sexta-feira, 22 de maio de 2020

Terezo, o perereco e o Manticora assado (Conto)





Pous nem a efeméride do cometa que alumiou os céus(creio que todos seis, pelo menos, pois o sétimo está reservado aos santos, é o que diz o livro santo), seria capaz de demover Aristeu, o abilolado, de correr pelado, aos berros, nas frias noites de lua cheia do outono, cantarolando versos que aprendeu dos menestréis, os  que passavam pela taberna de Terezo, o apedeuta juramentício. Eram estes mesmos cancioneiros quem assustavam os bacuris medonhos, descrevendo os Manticoras que desciam dos morros, se enfiavam nos açudes cheios de aguapés, para devorarem o tico dos piazotes que ia nadar pelados nos açudes. Durante o dia ficavam lá, disfarçados de Chamichungas. Dava no mesmo. E os piazotes raspavam dali o quanto antes. Tinham muito medo.
Os menestréis se riam a se mijarem, da ignorância dos bacuris.
Continua após a publicidade


-Te aligéra, apedeuta! - Gritava o budeguêro, dando um chascoasso com o pano sobre o balcão, para espantar um bando de moscas que chupava o resto da cachaça deitada pro santo.

- Não sou apedeuta! - Berrava Terezo. Nem sei o que isso qué dizê, bocó!

Um quiproquó com o velho Brazulengo o deixara intolerante às pagodeiras dos moços, o que lhe valera a alcunha de "Aristeu, o pé xujo". Chamavam ele assim, por causa dos pés sempre macucados, empiriricados, que no chulo linguajar povoeiro de antanho, era o vulgo "macuco" (sujeira enrustida) sabe? 

Reza o dito do povo que também não alimpava a bunda, mas isso já ninguém pode dizer ao certo, posto que não examinaram o ambiente

Pois é. Seria um bom sujeito, não fosse a mania esdrúxula de cavucar o nariz e esfregar, sorrateiramente no pescoço alheio. Ninguém chegava perto dele, com medo de encontrar casquinhas no cangote. Gente ruim era ali mesmo. Pois sim!

Terezo costumava chamar os amigos de "Perereco". isso mesmo! No pejorativo mesmo.

No inicio era engraçado, mas com o tempo, foi aborrecendo as pessoas e acabou tomando sobre si o apelido que dava a outrem. Ficou: Terezo, o Perereco. 

Matilda, resultado de um matrimônio arranjado pela casamenteira do arrabalde (o traste conseguiu arrumar uma mulher pra casar, isto é, arrumaram pra ele, dá pra acreditar nisso? Pois conseguiu mesmo?), berrava seu nome e apelido por inteiro, quando desconfiava que ele estivesse enfurnado na budega do Nicolau. Aí ela berrava mesmo:

- Terezoooo!!! Pererecooo!!!! Quantas vezes eu te falei que  não quero saber de ti, enfurnado nesse furdunço de cachaceiros?

Perereco só levantava um olho, mirava o "martelinho" de pinga, deitava um certo tantico pro santo, lambia os dedos, fazia o sinal da cruz, associado a mais alguns salamaleques, e bebia tudo num gole só. Arregalava o olho, piscava duas vezes, e esticava o copo pro budeguêro encher novamente.

- Não bebeu que chega, Terezo? 

-Óia que tua muié é braba, e hoje tá guspindo fogo pelas venta!

- Tô te devendo? - Emendava o Perereco com olhar desafiador, meio que levando a mão à faca.

-  Nem dava de me dever, jaguara! Teu crédito morreu junto com o último fiado que tu me pediu, faiz trêis anos já! 

E essa daí, tu só ta bebendo, porque tou com pena de ti. Mas é a última. Bebe, e toca pra casa! E já carcula o tamanho da sova que vai levar da Matilda. Se tem alguém com direito de te surrar, é a Matilda.

Perereco se foi, catando pinto (cambaleando), gambá, até chegar no rancho, onde Matilda mexia uma panela de angu.

- Muié! É hoje! - Disse Terezo, tentando fechar a bragueta, da última mijada, metade nas calças, metade na mão. É hoje que eu pego de jeito aquela capivara sarnenta!

