quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Lembranças de priscas eras de minha infância - "Véia Fróca"

...
Foto ilustrativa colhida na internet e modificada artisticamente

Uma tragédia familiar levou-nos de volta à Gramado. Fomos morar em um pequenino ranchinho de tábuas sem pintura, no terreno emprestado dos primos Francisco e Cândida Corrêa, na localidade de Vila Moura,um cafundó (à época) do Município. Houve certa resistência de parte da família, em que minha avó instalasse ali sua provisória morada, atitude gerada  pelo preconceito da tragédia que abalara nossa casa. Coisas da Natureza humana: o medo, o preconceito, e uma pitada de egoísmo, que como todos os paradoxos da vida, faz brotar também a solidariedade e a compaixão. Toda tragédia tem estes dois lados.

Éramos cinco, no começo da nova caminhada: Maria Elisa, minha avó, a matriarca; Minha mãe Ester, menina, com  dezessete anos;Esaú, o menino rebelde da casa, com treze anos; Samuel Isaac, com cerca de sete anos de idade, e finalmente, o velho escriba que vos relata, com um glorioso e turbulento Um ano de existência e resistência, para dar fôlego à trupe daquele drama, semente de resiliência e muitas histórias para contar, mais à frente.

Minha avó, Maria Elisa, saiu em busca de subsistência, e começou a lavar pratos no restaurante do "Motel Balneário", à época ainda servindo de sede para o Gramado Tênis Clube, arrendado para o alfaiate Armando Rost e sua esposa, Lourdes. Lavava pratos, e coletava restos de comida, para abastecer o meu pratinho em casa.

Minha mãe, Ester, foi trabalhar como cuidadora dos filhos do querido e saudoso casal Marcílio (Tio Março), e Irani Cardoso,em cuja casa passei parte de minhas boas lembranças, recebido como filho e irmão dos queridos Manuel Inácio, Alexandre, e Caetano Cardoso, e não sei coordenar bem as datas, mas também (antes disso) dos filhos do saudoso Orlando Koetz e sua queridíssima esposa, Teresa, Flávio, Paulo, Fátima e Zenaide. Não por muito tempo, porque "Tio Março" leva Ester para uma visita ao então Prefeito, Arno Michaelsen, e a apresenta como "Filha do Assis", velho amigo dos dois, e diz que ela precisa de trabalho e estudo. Segundo relata ela própria, Arno diz assim: "Filha do Assis? Temos que prover uma colocação para ela imediatamente então!" E a nomeia como Professora na pequenina e distante escolinha da "Curva da Farinha", onde hoje está o Loteamento Casagrande.

Há uma história que precisa ser resgatada deste lugar, e o que aqui vou contar,não tem intenção de diminuir ou pisar na moral de ninguém,mas de resgatar as gratas lembranças de gente que representa o espírito generoso que edificou Gramado.

Morava pertinho da escolinha, na Curva da Farinha, uma senhorinha que não gozava de boa reputação, sendo motivo de piadas e rejeição pela dita "sociedade" gramadense na ocasião, e esta senhorinha era conhecida pela alcunha de "Véia Fróca".

A Curva da Farinha dista cerca de cinco quilômetros de onde morávamos,e era inverno. Todos sabem como são os invernos em Gramado: Rigorosos! Minha mãe não tinha um bom guarda-chuva, não tinha um bom calçado, não tinha roupas térmicas e impermeáveis, e deveria chegar às sete horas na escola. A chuva era inclemente. Congelava até a alma. E a jovem professorinha, com dezessete anos de idade, e um filho sem pai, deixado em casa, passara da cor pálida para roxa, queixo batendo, tremendo como vara verde ao vento, e assim entrou na escola, para dar aula. Poucos instantes depois, entra na salinha, para surpresa dos alunos, a "Véia Fróca". Diz carinhosamente e com firmeza às crianças, que continuem comportadas, pois ela precisava levar a professora à sua casa por alguns instantes. E fez!

Chegando à casa de "Véia Fróca",a professorinha tirou as roupas encharcadas e foi envolta em uma velha coberta de trapos, junto ao fogão à lenha, que crepitava aquecendo todo o ambiente, como uma ante-sala do Paraíso. Uma caneca de café bem quente, e uma batata doce assada, esperava à mesa para alimentá-la, enquanto se aquecia e recompunha as forças. E depois voltou para seus alunos, temperada pelo carinho de "Véia Fróca".

Mas pensam que termina aqui a história? Não termina não! Ester, a professorinha, foi chamada à Secretaria de Educação, e levou uma reprimenda do Secretário, por ter sido "vista frequentando a casa de uma mulher indecente e mal falada", que que esse tipo de atitude não era esperada por uma jovem professora, de boa família, e investida no cargo de educadora de crianças inocentes.

Felizmente, a professorinha era filha de Maria Elisa, e contou detalhadamente o que havia acontecido, e depois perguntou ao Secretário, onde é que estavam as "boas senhoras decentes e cristãs" que espiavam pela janela, rindo de sua situação, no instante em que a única pessoa que não tinha motivo algum para rir de outra pessoa, percebeu a necessidade da professorinha gelada e encharcada que cumpria suas obrigações na escola.

Eu até sei o nome do dito Secretário, que entendeu imediatamente que dera ouvidos à gente de má índole, e cumprimentou a professorinha pelo excelente trabalho que estava fazendo na escolinha da Curva da Farinha. 




sábado, 8 de dezembro de 2018

Luciano Peccin é Inocente- E agora, como ficam seus acusadores?




O ano de 2011 foi um ano atípico, onde, Luciano, seu filho Felipe Peccin, e cerca de trinta pessoas, acusadas, processadas, sentenciadas em instâncias inferiores,  para, finalmente, após quase três mil dias, obterem seus processos anulados, por absoluta falta de provas, por "inépcia"  (expressões do STJ) de fundamento, por completa estupidez e mal elaborada instrução, ser considerado extinto, e seus réus inscritos no livro dos inocentes, saindo definitivamente do livro de suspeitos, e bastante distante do livro dos culpados.

A história é bastante conhecida, e apenas, ao final desta reflexão, publicarei os links, onde podem ser encontradas algumas das publicações que dão respaldo a este ensaio, uma vez que a origem encontra-se no canal de comunicação de seu mentor, segundo é bastante conhecido de Gramado e dos gramadenses, o colunista Miron Neto, declarado inimigo e adversário político da família Peccin. Segundo todos os blogs encontrados, a fonte da notícia e das denúncias originais, que motivaram uma avalanche de ações do Ministério Público contra Luciano e sua equipe, ações que mudaram definitivamente, por seus afeitos, a estrutura de turismo e de eventos de Gramado, antes municipalizadas e tratadas como eventos de cunho político,  e depois disso, operadas por uma autarquia, a GRAMADOTUR.

Miron Neto, segundo desabafam os acusados, hoje inocentados, teria sido o agente intelectual e propiciador de atitudes de visível brutalidade contra a família Peccin e os organizadores do Natal Luz, não no sentido físico, mas jurídico e que beirou as raias do ridículo, quando à época foi nomeado pela Justiça, um Secretário de Turismo de uma simpática cidadezinha conhecida por sua insignificância no trade turístico, que realizava, nesse tempo,um arremedo de Natal Luz, aos moldes de Gramado, como interventor judicial do empreendimento de Gramado, tirando de cena todos os seus realizadores, todos os seus fundadores, e dando margem de rescaldo político negativo à Gramado, por personagens que nem mesmo mais residem da cidade, nunca tiveram nenhum tipo de apreço, nem apego histórico, e muito menos empreendedor com Gramado, deixando um rastro de rancor, de mágoa, de desavenças, e certamente de um prejuízo incalculável aos envolvidos direta e indiretamente no evento, ou melhor,  em todos os demais eventos do município, e que depois de tantos capítulos, de tribunal em tribunal, recebem um rodo com detergente, após minuciosamente esquadrinhadas as ilações, chamadas de provas pelos delatores, devolvendo, finalmente, o senso de confiança que deve ter a Justiça em todos os seus quadrantes.

