domingo, 10 de fevereiro de 2019

As Formigas-Correição e a Nova Ordem



Nova Ordem,  pressupõe que eu vá falar de alguma teoria de conspiração, apoiar ou negar, ou ainda apresentar respostas que confortem e deem certezas para dúvidas que crepitam nas labaredas da angústia da realidade, ou então desmontar  tais ideias, alegando-as estapafúrdias e sem sentido. Não! Não farei uma coisa, nem outra, antes, desfiarei um novelo de acontecimentos que borbulham no coletivo da sociedade e das nações, e que diretamente atingem nossa felicidade e nosso modo de viver.

Falemos dos conceitos de Direita e Esquerda políticos, que não dividem o país e o mundo, apenas intensificam e decantam os sentimentos de um e outro lado, aflorando entre seus simpatizantes a oportunidade de extravasarem suas opiniões, e borbulharem no caldeirão das angústias que nos desperta todas as manhãs, e tornam-se o elixir energético que nos impulsiona a sobreviver, no mínimo que seja, os sentimentos adormecidos de um um e de outro lado, na mesma pessoa, o que leva-me a imaginar que não somos de Direita ou de Esquerda, mas tornamo-nos ora de um lado, ora de outro, não por nossas convicções, senão por nossas necessidades prementes. Somos volúveis e voláteis, e manifestamos essa inconstância de acordo com nosso bem estar intestinal, propondo, apoiando, ou promovendo uma revolução, sempre que tivermos dor de barriga. Aliás, estudos dizem que várias tragédias políticas, determinadas por reis sanguinários, foram dadas em momentos de extremo sofrimento do monarca. A "Noite de São Bartolomeu",por exemplo, por uma infecção dental do Rei (tardado) Carlos IX de França,um pau mandado de sua mãe Catarina de Médicis, que também não estava com a saúde intestinal bem regulada na ocasião. Assim, a classe média, sempre temerosa pela volta da pobreza, ou pela ânsia sem medida de alcançar a riqueza de modo acelerado, ao ver-se ameaçada em qualquer de suas fragilidades, revolta-se contra o governo, contra qualquer sistema de autoridade, e valendo-se dos recursos que tem, promove a tal revolução.

Nós estamos atravessando esta revolução, caso ainda não tenham percebido. Eu explico então. Vínhamos de um período onde era dedilhada a tecla da liberdade, da democracia, do autoritarismo dos militares, da inflação, da necessidade pelo crescimento econômico, e por muitos outros problemas e desafios que foram sendo apresentados, à medida que um e outro problema eram resolvidos. Vejamos assim: Os militares saíram do poder, mas havia inflação. A inflação acabou, aí veio a competição por posições internacionais. Subimos as posições, mas apareceu a violência urbana, primeiro, e depois ramificou-se para o interior. A violência se estabeleceu,mas apareceu a corrupção (irrompeu nos noticiários), e cresceu o ódio pelos corruptos, e então, agora sim, tínhamos razões para uma revolução, pois não se começa uma guerra sem inimigos visíveis. Não se atira, sem ver o branco do olho do inimigo, dizia uma orientação militar de combate, ou seja, não desperdice energia,munição e recursos, contra um inimigo que não possa ver para combater a céu aberto. Então, sim, então, o inimigo apareceu. Foram dados nomes e seus crimes, e foram julgados, e condenados, e assim, na defesa de um e de outro lado, porque nenhum corrupto é corrupto na solidão. Corrupção pressupõe no mínimo três personagens, onde um propõe roubar do outro, e o terceiro, se propõe a comprar o produto do roubo, e assim neste tripé do suborno, forma-se um cartel, uma quadrilha, um bando, uma gangue, e um  conjunto de gangues, forma um território e este território está infecto de coadjutores que tornam-se o braço ideológico da patifaria, até aqui então já institucionalizada, e quem ousar combatê-la, está se posicionando como anti-patriota, porque ai daquele que ousar apontar o dedo a uma destes membros  da realeza corrupta, assinará a si e aos seus, sentença de morte e expulsão do mundo dos favorecidos, e a má sorte servirá de cobertor para as frias noites nas escarpas do esquecimento.