- Tu armou a aripuca direito? Da última vez, ela mascou a couve, cagou no barbante, e ainda mijou no aramado da gaiola. Fêiz pagodêra de tu.

-Desta vez, enleei bem e cavoquei mais fundo o buraco!

_ Tu não dá conta nem de armar ratoeira, bobaião!

- Não me amole, véia imbizugada. Dou conta do Capincho sem tua opinião.

- Eita, que bebeu "água-do-cu-lavado" o sujeito. Sai ali e vai secar o mijo no sol, pra ver se melhora.
“Bebe água do cu lavado que te livra do mau-olhado”! - Emendava terezo, dando gaitada.

Terezo ergueu, sorrateiramente o vestidão da muié, meteu-lhe uma palmada no "recavém quaje prateado", de tão branco, e saiu correndo, rindo, fugindo das vassouradas.

Perereco era foiceador, e volta e meia, era chamado para um roçado aqui e ali. Pouco, pois sua fama de molengão e tapado precedia as oportunidades de trabalho, mas como a mão de obra era escassa, ainda encontrava algo por fazer pela redondeza. Numa dessas, "Nérço da Farofa" mandou um recado, por "Doralice do Talarico", de que tinha umas braça de capoeira pra serem roçadas, perto do rancho, onde brincavam os piás, e de vez em quando, apareciam cobras, colocando em risco as brincadeiras do "criancedo". Então, Terezo poderia ser útil à tarefa.

- Terezo! Vá lá carpir o lote, causo das cobra não mordê os piá, mas cuida que lá tem manticora que pica os bobaião, então cuida pra que não te piquem.

Terezo foi. Meia hora contadinha se passou, e voltou afobado:

- Seu Nérço! Seu Nérço!
- Que foi, istorvo?
- Seu Nérço, lá tem manticora!
- Pois eu sei istorvo. Foi pra isso que te justei, bobaião! Volte a vá carpir, e se cuida cos manticora, bocó!

Terezo foi. Mas não deu meia hora contadinha, de novo, e voltou aos berros:

- Seu Nérço! Seu Nérço! Lá no brejo tem manticora!
- E eu não te falei que lá tem manticora? Deixa de vadiagem e volta a carpir, coió!
Terezo foi a passo largo, segurando o chapéu com uma mão, e as calças, que caíam, amarradas com um barbante, com a outra.
Olha lá de novo a meia hora, e Terezo de volta, aos berros:

- Seu Nérço! Seu Nérçooo! Lá no brejo tem manticora!

- Mas e não é de que dá vontade de te dar uma sumanta de laço, jaguara? Eu sei que lá no mato de Manticora, pamonha! Não te avisei pra tomar cuidado com eles?
- É seu Nerço, mas o Manticora me mordeu o tico. De novo!
- Manticora não existe, Perereco! Eu só tava de pagodêra que era pra tu te aligeirar, bobaião. Vorta pra lida.

Perereco foi.

Ao fim do dia, o budeguêro foi lá fiscalizar a justada, e encontrou Perereco incuidinho, fumando um paiêro, enquanto cuidava do braseiro onde assava um quarto de Manticora. Taiô um naco, esticou pro patrão e perguntou:
- Servido, patrão? Isprementa aqui um táio de manticora. Eu tirei as catinguinha e é só cumê. Eita bicho bem bão!
- Vou querer uma coxinha, passe o sal, fazendo a gentileza!


Postíbulum scriptorium: Existe um erro proposital no texto. E não é o linguajar rebuscado. Descubra e comente*




quinta-feira, 21 de maio de 2020

Fantasy 2020, by Pacard - Acrílico sobre tela, tamanho 50x60cm



Fantasy 2020, by Pacard
Acrílico sobre tela, tamanho 50x60cm
Acrylic on canvas, size 50x60cm


Escrevi, há uns dias atrás, que a arte não depende da vontade do governo para transformar o mundo.
Também, digo agora, que, transformar o mundo, não é tarefa da arte, muito menos do artista.
A arte é apenas a compreensão do mundo, interior ou exterior, acerca daquilo que nos move: a vida!
Vivemos dias de pitoresca natureza, ansiosos, cansativos, entediantes, expectantes, e solenes, porque somos a caça que foge do caçador invisível: a morte!