Procurei Luciano e pedi uma entrevista. Mas busquei pessoalmente os arquivos das denúncias pela imprensa, li as denuncias, e desenhei um cenário de oportunismo político, onde ninguém foi beneficiado, antes, foram chamados de ladrões, de corruptos, de dilapidadores do erário público. Tenho que confessar que Luciano e eu já tivemos olhares obtusos, um e outro. Já batemos boca, discutimos, quase nos ofendemos em outros tempos. Luciano não contava com minha particular simpatia, e nem de outras pessoas, porque tem postura muito própria e opiniões contundentes. Eu o achava elegantemente arrogante. E tenho grande desconfiança que a recíproca fosse verdadeira. No entanto, já recebi elogios de grandeza capital de Luciano, a coisas que fiz, que  criei, e permanentemente elogiei deu espírito inovador, criativo, sua visão empreendedores, e algo que nós dois temos em comum, indiscutivelmente, o nosso amor por Gramado. Sempre vi em Luciano a pessoa mais criativa a serviço de Gramado, e foram seus eventos, suas ideias, amparadas pela comunidade e pelas autoridades municipais, até mesmo adversários, quem o colocaram na mira da inveja de muitos, e no foco de mira de uns poucos. Mas foram estes poucos quem geraram a maior injustiça já cometida a homens públicos que Gramado já contemplou,  que merecia, ao  menos, da parte dos jornalistas que o empurraram pelo penhasco, a começar por Miron, uma linha, que seja, de reconhecimento de seu erro, de reconhecimento de que sua ânsia por acender o pavio da discórdia, e que deveriam hoje, o quanto antes, dar o mesmo destaque que deram às denúncias, ao resultado dos julgamentos. Ou isso, ou então que rasguem o Código Penal,o Código Civil, e a própria Constituição. Ou isso, ou que concordem que Justiça só é boa quando pune os inimigos, inocentes ou não. Miron não errou ao publicar, esta é mesmo a tarefa do jornalismo. Miron errou em pré-julgar, o que o fez abertamente, e não esperou que a Justiça final se pronunciasse para emitir sua opinião. Miron cometeria uma atitude elegante se publicasse uma retratação família Peccin. Eu acho.

Esta reflexão não é uma acusação,  haja vista que tudo o que disse é público. Antes é um chamamento a que se comece uma nova fase em Gramado, onde o respeito seja precedido pelo espírito de união. E tenho honra e moral para dizer isso, pois é de conhecimento de todos, que fiz oposição a Fedoca, que fiz e faço críticas a seu governo, quando encontro motivo para tal, mas o próprio Fedoca, a quem perguntei se teve algo a ver com estas denúncias à época, e dele tive a resposta, crível, que nem sabia do que eram acusados. Então, tenho moral para citar nomes, porquanto não faço acusações, mas provoco reflexões, e a reflexão que quero provocar nesse momento é a pergunta que deixo: Valeu à pena? Gramado ganhou alguma coisa com isso? Alguém de Gramado teve a vida melhorada porque os criadores do maior evento natalino burlesco do mundo, foi injustamente acusado de roubo?

Quem tem a capacidade e a possibilidade de escrever e tornar-se crível em suas palavras publicadas, deve ter também a chama da cidadania e do respeito à dignidade humana acima de tudo, para que suas palavras não subam tão alto, e de lá, caiam com tanta força e velocidade, que os atingirá como setas certeiras. Devemos falar e saber calar, mas quando falarmos, devemos ter a certeza que nossas palavras provocarão efeitos, e que sejam favoráveis ao bom senso. Se e quando eu errar neste propósito, espero saber corrigir-me a tempo para que os efeitos sejam sempre favoráveis à justiça. Sei muito bem o que significa trabalhar com a verdade e a razão, e sei que quando acaba a razão, começa a barbárie, a violência. Sofri isso na pele, e firmei o propósito de nunca fugir á verdade e com a verdade, ao propósito de unir Gramado, como as belas festas de priscas eras uniam nossos olhos e nossos sentidos, ao respirarmos o perfume das hortênsias, e saborearmos as delícias que as habilidosas mãos sabiam preparar. Que as mãos não sejam para atacar, nem as palavras para destruir, mas que Gramado busque-se enquanto ainda há Gramado  impregnada em nossa alma. Eu acho.

Vejam aos links das matérias citadas,  e em breve publicarei uma entrevista com Luciano Peccin e outros personagens deste tema.


Texto clipado da Coluna de Miron Neto




https://polibiobraga.blogspot.com/2010/11/natal-luz-de-gramado-entra-em-crise-com_16.html

https://www.sul21.com.br/postsrascunho/2011/08/para-mp-natal-luz-de-gramado-virou-negocio-em-familia/

https://www.mprs.mp.br/noticias/civel/24682/



PS: Desde já fica concedido o espaço necessário neste Blog para o manifesto de Miron Neto, caso deseje. Esta reflexão não interfere no respeito que tenho por seu trabalho jornalístico e investigativo. Cumpre apenas a necessidade de reparar uma injustiça contra um patrimônio moral de Gramado, e resgatar a história de nossos empreendedores.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Pai não é quem cria. Pai é quem educa e protege



"Pai é quem cria!" - Esta frase é repetida continuamente quando há uma referência a um relacionamento afetivo entre pais não biológicos e filhos adotivos ou enteados. O sentido da frase é nobre, mas passa longe da verdade, na etimologia da expressão e do verbo "criar". Sendo assim, paí não é quem cria, mas quem educa, quem encaminha para a vida, quem acolhe, quem protege, quem disciplina, e até mesmo quem maltrata. É um mau pai, mas ainda assim é pai. Mas não está criando ninguém e nada. Está apenas conduzindo pela vida e para a vida. Assim, portanto, pai é quem gera, e também quem adota. 

Criar não é tarefa de pai, mas de criador, ainda que tenhamos Um Criador A Quem chamamos por Pai, as  funções são distintas. Criar e conduzir. Criar, primeiro, e proporcionar condições para a manutenção da vida e da existência, o que vem depois. Nesse aspecto humano, pai não é aquele que cria, mas aquele que gera. gerar não é criar, mas reproduzir o que foi criado, estabelecendo pela genética e modelo de educação, o seu molde pessoal. Mas ainda assim não é criar. 

"Botar" filho no mundo não é criar, mas procriar. Multiplicar. Reproduzir o que foi criado. Assim, pai não é o que cria, mas o que proporciona dignidade de vida e procriação às gerações que brotarão de sua capacidade reprodutiva, e da civilização que poderá frutificar de sua capacidade educadora.

Assim, pai não é quem cria. Pai é quem ama e permite-se ser chamado por pai, porquanto reconhece no filho sua identidade transformada, aprimorada, renovada. Pai não é qualquer um. Qualquer um poder ser progenitor, mas para transformar este progenitor em pai, há que primeiro, aceitar que não é D-s, Perfeito e Justo, e por isso, Único. Então, pai é aquele intermediário entre o criador e a criaturinha que brotou da criatura. Aí, sim, pai não é quem cria, mas quem é pai.

Obesidade Espiritual



Obesidade Espiritual

Obesidade é uma palavra gorda e assusta. Quando dizem que você está "gordinho", isso soa com certo carinho, pois estão te chamando de gordo, mas seguram o freio das palavras para que a ofensa seja suave. Já se te chamam de gordo, é pra machucar mesmo, pois quem rotula a pessoa pela sua circunferência, atribui a isso uma carga pejorativa e associa seu peso e medidas ao seu caráter. Mas quando a palavra utilizada é "obeso", bem, aí de fato é hora de procurar um endocrinologista e submeter-se a um tratamento hormonal e dietético.
Mas não é sobre lipídios que eu quero falar. É sobre gordura espiritual, aquela que você adquire e não percebe, e se farta de comer ainda mais daquilo que deveria ser apenas nutritivo, mas exagera no tamanho do prato, e torna-se um "Obeso Espiritual". Eu explico:

Moro em uma cidade relativamente grande. Grande demais pra mim, até. E é comum encontrar, em parques públicos, plaquinhas que orientam as pessoas a não alimentarem os animais silvestres, a saber, macaquinhos, pombos, e outros que se proliferam pelas cidades, em busca de vida mansa, pois nas cidades são menores as probabilidades de se tornarem a refeição do carnívoro de plantão, e com exceções de alguns gatos mais ousados, o que é raro numa cidade, não há predadores naturais destes animaizinhos. Então, os animais, antes selvagens, que habitam as cidades, são gordinhos. Obesos até, porque a comida está à mão. O Ser Humano, solitário, passou a trocar gente por bicho. Passou a chamar bicho de "pet", de "filho", passou a designar-se "tutor", "papai", "mamãe", e até a denominar de "irmãozinho", o bebê humano que permitem ser lambido integralmente pelos "filhinhos" patudos. E obesos. E quando não são obesos, nestas condições, é porque recebem academias, fisioterapia, massagens, dietas especiais caríssimas, que substituíram a largo tempo as papas de restos de comida que recebiam como alimento, enquanto viviam no quintal, a guarnecer a casa. Mas nesta fase, já obesos.

O animal doméstico é obeso por natureza, pois sua função biológica não é mais perambular em busca de alimento, e permanecer por certo tempo em lugares onde o alimento seja mais farto por estação, mas depois disso, voltam ao nomadismo, o mesmo nomadismo humano de priscas eras, antes da agricultura, embora a atividade agrícola primitiva não dá oportunidade a ninguém tornar-se obeso. No máximo, gordinho, pançudinho, mas aí tem relação com a cerveja, que é assunto pra outro ensaio.

A obesidade animal é reflexo por consequência da obesidade humana. E a obesidade animal, assim como humana, são reflexo de outra obesidade ainda mais preocupante: a "Obesidade Espiritual"!