Já de outro lado, ergue-se uma muralha humana de enfurecida turba, armada de paus, pedras e celulares, que se entregam ao combate da imoralidade, da corrupção, da violência, da pureza espiritual, da pureza ética, enfim, com a gana de fazer uma assepsia política e moral, promovendo o desentocamento e expurgo dos dominadores de antanho, trazendo à nação a Nova Ordem, onde tudo será perfeito, belo, moral, ético, e moralmente aceitável. Uma revolução necessária, que faz-me lembrar das formigas guerreiras vermelhas, ou "Formigas-Correição"*, aquelas formiguinhas que andam em colônias de dezenas de metros, limpando e desentocando tudo quanto é bicho até o tamanho de um rato, por onde passarem. Limpam tudo, fazem o mesmo que faz uma "Lava-jato" (desculpem o trocadilho, mas também serve), e sanitiza completamente os cantos escuros do jardim, por longo tempo. Assim, esta revolução, após estabelecida, instaura a sua "Nova Ordem", e esta "Nova Ordem" irá reger as normas de comportamento político, ético, social, administrativo, empreendedor, e perigosamente também, o religioso. Aqui minha mão começa a tremer, e podem surgir mais erros de digitação, pelo nervoso dos pensamentos que fervilham nas minhas lembranças, haja vista que sou um estudioso e observador dos acontecimentos, dando a um e outro polos de pensamento, oportunidade de que apresente razões para minha convicção a favor de um ou de outro lado.

Lembro que quando Collor foi eleito, e rapou a conta de todos, foi uma euforia inicial da turma do "quanto pior, melhor", que comparava-se aos milionários, pelo menos por alguns instantes. Ferrou com todos. Depois, quando Sarney decretou seu famigerado Plano, com a "Tablita" das URVs para deflação dos cheques pré-datados, foi uma euforia, e todos compravam de tudo, porque era proibido subir os preços. Ferrou todo mundo em 1987. Seguiram-se Plano Real, mas ainda com alguns resquícios de autoritarismo, e vieram as "Correições" vermelhas, arrasando tudo, limpando tudo, comendo tudo e todos, tocando terror em tudo, e nova mente outra revolução, onde a massa, que imaginava-se, havia pouco tempo antes, que fosse acéfala, como no episódio da greve dos caminhoneiros, que aparentemente não haviam lido "A Arte da Guerra", de Sun Tzu, e "O Príncipe", de Maquiavel, onde o segundo diz que primeiro o conquistador deve tomar um reino, e depois deve ocupá-lo, e Sun Tzu diz como fazer isso da melhor maneira, com menor número de baixas, e maior eficiência. Então,  não havia, nem no movimento dos caminhoneiros, nem no "Fora Dilma", uma liderança, um monarca, um herói, um nome a ser apresentado como o continuador da Nova Ordem. Então, foi nesse vazio, que surge alguém que fala a linguagem que a massa quer ouvir, ainda que seja eco de suas próprias palavras, e esta mesma massa fez toda a tarefa de fazer brotar o herói e o vilão, muito distintos entre si, e naturalmente, as viúvas do vilão, tratarão de desmerecer o herói, mas não tem coragem de atacar os revolucionários, oferecendo uma batalha curta e decisiva, onde aparentemente não prevalecerão as raízes daninhas das ervas arrancadas da lavoura da nova liberdade.

A Nova Ordem então está livre para ser a nova ordem de fato, pelo tempo a ela destinado, até que a história se repita, com a dor de barriga da vez. Meu receio não é pela Nova Ordem, mas pela falta de entendimento de seus adeptos egressos da velha ordem, que não perceberão a importância de fortalecer a democracia, os bons valores éticos, e não apenas uma troca de ódios, onde o ódio mais forte domina sobre o ódio mais fraco, e constrói novas modalidades de ódio, permitindo que em dado momento, doa a barriga de quem teve que se calar, ou mesmo de quem fez a revolução, mas não gostou do sabor do ódio trocando de mãos.





Formiga-correição, tauoca, tanoca ou taoca é a designação comum a cerca de 200 espécies formigas carnívoras, notórias por organizarem expedições periódicas de milhares de indivíduos. Não constroem colônias e têm um modo de vida em constante movimento. Algumas aves seguem regularmente essas expedições, aproveitando os insetos e outros pequenos animais que tentam escapar do ataque das formigas.

