carimba como homossexual. Nem mesmo um pai oferece flores ao filho, e tampouco vice-versa. Flor "é coisa de mulher", sentencia-se.

Pois eu ganhei flores, por duas vezes na minha vida. E confesso que foi uma sensação indescritível. Ganhei flores de duas mulheres, e não, nenhuma das duas mulheres estavam interessadas em mim, tenho absoluta certeza disso. O que me dá esta certeza é o motivo e circunstância em que recebi tais flores, e não era um raminho de dente-de-leão apanhado á beira da estrada. Não senhor! Eram frondosos buquês, que necessitavam abraços, exuberantes, perfumados. O primeiro recebi de uma Arquiteta, em reconhecimento ao trabalho que fiz, e fico feliz em crer que, ao respeito com que tratei os profissionais envolvidos neste trabalho. Foi a Arquiteta Melissa leite, em Lages, SC, por ocasião do lançamento de uma coleção que criei, e do Show Room de uma empresa que ajudei a montar.

A segunda ocasião, foi ao término de um Seminário de Economia criativa, Motivacional, que realizei, na cidade de São Martinho, SC, onde ao final das palestras, no segundo dia, fui homenageado com flores, inesquecíveis, de valor inestimável, oferecido pela Primeira - Dama do Município,  Turismóloga Ângela Back, e em nome da Comunidade inteira, o fez. D-s sabe o quanto aquilo significou para mim. Não as flores: o gesto, materializado em flores.

Então, agora posso dizer que falei de flores. As flores que não constroem muros, mas as que edificam e solidificam amizades. E foi muito bom. Agora é só esperar pelo velório, que talvez ganhe mais algumas, embora as prefira em vida. O perfume é bem melhor.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Trotes memoráveis em lugar incerto - II O Documentário da Rainha



Corria o ano tal, onde tal sujeito era o Prefeito, e também havia o Vice Tal, que como o título diz, era o Vice Prefeito do Fulano de Tal. Isso aconteceu em tal lugar, que era, digamos, o clube social do pequeno burgo, e era no clube social, que os melhores e mais suntuosos bailes aconteciam. Era lá que a sociedade V.I.P comparecia, para mostrar o automóvel tinindo de novo, ou as matronas, para exibirem seus suntuosos trajes de gala, enquanto os abobalhados maridos, servindo o braço como apoio, olhavam e sorriam o tempo todo, abanando a mão e curvando levemente a cabeça, como se quisessem dizer, entre os dentes cerrados, como fazem os ventríloquos: "Esta é minha mocréia, e este foi o vestido que ela mandou vir da capital, com meu cartão de crédito. Ai que ódio!"

Era a festa de escolha da rainha, de uma festividade local, e lá estavam reunidos todos os convidados da finesse local, e ora, onde há boca livre, o escriba que vos tecla, entendia necessário se fazer presente. E assim foi! Dez horas da noite, lá estava o galalau, enfeitado como "pixixê de china", cheiroso como mão de barbeiro, subindo as escadas que levavam ao local dos arregabofes, eis senão quando, o longo braço do porteiro ficou estendido à altura de seu pescoço, do galalau.

- De onde vens, perguntou, solene!
- Venho de um seio! - Respondeu o tararaca.
- E onde vais?
- A um coração!
- De quem és filho?
- Do acaso!
- Como te chamas?
- Paixão!
- Saiu-se bem, mas cadê o convite, malandrinho?
- E malandro precisa de convite?
- Aqui, sem convite, não entra!
- Que seja! Voltarei!

Saindo dali, o escriba voou lépido a largos passos à casa de um amigo, que possuía uma filmadora "Super 8". Tomou-a por empréstimo, e mais rápido que o pensamento, estava de volta ao refestelo.

-Tu de volta? Sorriu o porteiro.
- Sim, tenho que filmar o evento para um documentário, o qual enviarei à uma organização na Bahia!
 Sorrindo, quase aos frouxos, o porteiro o deixou entrar.

O lugar estava repleto de gente elegante, gente distinta, gente importante, políticos, autoridades, belas senhoras, senhoras,jovens exuberantes e perfumadas, e eu. Com uma filmadora Super 8, novinha.

- Boa noite, senhoras e senhores, gentis senhoritas! Estou aqui na missão de enviar um documentário à uma instituição na Bahia. Permitam que filme vossas magnificências?
- Naturalmente, caríssimo amigo (virei amigo, assim, de repente)! mas antes, aproveite o "Côck Téilll" (acentuando o L em coquetel).
Não me fiz de rogado. Bracei uma imenso prato descartável, e abasteci-me de guloseimas. Fartei-me até arrebentar a cincha. Forrei meu bandulho (sim, o galalau era eu). E disse:
- Bem! (Burrp), Senhoras e senhores! (Burrp..arrôt) hehe...desculpem...coca cola..! Vim aqui pra trabalhar, então tenho que trabalhar, Compromisso é compromisso! Só que temos um probleminha técnico ( nessa altura eu já era praticamente um Fellini, entendia tudo de iluminação,dramaturgia, cenografia, e após olhar significativo, sentenciei:
- Teremos que descer ao Hall de entrada, onde existem espelhos. Lá a iluminação é PER-FEI-TA! (e estalei a boca, como fazem os profissionais satisfeitos).