O obeso espiritual é aquele indivíduo que levanta com o nascer do sol, e dorme logo após o crepúsculo, faz as mesmas coisas, no tocante à religiosidade e seu relacionamento com o divino, e fica satisfeito com aquilo que entende por fé, com o mesmo prazer que um obeso devora duas bacias de sorvete, com a diferença, que o obeso físico, não se contenta com as duas bacias, enquanto o obeso espiritual tem preguiça existencial de buscar mais naquilo que lhe foi inculcado como doutrina de fé. Acomoda-se no que acha ser suficiente conhecimento, e delicia-se no sebo de seus livros sagrados, sem que saiba o cheiro de um livro novo, e nem a insônia por uma nova descoberta nas camadas da liturgia eclesiástica. Não permanece no debate saudável, e como desculpa para sua irritação ignorante, torna-se irritante em repetições de clichês obtusos, em lugar de caminhar pelas vias da retórica em busca de enriquecimento cultural e espiritual.

O obeso espiritual não cresce na fé, e portanto fica estagnado nas relações interpessoais, pois abdica de atributos como a ânsia pelo saber, e a possibilidade da quebra de paradigmas inócuos. O obeso espiritual é um parasita de sua própria ignomínia e um escravo de sua ignorância. Por isso, obeso, e por isso mórbido. O obeso espiritual é um parasita da insignificância que o impede de reagir, e buscar novas letras, novas versões, ainda que para compreender velhas verdades. 

O parasita espiritual não muda de religião, porque o banco de sua congregação já tem a marca de sua bunda e o acomoda com mais prazer. Os obesos espirituais somos todos nós, quando nos acomodamos às regras mal descritas, que nos obrigam a rezar do mesmo modo, a ouvir sermões com a mesma reverência, não à mensagem, mas ao orador, e que retiram de nós a vontade de olharmos para o espelho de nossa alma, pois espelhos não são verdades, mas podem nos dizer muito a respeito delas, contanto que não sejam eles próprios distorcidos, que nos desfiguram. Assim, a obesidade da alma pode nem ser verdadeira, porque podemos ver nossa espiritualidade por espelhos tortos que os outros nos mostram, para confundir-nos, e para que nos vejamos iguais a eles,os verdadeiros obesos espirituais. A obesidade espiritual não é causada por disfunção hormonal, nem por comida espiritual em excesso, mas pelo ostracismo, pela preguiça existencial da acomodação, da resignação, da falta de caminhar.

A palavra hebraica HALICHÁ, caminhada, que dá origem à palavra HALACHÁ, que é caminhar a caminhada, cumprir a jornada, é o antídoto para a obesidade espiritual. Fazer a caminhada, e para o destino certo, que é a Eternidade, o Olan Habá, o Mundo Vindouro. Só que antes de chegarmos ao Mundo Vindouro, nossas pés caminham sobre o mundo presente, e para irmos mais longe, quanto menos peso levarmos, menos árduo será o caminho. E o maior peso do obeso espiritual, é o próprio peso da indiferença.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Grandes personagens da política gramadense da atualidade 1 - Luia Barbacovi



Ele foi Chefe de Gabinete do Prefeito Waldemar Frederico Weber, aos dezessete anos de idade, no início da década de 1970. Logo depois, foi nomeado Secretário-Geral do Município. Formado em Jornalismo e em Gestão Pública, pela UCS, ocupou por dois mandatos o cargo de Vice-Prefeito, e atualmente é Vereador, tendo sido até o fim de 2017, o Presidente da Câmara de vereadores de Gramado, o gramadense Luia Barbacovi é, por consenso, um dos grandes personagens da política gramadense dos últimos tempos.

Na condição de Vice-Prefeito, com Nestor Tissot, o curso natural da política apontava ele na direção de ocupar o cargo majoritário na disputa à Prefeitura de Gramado, no último pleito, de 2016. Uma manobra interna de seu Partido, o PP, alterou esta condição, e tomado de surpresa, Luia vê sua natural carreira desmoronar-se, dando lugar ao Ex-Prefeito, Pedro Bertolucci, que também, colhido de surpresa, aquiesceu em aceitar mais uma candidatura, quando imaginava ter encerrado sua participação do executivo de Gramado. Luis, no entanto, soube engolir o choro, e surpreendentemente, candidatou-se a Vereador, e naturalmente, foi eleito.

Nesta sequência de entrevistas, Luia abre o espaço, e em breve, quero conversar com os outros personagens deste capítulo da historia de Gramado.


Pacard - Luia Barbacovi, Vereador, foi Vice Prefeito por dois mandatos, com Nestor Tissot, mas com longa carreira no Serviço Público, e um currículo de paixão por Gramado muito extenso. Pela lógica da política, deveria ser o candidato natural da UPG à sucessão de Nestor, e numa virada surpreendente, ressurge Pedro Bertolucci, e Jorge Drumm, como adicional de chapa, que desconcerta toda a lógica até então vigente. O que deu errado?

Luia - Naturalmente seria um candidato ao cargo majoritário, tanto por ser vice oito anos,como pela experiência que tenho em relação ao executivo municipal, bem como ser um apaixonado por Gramado e participar das mais diversas atividades da comunidade.
Algumas pessoas ligadas a cúpula partidária entenderam que o ex Prefeito Pedro Bertolucci teria mais condições de vencer e assim articularam está mudança. O que deu errado não posso dizer, pois continuo trabalhando e me dedicando a Gramado, mas, com certeza, os coordenadores da campanha teriam mais condições de responder.
Registro que o Pedro foi correto comigo e acho que perdemos a oportunidade de termos mais uma boa gestão, assim como acredito que o Luia também seria um bom prefeito.

Pacard - Podemos pensar que foi ingenuidade tua, em não imaginar uma rasteira, como dizes, dos coordenadores do Partido (ou dos Partidos), e que,esta eventual ingenuidade seria o aditivo que teria faltado para que se tornasse o grande líder do PP, e consequentemente da UPG, se este tirocínio estivesse presente? Faltou estratégia, de tua parte, ou excesso de confiança?

Luia - Não. Fiz a minha parte e meu trabalho, tanto que me tornei vereador tranquilamente e continuo contribuindo com o Partido e com GRAMADO. Cheguei até aqui acreditando na boa vontade das pessoas e assim, não posso ser acusado de omisso. Estava a disposição. Quem perdeu foi nosso município em não contar com ex prefeito experiente ou com um cidadão que ama sua terra e teria condições de fazer algo a mais.

Pacard - Quando assumistes a Presidência da Câmara, aparentemente houve um movimento para anular tua força no Legislativo, construindo, de ti, uma imagem de oposição frágil, mas eu mesmo ouvi que tu serias, em determinadas circunstâncias, uma muralha mais forte, ainda que silenciosamente, do que teus pares mais alvoroçados na tribuna. Como te descreves na figura de opositor?

Luia - Tive excelente trabalho a frente do Legislativo. Reformamos aLei Orgânica, Regimento Interno, criamos as emendas Impositivas, diminuímos mandato de dois para um ano. Criamos a Sala da Democracia,projeto Arte na Casa do Povo , programa semanal de rádio e aí por diante. Além disso reduzimos de 1,9 para 1,36 por cento a despesa do Legislativo em relação ao orçamento do município. Fui forte e conciliador, tanto que mantive um clima cordial e positivo na Casa.
Ser a favor de Gramado e contra os interesses pessoais fazem a diferença.


Pacard – A lógica da política é que o Prefeito em fim de mandato, empenhe esforços para que seu vice ocupe a cadeira na vacância, pelo segundo mandato de Nestor, mas os fatos demonstram que não houve nenhum empenho dele manifesto, que te posicionasse para substituí-lo, o que significa duas coisas: Ou ele não teve liderança suficiente, ou não teve interesse em execrcê-la, para reduzir a possibilidade que tu vencesse, fizesse uma boa gestão, fosse reeleito, e nesse caso, ele estaria fora da corrida por mais quatro anos. Por esta leitura, como foi teu relacionamento com ele (tomando como comparativo o atual relacionamento entre Evandro e Fedoca, e a respeitosa divergência de motivação de um em relação ao outro)?

Luia - Meu relacionamento com o Nestor foi excelente. Assumi mais de 60 vezes a cadeira ,ou seja, fiquei "prefeito"por mais de um ano. Sempre respeitei e fui respeitado. A postura do Nestor na campanha me parece que não mudou , porém ele também sofreu reves com a derrota do Pedro, a exemplo de todo o pp

Pacard – Que tipo de revés?

Luia - Quando se tem boas gestões,como as nossas duas últimas, se espera vencer a próxima e a derrota foi um revés, exatamente por que acreditávamos que após o excelente trabalho,teríamos continuidade.


Pacard – Gramado vem atravessando uma sequência de problemas estruturais de graves consequências, e a atual gestão de Fedoca tem que dividir-se entre “apagar incêndios pontuais” e por em ação suas próprias promessas de campanha. Sendo assim, e com críticas tuas mesmo à questões como o recente episódio da CORSAN, o Saneamento e despoluição de arroios e cascatas, o próprio Lago dos Pinheiros, que já foi a “Menina dos Olhos” da UPG, o que vê que tenha sido rescaldo de gestões da UPG, e onde apontaria como falhas da atual gestão?