O grupo inclui espécies de diferentes subfamílias e diferentes linhagens filogenéticas que desenvolveram o mesmo comportamento de acordo com os princípios da evolução convergente. O termo formiga-correição, não corresponde, portanto, a nenhum taxon em particular dentro da família das formigas.


Contato para Palestras e Seminários: 48 999 61 1546

sábado, 9 de fevereiro de 2019

A Caminhada - Ensaio




Antigo adágio popular reza que "Água parada não move moinho", ou ainda, que "Pedra que rola não cria limo", e há também outro que diz que "Águas paradas são profundas". Enfim, se puxar pela memória, muitas serão as citações que fazem referência a movimento, ação, ou em contrário, estagnação, indecisão, inanição.



É próprio do Ser humano, o movimentar-se, e movimentar-se vai muito além de apenas mover-se aleatoriamente de um lugar a outro.  A movimentação consubstancia a amálgama (aqui redundei, mas paciência, velho é assim mesmo) de coisas e ideias, ambições, ou senso de participação no processo criativo infinito, ao qual fomos destinados desde a criação do mundo e dentro dele, buscarmos nosso cantinho ajeitado para a felicidade, aquela que nos faz parecer um esquilo correndo dentro de uma roda giratória diuturnamente, para esgotar as energias provida pelos ácidos graxos e sua rica alimentação de oleoginosas guloseimas, e não corresse ele dentro desta roda infinita, tornar-se ia gordo e obsoleto para sua natureza de esquilo. Assim, se a natureza do esquilo é comer e correr, a natureza do Homem, é caminhar e viver, e viver aqui é bem mais que comer e correr, porque sendo criado à imagem e semelhança do Criador, nossa natureza é criativa e construtiva, edificadora, propositiva, e insaciavelmente criativa.

Passamos a vida em uma caminhada rumo a um destino certo, mas escondido, e a única certeza que temos é em nossa crença de que entre nós e nosso destino, há um caminho a percorrer, e que se não nos movermos em direção à ele, certamente ele também não moverá uma palha para buscar-nos. Somos destinados a caminhar e caminhar sempre, e não há como acelerar o passo, porque o destino parece perceber nossa ânsia pelo fim, e afasta-se de nos lentamente, para que encontremos a celeridade de equilíbrio, sem rastejar nem tampouco correr. 

O destino não caminha a nossa jornada. Ele apenas nos espera, e nesta espera, não caminhamos de mãos vazias, mas carregamos um cesto, para coletarmos frutos pelo caminho, para a jornada incerta. Tal cesto não é demasiado grande, que não o  possamos suportar, nem tão pequeno, que pouco possa armazenar as benesses que levaremos até o ponto de chegada. Neste cesto, coletaremos frutas, que renderão outros frutos, uma vez que a finalidade não é chegarmos com os cestos abarrotados,mas acompanhados por aqueles com quem tenhamos dividido, compartilhado nossas frutas, sendo que tais companhias serão os frutos das frutas, e o fruto da jornada serão os  portais que nos esperam para o banquete final.

Nesta caminhada, encontraremos subidas e descidas, e não estaremos sós, antes, cruzaremos por muitos outros,com muitas outras cestas, umas cheias, outras vazias, uns tristes, outros alegres, uns afortunados, outros empobrecidos, e nas subidas mais íngremes e escarpadas, nossos cestos parecerão pesados, o que nos permitirá torná-los leves, distribuindo as frutas que coletamos, aos que coletaram menos que nós. Nesta subida, faz-se mister que subamos de cabeça baixa, para que, se necessário for descer para ajustar nossa rota, o façamos de cabeça erguida. Assim, de encontro em encontro, de fruta e fruto em fruto e fruta, perceberemos que a chegada é precedia por uma planície, e que flores e perfumes alcatifam nossos pés ao frescor das manhãs, e que perceberemos, em dado momento, não termos mais cestas em nossos braços o peso das cestas,mas o calor de outros braços que foram alimentados por nossas frutas. No destino da jornada,não levaremos mais nada, senão a nós mesmos, e aqueles com quem estivemos ao longo do caminho. De cabeça baixa ao subir, e levantada ao descer, pois o contrário disso nos faz perder o rumo da vida, o sentido da existência, e o premio tão desejado.