Fantasy é a expressão por técnicas mistas, onde mesclamos o embaraço dos sentidos, o confuso dos medos, o colorido da espera, e o silêncio dos vazios. Ansiamos pelas cores, mas nossos olhos se fecham e não as percebemos. Ansiamos pelo bailado da liberdade, mas somos prisioneiros do medo. Nossos lábios se tornaram impuros, mais aina são os nossos lábios. Nosso olhar se fechou para o mundo, e abriu-se para nós mesmos.

Somos o vazio sem detalhes, que apenas de longe fazem sentido. Somos a vida presa pela muralha em forma de véu que cobre nossas palavras. Somos as perguntas que flutuam sobre as respostas que não virão. Somos a alegria calada. Somos a esperança que nos envolve. Somos sobreviventes.

A peste nos amordaçou para o mundo, mas a certeza de nossas incertezas é o mundo que guardamos para depois. Nossos olhos se fecharam, nossa boca foi calada, mas nossa alma continua livre.

Pacard


Quadro  à venda
Contatos: +55 58 999 61 1546

Translate

I wrote a few days ago that art does not depend on the government's will to transform the world.
Also, I say now, that transforming the world is not a task for art, much less for the artist.

Art is just the understanding of the world, inside or outside, about what moves us: life!

We live days of picturesque nature, anxious, tiring, boring, expectant, and solemn, because we are the hunt that flees from the invisible hunter: death!

Fantasy is the expression by mixed techniques, where we mix the embarrassment of the senses, the confusion of fears, the color of waiting, and the silence of voids. We yearn for colors, but our eyes close and we don't notice them. We long for the ballet of freedom, but we are prisoners of fear. Our lips have become unclean, the more our lips are. Our gaze was closed to the world, and opened to ourselves.

We are the void without details, which only make sense from afar. We are life trapped by the veil-like wall that covers our words. We are the questions that float on the answers that will not come. We are the silent joy. We are the hope that surrounds us. We are survivors.

The plague has gagged us for the world, but the certainty of our uncertainties is the world we save for later. Our eyes have closed, our mouth has been shut, but our soul remains free.


Pacard

Frame for sale
Contacts: +55 58 999 61 1546

sexta-feira, 15 de maio de 2020

A Humanização dos bichos, e a desumanização das pessoas

...........



Imagem: Internet

Não sei se inventei um verbete, desumanizar, acho que não. De todo modo, penso que quando alguém perde os valores próprios da humanidade, diminui sua centelha divina, e torna-se irracional, mais até que os irracionais em si, os animais, pois estes, podem ser classificados apenas como dóceis, ou agressivos, de acordo com seu comportamento diante daquilo que percebem como ameaça, nada mais além disso.

Foram Ésquilo, e Esopo, quem, na antiguidade, criaram fábulas, onde nas quais inseriam comportamentos e falas, como se humanos fossem, não no sentido de enganar os incautos, mas de aproximar o comportamento destes, diante de fatos humanos, para que se pudesse comparar um e outro, por conta deste comportamento. Desta forma, várias culturas, associam o comportamento de seres humanos à forças da natureza, tais como: Feroz com um leão; rápido como o raio, ou manso como o regato que murmura. Não é incomum que pessoas sejam comparadas à animais, seja do modo pejorativo, ou de forma a exaltar virtudes, de um e de outro.

No Livro Santo, encontramos elogios, como: Leão de Judá, Judá é Leãozinho, ou adoçar uma poesia chamando a amada de "Gazela", e por este caminho seguem os modelos de sabedoria, forma, e demonstração de caráter. De outro modo também, pessoas traiçoeiras, más, são identificadas com serpentes, víboras, cães, chacais, e insetos, são mencionados como atributos de caráter de pessoas, boas ou ruins. Um cordeiro, um boi, um pombo, simbolizam O Messias.