Luia - A questão não são falhas e sim a comunidade sente falta de iniciativas e obras. O Gramadense acostumou-se com a vanguarda e está vendo o município vizinho constantemente na mídia,com notícias positivas e boas iniciativas.
Foi criada um expectativa com o novo e,pelo que parece, a população está esperando.
A UPG deixou muitas obras iniciadas e outras com recursos para concluir. Passados dois anos, nossa gente ainda aguarda que sejam concluídas.


Pacard – Gramado sempre respirou uma dualidade muito forte, entre Direita e Esquerda, ainda que veladamente, pois houve um tempo em que fracionar estas linhas era politicamente incorreto, mas, mesmo assim, o poder político sempre se fragmentou desta forma. Durante o período da eleição, ainda era forte o sentimento de revolta com a linha à esquerda, e foi esta mesma linha quem determinou a vitória de Fedoca, que sempre se manifestou com muito apreço à herança socialista de Brizola e outros líderes deste viés. Isso ficou bastante visível quando formou sua equipe de trabalho com personagens egressos do mesmo viés, de outros municípios, o que proporcionou críticas e desconfiança dos eleitores pró UPG, em relação aos aditivos de natureza socialistas impregnadas no formato de gestão.
Com a virada nacional e desejo visível de extirpação da era petista e pró-socialista, acredita que a próxima eleição municipal também seguirá este viés, e se for este o caminho, como ficará o PP, tão enredado nos escândalos com o PT, e assim, permanecerá neste Partido, ou buscará outro caminho, o que parece ser um ajuste natural, para manter-se alinhado à política nacional?


Luia - A eleição presidencial mostrou que a população está atenta. Não aceita mais abusos, prepotência e velhas práticas políticas. A eleição municipal pode refletir isso, porém não acredito que mudará muito neste dualidade aqui existente.
De minha parte, participo das ações partidárias e estou com meus companheiros. O futuro,acho que haverão mudanças e fusões partidárias a nível federal que poderão ter reflexos aqui.

Pacard – Gramado tem duas crises que andam em picos e hiatos, como um eletrocardiograma, e por coincidência, ambos estão ligados à Saúde. O primeiro, é o fato de Gramado ser uma referência internacional, e depender de penduricalhos jurídicos e administrativos para manter em funcionamento do único hospital do Município, sendo que vive aos sobressaltos pela possibilidade de que o patrimônio seja vendido, e sempre por força de “canetaços”, o Executivo impede que tal aconteça, mas o problema continua no fim da fila para se agravar. Muitos tem opinado sobre a construção de um hospital municipal, e tombamento da área do atual hospital, para evitar que o local seja transformado em um resort ou algo do tipo. Qual sua posição sobre isso, e que solução apontaria, caso fosse Prefeito?
A segunda é a crise da água, que também urge por uma solução que pense as próximas gerações, e que não deixe de herança a estas, o legado de torneiras secas, um drama contínuo desde muitos anos. Como vê a municipalização da água, e caso seja Prefeito, como atuaria neste desafio?

Luia - Em relação ao Hospital, acredito que a Prefeitura deva adquirir e transferir para uma Comissão Comunitária ( criar entidade)que fará a gestão. No futuro acho que poderá ser transferido de local em função de logística. Mas isso é coisa para um futuro .
Em relação a água, acho que devem se
r duplicados os dutos que trazem água tratada de Canela.
Posteriormente fazer o saneamento do lago do Parque dos Pinheiros e levar a água dali até uma futura estação de tratamento que devemos construir em Gramado.
O contrato com a Corsan deve ser revisto e FISCALIZADO.


Pacard – Gramado tem se desenhado quase instintivamente, intuitivamente, à medida que os desafios surgem. Assim, criam-se mecanismos de ajustes, seja no campo legislativo, executivo, urbanístico, ou onde quer que sejam necessárias ações de ajustes. Como vê a elaboração de um grande plano de futuro para Gramado, com visão de uma, ou duas gerações, onde sejam necessários esforços e até ajustes administrativos, para que Gramado deixe de ser uma cidade de remendos, para tornar-se, ao modelo de cidades europeias, referência de qualidade de vida, ambiente, e sobretudo administrativa? Se candidato, e se eleito, como faria um projeto assim, caso concorde com a necessidade?

Luia - No passado foi feito o projeto Gramado mais 50. A sociedade participou e fez um planejamento muito bom e que foi seguido pelo Pedro e Nestor.
Atualmente foi elaborado um grande trabalho que é a Agenda Estratégica e de Mobilidade,pensando nos próximos 20 anos.
VaI ser analisado pela Câmara no início do ano.
Acho importante e serve de norte aos gestores. Com um bom acompanhamento da sociedade civil e organizada, teremos um bom documento.


Pacard – Tu sempre esteve, e continua, ligado à Cultura. Várias críticas ao desempenho desta Secretaria, no início da gestão de Fedoca, mesmo tuas, mas percebe-se que houve avanços e a situação se estabilizou. Agora, com o novo Governo Central, e com a proposta de extinção do Ministério da Cultura, que era segundo muitos (opinião que eu compartilho também), um “Xuxu no meio da pizza”, não acrescentava nenhum sabor, e era um cabide de empregos de doutrinação ideológica. Assim, como vê que a Cultura em Gramado possa respirar sem sobressaltos, diante de tantos desafios mais urgentes, sob uma eventual administração tua?

Luia - Em relação a Cultura, vejo que o Ministério da Cultura se mantinha com a Lei Rouanet, boa iniciativa,mas muito mal utilizada. Uma estrutura enorme, porém contribuindo pouco com o segmento.
Em relação a Gramado,vejo a Cultura num bom patamar,mantendo muitos eventos que já existiam e iniciando outros projetos. Dentro do contexto, acho que está num bom caminho.
Já em relação a política, creio que o passado só serve como aprendizado.
Sou Progressista e pretendo ser protagonista em 2020.




sábado, 10 de novembro de 2018

MUNICIPALIZAÇÃO DA ÁGUA - EXEMPLOS QUE DERAM CERTO

Leitores do Blog enviam contribuições, que as publico aqui





http://www.comusa.rs.gov.br/index.php/noticia-615/comitiva-de-farroupilha-conhece-case-de-sucesso-da-municipalizacao-da-agua-hamburguense



http://www.jornalestadodegoias.com.br/2017/11/13/municipalizacao-da-agua-e-irreversivel-frisa-prefeito-roberto/

http://mundialagua.confea.org.br/index.php/2017/10/04/municipalizacao-do-saneamento-e-descoberta-de-nascentes-asseguram-agua-para-o-futuro-de-mt/

http://www.samaetimbo.com.br/municipalizacao

https://ndonline.com.br/florianopolis/noticias/municipalizacao-da-agua-em-palhoca-completa-dez-anos-de-promessas-e-atrasos

http://abconsindcon.com.br/noticias/prefeitura-do-cabo-quer-municipalizar-os-servicos-de-agua-e-saneamento/

http://www.prefcedro.sc.gov.br/noticias/index/ver/codMapaItem/9379/codNoticia/484174

https://maringapost.com.br/poder/2018/04/30/prefeitura-de-maringa-acena-com-municipalizacao-do-servico-de-agua-e-esgoto-administracao-descartou-acordo-em-processo-judicial/

https://diariosm.com.br/prefeitura-de-santa-maria-deve-municipalizar-servi%C3%A7o-de-%C3%A1gua-e-esgoto-1.2018882

https://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2016/06/29/stf-da-sentenca-favoravel-a-municipalizacao-do-servico-de-agua-e-esgoto-em-petrolina/

https://www.clickriomafra.com.br/noticias/mafra/prefeitura-rompe-com-casan-e-quer-municipalizar-a-agua-em-mafra/




Municipalizar a água e o saneamento de Gramado - Será que Fedoca aceita este desafio?

Pacard

Para entender minha teimosia no tema, leia o post anterior,onde aponto (o que todos sabem) alguns problemas e desafios gerados pelo despreparo da CORSAN em gerir a água potável de Gramado, por razões que explico lá. Vamos adiante então. Lanço aqui um desafio para que Fedoca, Prefeito de Gramado, que tem muito poder e influência e que pode sim, manifestar-se acerca da solução definitiva da questão hídrica de Gramado. Vejamos alternativas:

Penso que o contrato de fornecimento de água para o Município de Gramado não seja tão indevassável que não seja encontrada alguma cláusula que demonstre com limpidez que a CORSAN descumpre sua parte ao permitir contumazes fechamento das torneiras, por não ter capacidade de suprir a cidade com seu produto, que é água potável. Ora, não é preciso entender de Direito, para saber que o descumprimento de uma cláusula de um contrato, dá direito ao encerramento deste contrato e sem direito à indenizações, haja vista que o descumprimento por uma das partes dá à outra este direito, e mais, poderá ela, a parte rescindente, ser indenizada por danos à saúde pública. Mas deixemos por isso mesmo e vamos seguir adiante, sem caça às bruxas. 