Descemos ao Hall, aquele pixurú de gente, Prefeito, Primeira Dama, Vice Prefeito, Segunda dama, autoridades civis, militares e eclesiásticas, Rainha, Princesas, blá, blá e blá. Entupiu o hall. E eu comecei a função.
- Prefeito com a rainha!
- Rainha com a Segunda Dama!
- Rainha com princesas!
E assim, sucessivamente, filmei á todos, por cerca de meia hora, a quarenta minutos, sem parar.
Agradeci e fui embora.

O tempo  longe passou. Por esta nova ocasião, a moça que havia sido escolhida como rainha, foi comigo e outros amigos, subtrair ameixas, em uma frondosa ameixeira que havia lá pelos fundos de um terreno pouco habitado. Ao voltarmos, ela disse assim:
- Paulinho! Tu te lembras daquele filme que fizestes, de nós?
- Mas claro que lembro!
- Posso vê-lo?
- Não!
- Por que não?
- Não havia filme na câmera. Além disso, o Super 8 tinha fita para três minutos, e eu filmei mais de meia hora. Ainda bem que as pilhas eram novas!










quarta-feira, 16 de outubro de 2019

O professor de Ballet



Aprontar trote é mais comum que a posição de defecar, e não há quem não tenha alguns memoráveis para contar, o que alias, faz até bem pra engrossar o couro, tomar um trotezinho aqui e outro ali. Eu, pelo menos, prezo por este modo de pensar, só pra não pensar em cada trote que tomei. Por misericórdia, como eu fui tonto nessa vida, gente do céu! Tá, eu também passei alguns, e vou contar aqui uns dois, com o mesmo mote: O "Professor de Ballet"!.

Vou omitir os personagens, mas os fatos são aproximadamente verdadeiros.

Trote número 1

Eu alugava uma sala em um prédio de salas comerciais, no centro de Gramado,tinha meu escritório. No mesmo prédio, haviam outros escritórios, sendo um de engenharia e decoração, e outro era um consultório médico, cujo titular era (e continua sendo) um grande amigo. Todos eram meus amigos, diga-se pelo bem da verdade. Volta e meia, nos visitávamos, para jogar conversa fora, tomar cafezinho, chimarrão, ou contar lorotas das boas.

Certa ocasião, passei no consultório do amigo médico, e vi que havia uma atendente nova, começando naquele dia. Estiquei o pescoço porta adentro, cumprimentei, e perguntei se o "Dr Fulano" estava.
- Gentilmente disse que não, e perguntou se era urgente. Respondi que urgente não era, mas que ele havia marcado comigo para que, dentro da próxima meia hora, nos encontrássemos no Tênis Clube, próximo dali, pois ele teria aula de Ballet comigo e outras pessoas. A moça achou aquilo muito estranho e perguntou quem eu era. Respondi que era o professor de Ballet do doutor, e que passei para lembrar que ele não poderia faltar à aula, porque iríamos experimentar nos alunos os novos collants e sapatilhas que eu trouxera de Porto Alegre, e que contava com o doutor em aula.

Apertando os lábios para evitar uma risada, saí dali e fui para a sala no fim do corredor, do escritório de engenharia. Lá trabalhava uma mocinha, que tinha um irmão de tamanho avantajado, e contei à ela a situação, e pedi que não me denunciasse. Ela então tomou a iniciativa de chamar o irmão,e juntos foram até à sala do doutor, e se apresentando, perguntaram se ela já havia localizado o doutor, porque o professor de Ballet deles estava na cidade, e eles não poderiam faltar. E eu voltei pra minha sala. Poucos minutos depois recebo uma ligação do doutor, perguntando se eu era o autor do trote. Depois de rir um bom bocado, ele disse que ela havia ligado para todos os lugares por onde ele passava e deixava o recado para que ele entrasse em contato com o tal professor de Ballet.

Trote número 1.1

Mesma situação aconteceu, num dia, em que fui, acompanhado de um vendedor de minha equipe, a uma fábrica de móveis, e o vendedor era bastante alto também. Lá nos deparamos com uma secretária nova, e pense no formigamento que me deu em ver uma secretária nova perguntando quem queria falar com sue chefe.

- Sou o professor de Ballet do fulano (o dono da fábrica, que era um sujeito bem encorpado, grande mesmo, e sues irmãos não eram muito menores, Maiores até, eu acho). Vim entregar o collant  que ele encomendou, e também a tiara com cristais e pérolas porque ele faria o papel do Cisne Negro, na peça Lago dos Cisnes.

A moça desatou a rir, e aí me "enfureci".

-"Por que você está rindo? Como você é preconceituosa. Só porque o sujeito é um armário de grande, acha que ele não tem direito de ser delicado? Por favor, assim que ele chegar, peça para contatar urgente comigo. Ele tem meu número! Este rapaz que está aqui comigo, parece um armário também, mas ele faz o cisne negro, que agora é seu chefe quem irá tomar o lugar dele"

Disse isso e saímos, segurando os frouxos de riso.

Depois do meio dia, fui ao centro da cidade, e lá encontrei os três irmãos, e mais alguns amigos, à porta do banco, e contei a história.

Malandros, de igual ou ainda piores que eu, o empresário chegou na fábrica, logo mais tarde, e ao chegar logo perguntou para a secretária:

- Meu professor de Ballet esteve aqui me procurando hoje?


Depois disso, toda vez que eu ia lá, ela nunca me oferecia cafezinho. Rancorosa!







A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...