Assim, os animais, desde o princípio da história contada do Ser Humano, pertencem ao imaginário do comportamento social, e não é de admirar que bem mais tarde, o iluminismo trouxe novamente as fábulas de Esopo, recontadas por La Fontaine, Irmãos Grimm, e Hans Christian Andersen, onde humanizam lobos, cisnes, patos e marrecos, mesclando-os com duendes e fada, bruxas, gigantes, gnomos, trolls, e outros seres fantásticos, humanizados em todo o seu potencial para comover ou aterrorizar crianças e adultos, muitas vezes. Mas seja duende, troll, fada boa ou má, fada madrinha ou fada do dente, sempre há a mescla com ratos que se tornam pajens, ou abóboras que viram carruagens, para uma princesa maltratada pela opressão de uma madrasta, isto é, uma interação humanizada entre pessoas, humanos, animais, e o sobrenatural, em um crescente ao longo das fábulas passadas de avó para netos, ora agregando costumes locais, ou fatos sociais, mas sempre os atributos e defeitos eram lançados sobre os bichos, para que não se caracterizasse ilação, denúncia social ou difamação contra autoridades. Isso foi assim por todos os tempos.

No século 20, com o advento e popularidade das películas de cinema, juntando com o negócio da arte integrada à política e comércio, os bichos tornam-se mais engraçadinhos, se movem nas telas, e em dado momento, começam a falar. Walt Disney percebeu que um camundongo que o importunava no estúdio, poderia ganhar inteligência humana, desenvolver ideias próprias e sedimentar o raciocínio, e nasce assim, o Mickey Mouse, um ratinho perspicaz, íntegro (para demonstrar o desejado padrão americano de justiça), e atrás dele todos os demais personagens, cada um com suas particularidades, características notáveis, ou simplórias, estúpidas, egoístas, falsas, ou generosas, e o mundo se curva à possibilidade de interagir com projeções ou estampas, que as façam rir, pensar, distrair-se, e administrar a vida sem a preocupação de que seja ou não natural que um pato more numa casa, seja estúpido, milionário, sortudo, ou apaixonado.

Paralelo ao Mickey, outro Walter, o Lantz, cria o debochado Pica-pau, esperto, ágil, encrenqueiro, e sempre sorridente. E assim, um a um dos animais americanos vão criando identidade, e definitivamente, os bichos vão sendo humanizados, até que da tela a vida salta para o cotidiano, onde cães e gatos, outrora denominados "bichinhos de estimação", ou "animais domésticos", tais como galinhas, vacas, e ovelhas, são agora adotados por pessoas solitárias, mal resolvidas no afeto humano, e que se antes eram chamadas de "donos", transformam-se em "tutores', isto é alguém, com maturidade para administrar a vida familiar de outro semelhante. Não é de surpreender este crescente da fábula e dos efeitos sobre o Ser Humano, onde o que era criatura torna-se também "à semelhança do Criador", de acordo com esta premissa, onde os "tutores" nada mais fazem do que trocar alguém de duas pernas lisas, por outro de quatro patas peludas, posto que sejam "mais confiáveis do que qualquer "outro humano".

A substituição do afeto por pessoas, leva também à troca da permissividade pela bestialidade, e já se veem lugares onde as leis contribuem para tal, como o "casamento" entre humanos e animais, legitimando a bestialidade, e banalizando a irracionalidade, onde tentam atribuir a monstruosidade da pedofilia, como, inicialmente, comportamento passível de tratamento médico, e não jurídico, designando como uma disfunção mental, e não uma aberração. E tudo isso, porque a lebre é mais veloz, mas a tartaruga é mais perspicaz e resiliente. Afinal, tudo é criado pelo mesmo D-s, então somos "todos irmãos", dizia o eremita Francisco de Assis. Assim, - afirmam alguns ideólogos do naturalismo sem fronteiras: comer um bife de boi é o mesmo que mastigar a orelha de um amigo", ou pior, da própria mãe, embora também diga-se que só há uma única mãe: a "Pachamama, ou Mãe-terra", e D-s? Que D-s, se todos somos deuses e que de nós depende a salvação do planeta?


A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...