A urgência de um plano estratégico para abastecimento hídrico e manutenção do saneamento, além da despoluição dos arroios de Gramado, parece-me ser o grande desafio que poderá mudar o histórico da gangorra de Prefeitos que passam o chapéu aos governos estaduais e junto deles, à fornecedora de água potável,portanto estrategicamente sensível e poderosa, e que faça este Prefeito, se coragem tiver, e que municipalize a água, e mais que isso, elabore projetos que modernizem o abastecimento, tornando Gramado não apenas na mais bela cidade o Brasil, como aquela onde se bebe, na torneira, a mais saborosa água do mundo. Acho que esta pressão fará bem a Fedoca, como aos Vereadores, que tem poderes limitados junto á CORSAN,mas ilimitados recursos de pressão junto à Comunidade.

O desafio vai também aos líderes empresariais, comunitários, e sobretudo aos militantes de todos os Partidos que pleitearão a cadeira de Fedoca em 2020. 

Quem aceita este desafio? Eu já aceitei e estou colocando meu nome e meu teclado a serviço deste projeto.

CORSAN e a Água que Gramado não tem

Imagem relacionada

Sabe aquelas pessoas que nunca fizeram nada que os distanciassem da mediocridade na vida,e um dia se infiltram numa pequena cidade do interior, tentando domesticarem os nativos? Gramado está cheio desse tipo de gente. É só procurar. Pois não é meu caso, porque até de "fake" já fui chamado. Até hoje há quem acredite que eu nem exista, que seja um personagem oculto de um político local, manipulado e manipulando os políticos, para mobilizar ou influenciar a opinião pública com opiniões que levem as pessoas a pensarem nesta ou naquela direção. Nada mais estúpido que isso, pois, em primeiro lugar, sim, eu existo, sou gramadense de alma, história e coração, e mantenho vínculos fortíssimos com pessoas notáveis desta cidade, e quando digo notáveis,não estou falando da importância social ou poder político ou econômico,mas de caráter, de discernimento,e sobretudo de lealdade aos amigos. Não moro mais em Gramado, por contingência da vida, que nos conduz a lugares que a geografia teima em distanciar de um lugar a a outro,mas nem por isso sou menos gramadense que minha avó, que nasceu, viveu 85 anos na cidade, para repousar os dez anos seguintes em outro lugar, até seu repouso temporário  da vida, na espera da ressurreição. Da mesma forma, que pessoas que chegaram há certo tempo, e estabeleceram ali suas raízes e sentimentos, e são tão gramadenses quanto qualquer outro que viva dentro ou fora dos limites do município. Dito isso, falemos da água que não tem.

Água será, segundo futurólogos (que nada tem a ver com profetas), cientistas que analisam as condições do mundo, suas movimentações, e de acordo com o soprar dos ventos da história, projetam possibilidades de mudanças no comportamento humano e ambiental, e com base então nestas possibilidades, dizem eles, que o motivo da esperada, mas indesejada terceira guerra mundial, será pela posse da água. Isso mesmo. A água, somada à energia e alimentos, serão os três pilares que darão grande poder à quem os dominem, e uma mostra disso é o assim chamado, "Aquífero Guarani", uma gigantesca reserva de água potável submersa,portanto de intensa pureza, que abrange uma área de 1.2 milhões de Km2, e está situada em quatro países, sendo a maior parte submersa em território brasileiro. Mas, não, Gramado não está sobre o Aquífero Guarani. No entanto, possui reserva ainda inexplorada de água potável suficiente para abastecer a si mesma, e ainda que parte dela esteja a céu aberto, como no caso do Lago dos Pinheiros, um esgoto mal calculado desde o seu projeto original, Gramado tem condições e mais que isso, tem necessidade de pensar com urgência na água que o povo e os filhos e netos do povo irão beber. Gramado pensa no brilho dos espetáculos do Natal Luz, pensa na pavimentação das ruas que levam às colônias, pensa na mobilidade urbana, investe milhões (que somam-se ao longo dos anos, em bilhões de Reais, porque tem a Prefeitura, uma receita de causar inveja a muita cidade de médio porte, em eventos, arquitetura, paisagismo, urbanismo, meio ambiente, tudo o que possa ser calculado por um Corretor de Imóveis, mas deixa a sua verdadeira fortuna nas mãos de uma autarquia comandada por políticos de ocasião (aqueles que não conseguem se elegerem mas mesmo assim ganham de presente por quatro anos, seus cargos bem pagos), e à técnicos que tem todo o Estado para tomarem conta, e Gramado não passa de um alfinetinho nos mapas surrados pendurados em paredes antigas, onde de novo só tem as cadeiras giratórias,e a plaquinha com o  nome em cima da mesa.

Gramado deixa construir prédios gigantescos, hotéis, restaurantes, bares, parques temáticos, tudo que gera receita, empregos, riqueza social, e bem administra isso  tudo, mas deixa que uma autarquia pobre de um Estado falido, determine quem vai ter e que não vai ter água, quando e em que quantidade, e se a lei não mudou, se você optar  por não usar a água oferecida pela estatal, mas abrir uma cacimba, ainda assim terá que pagar a taxa, e terá que obter licença desta estatal para perfurar seu poço artesiano ou não, ou seja, paga por ter cachorro e paga por não ter cachorro, paga por usar a água e paga por não usar a água que eles oferecem.

O que mais me preocupa nesta questão é que, desde que eu participo da vida política de Gramado (ainda que indiretamente), eu tenho visto brigas homéricas entre a estatal, utilizada como mecanismo punitivo para desafetos políticos, e que os personagens, ainda que temporariamente beneficiados, se deixam encantar pelas cantilenas de sereia que o poder oferece, e usam (ou são usados) pelos dirigentes da autarquia como peças de um tabuleiro, onde uma benesse de uma adutora, meia dúzia de metros de canos em uma viela carente, ou qualquer outro tipo de afago desse tipo, faz mudar o  cenário de uma eleição.isso vem acontecendo ano após ano, e entra governo, sai governo, parece que tem um livro de estratégias que ensina a dominar este ou aquele lugar por meio do pinga-pinga de uma torneira. Será que Gramado,por ser Gramado merece mais atenção que outros municípios? Não! E nem menos também. Mas água na torneira não se trata de merecimento, aquele biscoito que se dá a um animalzinho por sua obediência. Será então que a CORSAN não tem como ampliar seu atendimento e está no gargalo, igual ao restante do Estado? Não sei. Não tenho acesso à sua contabilidade nem seu planejamento estratégico, e desconheço seus dirigentes (embora sejam mudados, mas a estrutura permanecerá, assim como suas deficiências também), mas conheço as notícias contínuas e continuadas de que Gramado sofre pelas torneiras secas. E vai sofrer muito mais se não forem tomadas urgentes medidas para mudar esta amarga e árida perspectiva.

Devem urgentemente serem convocadas as forças ativas e proativas de Gramado, a começar pelo Prefeito, pelos Vereadores, pelo Sindicato dos Hotéis e Restaurantes, pelos demais órgãos que são atingidos pelo problema, para repensarem estrategicamente o abastecimento de água de Gramado para os próximos 50 anos. E quando falo de abastecimento, falo de tratamento sanitário também. Tarefa que a CORSAN empurra com a barriga desde que o problema começou, lá nos anos 70. Claro,poderiam alegar que o crescimento sem planejamento da cidade os encurralou no mau cheiro dos arroios, só que esquecem de dizer que teriam prerrogativas de negar licenças para que tais obras fossem feitas. Então, sim, Gramado não pode depender mais da CORSAN para sacia a sede e lavar a roupa de seu povo.  Não podem as autoridades e o empresariado lavarem as mãos para o problema, antes que se torne irreparável. A hora é essa. Gramado tem que contratar urgentemente um ou mais especialistas em planejamento estratégico, não apenas para urbanismo e mobilidade, mas para manutenção da própria existência, para sua autossuficiência em água potável, acessível à todos.

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

O Belo,o Feio, e o Poder (Ensaio sobre a caneta e as escolhas)



Conhecido meu costumava dizer que gostava de andar com feios, para sentir-se lindo. Também dizia que eu era um cara legal, e que sentia-se honrado em ter-me como parceiro de farras. Prefiro pensar que tenha sido o meu carisma que me agalardoasse com sua amizade, e não os atributos estabelecidos por ele para escolha de seus pares nas aventuras doidas pelos bailes da juventude.

Os tempos são outros, mas sempre ao lado de um medíocre, há uma corriola de gente ainda mais medíocre, e apenas os sábios sentem-se seguros entre outros sábios. Não é incomum que o poder chame para si quem seja adestrável, e não quem tenha ideias, e que as saiba executar. Não é incomum que a mediocridade abarrote palácios, e que a sabedoria se esgueire pelas sombras para proteger-se das pedras dos que estejam no poder e não suportariam a ideia de ceder espaço a quem seja melhor.

Quando eu trabalhava com Design, eu viajava pelo Brasil, visitando fábricas e elaborando coleções para atualização de seus mostruários de produtos. Tinha uma regra que me acompanhava sempre: "Qum me coloca na empresa é o CEO, ou Presidente, mas quem me tira de lá é a Tia do cafezinho, se eu pisar na bola". Isso era verdadeiro, pois no setor moveleiro, é sempre o dono da empresa, o comandante maior, que chama para si a atribuição de contratar um profissional, mas faz isso e sai de perto, lá no meio da produção, com todos olhando de canto e com sangue no olho para ver cair o intruso, que chegou para mudar suas rotinas, e criar coisas que eles talvez não sejam capazes de produzir, tornando-os dispensáveis, e então, facilmente enfiam um grampo ao contrário numa máquina, e esta irá emperrar já na primeira peça da nova coleção. Fim! Contrato desfeito, se o profissional não tiver jogo de cintura para administrar a sabotagem, e sair ileso do contrato.

O medo do novo, o medo de não saber administrar o contraditório, faz gerar a tirania, ainda que velada pela hierarquia, e não raro percebe-se uma penumbra viva das luzes que se apagam, porque a necessidade do ganho é maior que a capacidade de ser melhor. É muito comum que haja nas corporações um limite de crescimento, necessário, certamente, mas quando se trata de limites, trabalhamos com os dois lados do pêndulo, onde um que pode mais excede o peso da mão sobre o que pode menos, e assim, castra a iluminação das ideias, que seriam mais que ideias, se administradas em lugar de serem castradas. Isso que é o gestor incapaz de ter ao seu lado mentes brilhantes, porque vê-se ele próprio emasculado diante dos demais, e sua natural reação será a de fazer silenciar o invasor de ideias.

A caneta tem o poder de fazer um Ministro, um Secretário, um Chefe de seção, mas nenhum poder tem sobre uma mente iluminada, a não ser de apagar seu brilho pelo constrangimento, pela coação, pela ameaça, ou ainda pior, pelo cumprimento destas ameaças.

Minha utopia não é viver em um mundo onde os dias sejam ensolarados com uma brisa constante, ou as noites enluaradas, com o frescor dos perfumes do campo, mas um lugar e em um tempo onde a luz seja usada para mostrar o brilho de seu entorno, e a escuridão seja para aquietar corações, apenas aquietar corações. Minha utopia se estende ao poder público, mas também a cada pessoa que tem diante de si outra pessoa que pense diferente e seja capaz de expressar-se sem medo de que a ambição desmedida do outro o faça calar a alma definitivamente.

O belo que precisa de um feio para sentir-se mais belo, não teria coragem de olhar-se no espelho, pois correria o risco de desejar sua própria companhia, ao descobrir-se mais feio do que realmente pensa que é.

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Ninguém precisa de heróis. O que todos precisam é SEREM heróis!


Eu não preciso de heróis. Eu preciso é SER herói. Todos os dias. Preciso dar bons exemplos para os meus filhos, todos os três. Meus netos, todos os quatro. Ser generoso com os necessitados, paciente com os chatos, assíduo com meus compromissos, fiel aos meus princípios, e praticar inconscientemente, sem pensar em retorno, em todas as demais virtudes que deveriam ser naturais a todo Ser Humano. Isso é ser herói.
Não tenho heróis, porque heróis matam e heróis morrem. Não quero matar, e não preciso facilitar minha morte. Não preciso cultuar heroísmo nos outros, para não comprometer o meu próprio heroísmo em sobreviver e participar da sobrevivência de outrem. Então, meus heróis não pendem para a direita nem para a esquerda, nem tampouco ficam se esgueirando pelas metades de cada lado. Meus heróis são valores e não pessoas. Então, sendo assim, nem eu mesmo posso ser herói, mas posso aflorar heróis em minha conduta. É assim que penso demonstrar heroísmo aos que isso esperam de mim.

sábado, 1 de setembro de 2018

Apolônio Lacerda - Um entardecer no Bassorão, com Revirado de Cuscuz


Pous pensem naquele dia cinzento, domingo lá pelo meio da tarde, o bolicho fechado, não fazendo frio nem calor, e uma ameaça de chuva se avizinhando. Pense que as reses já estavam guardadas, a lenha empilhada, cavacos picados para acender o fogo, logo mais, ao chegar da noite, e a cachorrada já se enroscava debaixo do rancho, lambendo as sarnas e a pingola, não necessariamente nessa ordem, enquanto os gatos vadios já estavam aninhados sobre um pelego atrás do fogão, que, ainda que apagado, oferecia um confortável aconchego aos peludinhos do rancho.

A patroa viajara pra cidade, e Apolônio Lacerda, nesta tarde, solito, um taura que apreciava uma boa prosa e um mate com rapadura, olhava entediado para o horizonte, recostado na janela fechada por tampão de tábuas acinzentadas pelo tempo, procurando e esperando a sorte de ver alguma alma se achegando para dividir o mate. Em vão, Com o tempo enferruscado do jeito que estava, todas as almas do Cêrro do Bassorão, naquele momento faziam o mesmo. Nenhum indivíduo com são juízo teria disponibilidade para aventurar-se  pelas veredas da serra em véspera de temporal. Não mesmo. Asim, mascando um graveto, Apolônio aproveitava a solitude para espremer uns cravos do saco, côsa que devia ser feita com muita cautela. Mas até cravos tem limite, e logo o tédio avançava, e não teve outro jeito Apolônio, que não o de cuspir na cabela dum galo que passava no terreiro, e depois disso, escrafunchar no bolso em busca de um isqueiro de pederneira que levava sempre consigo.

Com três ou quatro batidas do toco de lima na pedra sílex, um faisquedo alumia o rancho, e logo um fogo bicharedo crepita nas grimpas do velho fogão de chapa. Apolônio alça mão na velha chaleira de ferro, e com uma caneca de porongo, enche a chaleira e leva ao fogo. Mexe no tição e ajeita as labaredas. Vai até à gamela no canto, passa a mão num naco de sabão, e num ato de coragem repentina, lava as mãos e as fuças, passa um pouco de água ensaboada nas melenas, e penteia os poucos cabelos brancos que ainda restam. O velho espelho emoldurado com dourado descascado serve de parceiro para uma prosa corriqueira, e olhando para si próprio, do outro lado do vidro, Apolônio faz uma murisqueta, e sorrindo, ri de si mesmo.

A chaleira chia, e Apolônio busca numa lata velha, a erva para o mate.Um toco de guampa serve de concha para abastecer a cuia com a erva amarga do rancho. Um tanto de água para cevar, um tanto de água para preencher a cuia, e aí entra a bomba de prata carcomida pelo tempo. Um gole, dois goles, e no terceiro gole, a expressão de satisfação. Acabou-se o tédio, acabou-se a solidão. O mate parceiro faz-lhe companhia, e juntos falam da vida.

Lá fora, o minuano geme, e uma saracura canta no banhado, anunciando chuva. O cusco responde erguendo a cabeça, mas logo volta a enroscar-se para escapar ao frio. As galinhas não ousam soltar um pio, mas até poderiam, porque do jeito que o tempo está, nenhuma raposa terá coragem de sair da toca. A fome pode esperar pro dia seguinte.

Apolônio vai até à janela, que está próxima ao fogão, agora quente, tomando seu mate, e olha pro lado de fora, no quintal, onde tem plantados uns pés de couve, umas verdurinhas, e umas ervas. Estica o pescoço virando de um lado a outro, e encontra os tempero que estava buscando. Toma mais dois goles de mate, e vai lá fora buscar os temperos. Volta, cantarolando, e começa a preparar o jantar. Uma frigideira pendurada na parede serve para o intento, e pouco a pouco, os ingredientes são jogados dentro dela.Um naco de charque bem picado,uns temperos, alho, salsinha, cebolinha verde, gordura, ovo, cebola, e o frito está pronto. Mais uns gols de mate, e com uma colher grande, coloca generosas porções de cuscuz que estava pronto, já aquentado, ali do lado, dentro daquela mistura de fritos, e mexe com delicadeza, movendo a colher pra lá e pra cá com maestria. E em pouco tempo, um revirado de cuscuz está pronto para a última refeição do dia. Ali do lado, um velho e amassado bule servirá para o preparo do chá de mate, feito com a mesma erva do chimarrão. Um tanto de tempo breve sobre a chapa  quente para dar uma tostatinha na erva, e a seguir, a velha chaleira preta divide sua água com a cambona, eum ferver espumante e perfumado anuncia o chá de mate que acompanhá a ceia do revirado de cuscuz.

O leite gordo da vaca "Manhosa", já fervido, deixa à mostra uma cobertura de uma camada grossa de nata, num ladinho do fogão, e Apolônio serve um caneco bem grande com aquele leite, pela metade do caneco, completado pelo chá de mate, e umas duas generosas colheres de açúcar amarelo, lá da venda do Barbosa. Um naco de pão guardado debaixo de um pano velho, sobre a mesa, é colocado à frente da frigideira de revirado de cuscuz, acompanhado por uma tigela de marmelada e outro naco de queijo gordo. Está servida a refeição.

Apolônio assenta-se à mesa, e reza um agradecimento pelas goloseimas. Pede proteção para a patroa que está fora, para as reses guardadas, as galinhas, o cusco e até o gato. Pede pela saúde de Carsulina, sua velha amiga, e por fim, lembra de si próprio no finalzinho da reza. A chuva desaba lá fora.O fogo crepita e cantarola no velho fogão. A mesa está servida, e Apolônio come descansado o seu quinhão de quitutes. É um homem rico. Não há de querer mais que isso nesta vida. É tudo que ele precisa para ser feliz. Depois disso, a noite, o catre, e o sono dos justos.


segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Deus vota? O que minha avó diria sobre isso



Vamos partir da premissa que meus leitores creem e tenham fé em Deus, pois não tenho a menor intenção de tentar provar a existência do Criador do Universo. Porém, seja você crente ou ateu, o escopo desta reflexão está mais ligado à ética do que à Teologia. Mas voltemos aos leitores crentes, especialmente aos leitores crentes na intervenção divina nas coisas do dia a dia, na ação dos pequeninos milagres, e sobretudo, na resposta de nossas orações, nos momentos de angústia, de aperto, de busca de soluções divinas, até mesmo naquelas soluções onde a intervenção do Eterno possa ser menos percebida.

Orar é uma necessidade e uma oportunidade que temos de nos conectarmos com o Altíssimo, isso todos os que creem, creem assim. O que parecem outros não saber é como podem ser recebidas e atendidas algumas destas orações, destas petições. O caso aqui é o voto, mas ainda na continuidade do tema anterior, as disputas. Será que Deus vai atender nossas orações em toda e qualquer circunstância? Partindo do entendimento que Deus não É surdo ou insensível às nossas preocupações, quero analisar as circunstâncias onde orar pode tornar-se uma atitude inócua, irreverente, e até mesmo estranha ao entendimento de que O Criador possa parecer injusto.

Quando jovem, fui candidato ao cargo de presidente do grêmio estudantil, e como tal, dediquei-me à campanha, argumentando de sala em sala ou pelos corredores da escola, das razões porque deveriam votar em mim. Minha avó acompanhava meu entusiasmo, e sorria. Apenas sorria,mas não dizia nada. E minha avó foi uma mulher de oração. Orava duas vezes ao dia:antes do sol raiar pela manhã, e ao fim do crepúsculo, à noitinha, sem levar em conta que orava continuamente com louvor e ações de benemerência. Mas sobre dar um empurrãozinho em minha campanha pelo método dos joelhos dobrados, nada. Nenhuma palavra. E mesmo assim, venci a eleição, com larga margem de votos, e ao chegar à casa, eufórico,contei à ela do resultado. Ela deu mais um largo sorriso, de alívio, e disse: "Bem, meu filho, agora eu posso orar por você, para que sejas um bom líder!".

Guardei, por ter entendido imediatamente suas palavras. Minha avó ensinou-me a orar por sabedoria, saúde, dignidade, fé, temperança, alimento, abrigo, proteção, saúde, e principalmente por paz. Mas jamais orou pedindo que O Altíssimo desse um empurrão no goleiro para o lado oposto da rede, e nosso time, o Grêmio ou a Seleção Brasileira, fizesse aquele gol que gostaríamos de ver. Jamais vi ou ouvi minha avó orar pela vitória deste ou daquele candidato, ainda que tivesse alguma simpatia pelos mesmos.Orava sim, mas orava para que houvesse paz e equilíbrio durante a campanha. Orava para que todos os candidatos fossem inspirados e iluminados, para representar seus eleitores, fossem eles eleitos ou não. Minha avó jamais fez promessa para que este ou aquele vencesse isso ou aquilo, até porque ela sempre acreditou que com Deus não se negocia. Com Deus não há artimanhas, e muito menos serve O Eterno como "cabo eleitoral" de quem quer que seja, por mais bem intencionado que seja o candidato.

Assim, de chofre, até parece que sou descrente da intenção de minha avó em buscar proteção e apoio ao candidato que nutria sua simpatia. Não sou, e muito menos era minha avó, Maria Elisa. Sua lógica era sábia, porque ela orava pelo candidato em sua vida espiritual, e que sua eventual vitória ou derrota pudesse servir de crescimento espiritual, enquanto indivíduo, enquanto cidadão. Minha avó não era uma "Maria-vai-com-as-outras" em questões políticas.Não mesmo. Ela tinha opinião e sabia de quem gostava, ou de quem queria manter distância, porém, orava por todos, e deixava que Deus agisse de acordo com Sua vontade (a vontade de Deus), e não pela muito provável condição de erro a que são submetidos os eleitores de muitos, sendo ela própria uma destas eleitoras. Minha avó jamais pediu que Deus desse vitória, nem mesmo ao seu neto querido, no caso eu, mas que a eleição fosse conduzida com sabedoria e justiça.

Maria Elisa, minha velha e sábia avó, acreditava na volta de Jesus para muito breve, e acreditava que ela própria, ainda em vida, participaria deste momento tão solene, porém, em momento algum pediu para estar viva para esperar o acontecimento, mas confiava que O Eterno guardaria seu tesouro até que o momento tão desejado viesse a termo. Minha avó, Maria Elisa, resolveu tirar uma sonequinha aos noventa e cinco anos, e dorme desde então, há mais de uma década, esperando ainda, que Jesus volte. Entendeu sempre, que Deus deu ao Homem determinação, vontade própria, para fazer suas escolhas, e acreditava que o Homem havia sido criado à Sua imagem e semelhança, isto é, com livre arbítrio, assim também Deus Se permite a liberdade para escolher a quem colocar no poder,ou a hora em que O Messias virá, sem estar sujeito à pressões de quem nada entende do desconhecido.

Minha avó me ensinou a entender que orar pela vitória do meu clube, ou de meu candidato, ou ainda por ganhar na loteria, pode tornar-se até mesmo uma blasfêmia, considerando que quando entram em campo, os dois clubes oram com a mesma fé. Quando entram no front, também oram pela vitória, os combatentes dos dois lados. Quando se encontram nas urnas, oram pela vitória os eleitores e os candidatos de todos os lados. A disputa então começa nas igrejas e termina no foguetório nos ouvidos dos cachorros dos vencidos, porque antes, cordeiros e cordatos, imploram pela misericórdia de Deus para seu pleito, mas uma vez vencedores, tripudiam sobre os despojos dos vencidos.

Eu vou continuar orando para que Deus dê serenidade aos eleitores, dignidade aos candidatos, e paz à nação. E penso muito na oportunidade de apresentar minha avó à vocês, no dia da ressurreição. Não posso mais orar por ela, pois seus dias expiraram, e ela já se encontra inscrita em um dos livros do Céu, e de lá não tenho como mudar, mas posso orar para que cada um que me lê e reflete em minhas palavras, tenha a oportunidade de abraçar Maria Elisa, mas isso não depende de mim, senão o pedido contínuo de inspiração divina aos governantes depois de eleitos, e de minha colaboração com as autoridades, uma vez que são elas ali colocadas por Deus. Mesmo que ninguém tenha orado por elas. De minha parte,vou orar para que tenhamos serenidade para discernir o podre do contaminado, e que nosso voto seja capaz de escolher aquele que dará aos nossos filhos e netos a possibilidade de também continuarem votando e orando. Parece pouco, mas é muito para quem crê.

domingo, 12 de agosto de 2018

O Bom ou O Melhor - A Anatomia do Bullying


O Bom e o Melhor - A Anatomia do Bulying

Paulo Cardoso* (Palestrante)

Desde menino, talvez pela minha origem pobre e desprovido de pai, mirradinho, fracote, e sem nenhum tipo de talento comum, de natureza  atlética, ou intelectual, aprendi às duras penas, a suportar fracassos continuados, e deles recolher restos de esperança, somados com pequenos atos de generosidade alheia, e desta amálgama de sobrevivência, a construir meus castelos, onde eu era rei, o rei de mim mesmo, e talvez de um reino onde os súditos não tinham nomes. Uns, apareciam em meus sonhos de menino, com rostos de amigos, a quem, em minha generosidade, os havia transformado em nobres. Outros, os meus inimigos, os malvados da vila, eram para meu reino, os vilões, com quem eu batia espada, e sempre os derrotava. Eram trancafiados nas masmorras, e impiedosamente eram submetidos a humilhações, como carregar meus livros, amarrar meus sapatos, ou dividirem suas saborosas merendas com outros súditos, também humilhados como eu era, nos momentos de lucidez, quando não era rei de lugar algum.

Por não ter conhecido meu pai, e na condição de "homem", ainda que com sete ou oito anos de idade, eu não poderia sobrecarregar minha mãe e minha avó com meus pequenos problemas de menino. Desta forma, eu tinha que transformar-me em pai de mim mesmo, para defender a honra da família, isto é,salvar meu couro das surras que tomava dos malvados que moravam perto de mim.

Aprendi também que para pertencer a algum grupo, e caso não tenha sido você mesmo, o mentor, fundador, autor, e presidente deste grupo, você não é nada, ou menos que nada,  mas ainda assim, você tem uma chance de participar daquele grupo, contanto que seja público e notório que você cumpra todas as regras de ingresso e permanência lá dentro da fraternidade do mal. Mas você é forte, e como uma pessoa vencedora e decidida, regras lá fora não interessam mais para que você possa subir no conceito dos malvados. Pescoços de amigos, familiares, e quem quer que seja que cruze seu caminho, tornam-se escadas, degraus, tapetes e alcatifas. Agora você tem a oportunidade de não só entrar no novo grupo, como também vê a chance de crescer ali dentro, de ser importante, de ser chamado pelo nome, e um dia, quem sabe, ser você mesmo o supremos comandante daquele grupo. Você vê a oportunidade de sobrepujar seus medos e seus adversários, e passar da condição de dominado a dominador, porque você está decidido a tornar-se o melhor, o mais ágil, o mais inteligente, o campeão. É aqui que pega a coisa então. Tornar-se campeão.

Somos doutrinados, desde muito pequenos, a conquistarmos nossos prazeres através de disputas. Precisamos, diante da sociedade, da família, dos amigos, e principalmente dos desafetos, provar nossa superioridade, em tudo. Todos os caminhos que nos esperam, não nos querem como segundos colocados. Querem sempre o primeiro, o maior, o melhor, o mais forte, o mais hábil, o mais belo, e até mesmo o mais calado. Mas sempre será o mais. Sempre seremos aquele "mais" desejado, porque também nós temos em nosso íntimo particular que ser o maior, o melhor, é algo natural. Foi neste modelo que o Naturalista Fritz Kahn, seguido por Darwin, decidiu demonstrar que na Natureza, o mais forte é o que vai sobreviver, e assim Darwin desconstruiu o modelo criacionista,onde todos tem o mesmo privilégio, para estabelecer neste lugar, aquele que seja capaz de pisar melhor, de esmagar com mais força, de chegar na frente, e de demonstrar que compaixão e piedade, humildade, serenidade, são apenas demonstrações de fraqueza dos incapazes.

Meus filhos jamais receberam de mim qualquer motivação para disputas inúteis. Jamais motivei qualquer um deles a tornar-se desportista, atleta, ou perseguir títulos que enaltecem apenas o ego, e ainda que a prática de esportes seja saudável para a mente, para a cooperação, para a saúde, e para o companheirismo, sou levado a pensar que ações solidárias em reconstruir uma casa derrubada pela chuva em áreas desfavorecidas, ou transportar alimentos para um asilo, brinquedos para um orfanato, abrigos para os moradores de rua, sejam oportunidades ímpares de aproximação de pessoas com interesses comuns. Sempre entendi que subir o morro para levar comida às viúvas e os desamparados, seja um exercício tão eficaz ou até melhor, do que passar noventa minutos correndo atrás de uma bola, embora eu saiba que o prazer não será o mesmo, tenho que admitir. Subir o morro é muito melhor.

Vejo com tristeza que nem mesmo as igrejas escapam desta tragédia humana chamada "disputa". Não escapam os seus pastores ou seus missionários, da perspectiva de "levarem mais almas à Jesus", conquistarem mais adeptos para suas igrejas, alcançarem mais ofertas para as obras sociais, ou buscarem o patamar mais alto na escala de humildade. Quanto paradoxo!Vejo com decepção pela oportunidade que perdem na formação do bom caráter nos pequeninos, os professores que promovem jogos, ainda que educativos; com os educadores que promovem disputas e oferecem premiações e pontos, favores, benefícios, àqueles que tirarem as melhores notas, aos que se destacarem nas tarefas, ainda que muitos se esforcem, mas não logram êxito, uma vez que cada pessoa tem percepção e capacidade cognitiva diferente. Uns são hábeis em aritmética, enquanto outros desempenham satisfatoriamente as artes. Vejo assim, com preocupação, a transformação das pessoas em "boas" nisso, "boas" naquilo, enquanto que todos querem apenas aprender, entender, e depois fazer aquilo que foram contratadas por seu conhecimento.

Ser bom, é desejável. Ser ainda melhor, é alcançável por todos, mas ser "o bom", ou "o melhor", é uma façanha que exige mais que esforço, e em muitos casos, dobra e quebra em pedaços a própria ética durante a formação do caráter. Esta é a anatomia do Bulying: Ultrapassar o outro, mesmo que dentro das regras. Eu passo essa. Não preciso ser o melhor, nem melhor que ninguém. Preciso apenas ser melhor do que eu mesmo fui ontem, e amanhã, do que sou hoje. O que passar disso, não vem de Deus.

quarta-feira, 21 de março de 2018

Entre nós e o mar



Eu moro num lugar privilegiado,aliás sempre morei, e até mesmo nasci num lugar assim, pois só o fato de ter nascido na Serra do Pinhão, na costa do Rio das Antas, e sair de lá vivo, já foi um privilégio imensurável. Pois é assim que é.  Não suficiente em morar em um lugar com tantas belezas, O Altíssimo estendeu sobre mim a generosa possibilidade de instalar minha pequenina e quase insignificante empresa, o meu empório, no alto de um edifício, no sétimo andar, que tem uma vista privilegiada e reflexiva. Privilegiada, porque tenho um raio de visão de cento e oitenta graus de uma parte central de Florianópolis,tendo em minha tevê de mil polegadas uma vista impressionante deste panorama. Daqui vejo, ao mesmo tempo, além do cemitério, o maior mangue urbano do mundo, o moro das tevês, o bairro da Agronômica e por fim, o mar.

Embora a foto de capa desta reflexão mostre a imagem, quero descrever um pouco daquilo que a imagem mostra dentro do que não mostra, mas faz-me pensar: a vida, a morte e as recompensas. A partir de minha janela,em primeiro plano, avisto o maior cemitério de Santa Catarina, o cemitério do Itacorubi, que parece uma cidade planejada vista do alto, e nas entrelinhas,  não deixa de ser, pois nos cemitérios, especialmente aqueles históricos, mais antigos e imponentes, é  possível reconstruir-se todas as etapas da história da arquitetura e dos costumes religiosos de um povo. Cada lápide conta uma vida,  e em cada rosto na porcelana pequenina fixada sobre a tumba, há  um olhar que busca o infinito, a eternidade, uma resposta silenciosa. 

O cenário a seguir é a recompensa pelo preço de examinar a morte antes de aportar à vida,as montanhas, a cidade, e o mar. Isso faz-me lembrar Jerusalém, onde, olhando em direção ao Monte das Oliveiras, há dois cemitérios: Um cemitério árabe, junto dos muros da cidade, escorrendo pelo vale do Cédron, assim descrito pela Wikipedia:

"O Vale do Cédron (em hebraico: נחל קדרון, em árabe: وادي الجز, "escuro") é um vale próximo de Jerusalém, descrito pela Bíblia como tendo grande significado. Também é chamado de Vale da Torrente do Cédron, devido a um fluxo continuo de correntes de águas por ocasião de enchente repentina nos meses de inverno chuvosos. Atualmente o nome dado à sua parte inferior, Uádi en-Nar ou Wadi al-Joz ("uádide fogo"), indica que é quente e seco na maior parte do tempo.

O Vale do Cédron se estende ao longo do muro oriental de Jerusalém, separando o Monte de Templo do Monte das Oliveiras. Continua ao leste pelo Deserto da Judeia, em direção ao Mar Morto. O assentamento israelense de Kedar está situado num cume sobre o vale. O bairro de Wadi al-Joz recebe o nome de árabe do vale.
O Vale é o local de muitos túmulos judaicos, inclusive o Pilar de Absalão, a tumba de Bene Hezir, e o Túmulo de Zacarias. Certa vez, a água da Fonte de Giom fluiu pelo vale, mas foi desviada pelo Túnel de Ezequias para prover água a Jerusalém. Atualmente permanece sem água mesmo no inverno."

Por que escolhi estas duas imagens para esse ensaio? Porque há um modelo de pensamento a ser construído dentro desta geografia, aparentemente sinistra, lembrando que se do lado da cidade, escorre, como disse, o cemitério árabe, descendo até o vale, já espelhado, subindo pelo Monte das Oliveiras, há outro grande cemitério, este do povo judeu. Então, se estivermos do lado do Monte das Oliveiras, olhando em direção à Cidade Santa,  assim como aqui, estando de minha janela, a olhar para as montanhas, a cidade e o mar, antes tenho que ver as pedras lapidadas e polidas daqueles que se encontram no meio do caminho. Esta visão faz-me lembrar que para chegar ao êxito, antes devo lembrar que no meio do caminho sempre existe a possibilidade do fracasso, uma vez que a morte foi o grande fracasso do Homem desde a sua criação. Percebo que para chegar a Jerusalém, que é o símbolo da promessa de vida, o caminho da morte está à minha espera, e devo atravessá-lo,mas como fazê-lo, sem perder-me no emaranhado sinistro que me separa do meu objetivo? 

A resposta é unica para todos os casos: Andando pelo caminho que corta a morte ao meio e encurta a distância à vida.  Compreendendo as palavras do Messias, que, olhando para Jerusalém disse que era O caminho, a Verdade e A Vida. Da morte para a vida há um único caminho chamado verdade, ao passo que da vida para o vazio há um largo campo chamado morte. Ainda assim, não há problema algum em contemplar este campo, na certeza que ele é apenas um obstáculo, mas que há um mar, uma montanha, uma cidade e uma Jerusalém para nos receber depois da jornada.
Shalom

A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...