Contato para Seminários e Palestras
(48) 999 61 1546


sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Gauderino - Conto

Imagem relacionada

...
Imagem: internet


Gauderino assentava-se à soleira da porta do ranchinho, e ficava só bombeando o movimento dos transeuntes. Negaceava as nuvens e agourava o tempo. Levantava mecanicamente a chaleira preta para encher a cuia, e trocava de mão, "pous" era falta de respeito servir um mate pela mão canhota. Gauderino era pobre, mas guardador dos bons costumes, como devia de ser, sim senhor. Trocava de mão para servir a si mesmo, porque havia muito que não tinha mais ninguém para estender uma cuia.


Vivia só, ainda que cercado de vizinhos. O choupo em que vivia, há muito não estava mais perdido à léguas do povoado, porque o povoado havia buscado avizinhar-se com a maloca de Gauderino. Não mais acordava ao canto do galo, mas pelo alarido do povoedo que atirava pedras na cancela de telhas velhas de zinco, que separava seu ranchinho da ruela lamacenta e malcheirosa. Entre a cancela de zinco e o rancho, um carreirinho ladeado por brejo, e escondido entre as folhas do brejo, um e outro pé de couve, um chazinho pra gripe, e uma morangueira que se adonava do espaço, espargindo suas largas folhas agarradas às mangueiras de seu caule. Gauderino olhava para as mangueiras, tragava um gole, e viajava no lombo da saudade até a querência da infância, onde brincava com os canudinhos das morangueiras durante as chuvaradas de verão. Olhava os pés de couve espalhados, e tomava outros dois ou três goles.

Gauderino fora um habilidoso fazedor de coisas. Mexia com ferramentas, com madeiras, pregos enferrujados, e com graxa patente, aquela preta, que se passa em roda de carreta. Hoje, o velho já tem mãos trêmulas, que não firmam mais o martelo e o facão, para talhar um boizinho de figueira para os miúdos. Gauderino apenas caminha de um lado a outro, com a chaleira preta em uma mão, e a cuia com cor de cuia na outra, enchendo e tomando, enchendo e tomando, enchendo e suspirando. Gauderino dá a volta no rancho, e larga a chaleira num velho banco de pé em "V", para apanhar um graveto e espantar um guaipeca que cagava na moita de chá de Pariparóva.

-Te raspa daqui, cusco maleva! Eia-te que te capo e apincho os bago pros gato, animáli xujo!
O cusco esguia-se em curva, enfia o rabo no traseiro e sai ganindo umas palavras de desacato ao velho resinguento. Depois, tudo volta ao que era. A chaleira volta para a mão, e a cuia permanece na outra mão.

O galo canta cedo, mas nunca encontra Gauderino dormindo. Não senhor! Quem tem a solidão por parceira, não tem tempo nem vontade para dormir. Dormir é coisa de quem não vive de lembranças e precisa sonhar. Não senhor! Gauderino, assim como todos os solitários, não brincam com a insônia, pois é a única companheira de quem vive só. Ao menos, na noite escura, insônia e solidão se aparceiram, e abraçadas, esperam o alvorecer. O galo que cante quando quiser, mas galo tem mais o que fazer do que controlar a horas de dormir das pessoas. Gauderino pensa assim, sim senhor.

Gauderino tem um causo de vida, mas não gosta de comentar. Envolve apreço e bem querer, e isso é cousa pros mais moços. Um taura enrugado pela vida não tem tempo a perder com reminiscências de  feitos antigos que façam doer o coração. Não se mexe com os sentimentos da pessoa, e por isso preferia falar de feitos e peleias em guerras e revoluções de onde nunca chegou perto. E quem disse que é preciso terciar ferro numa justa para sentir o tinir do aço nas lembranças edificadas pela solidão? O fogo de chão e a trempe balançando a cambona do refestelo de logo mais são motivo suficiente para engendrar um causo, e do causo, razão para soltar uns gritos de entusiasmo ao falar de uma carreira em cancha reta, ou uma bebedeira e briga de faca num bolicho de lá adiante, por conta de umas percantas desbocadas. Assim, de causo em causo, de cuia em cuia, de olhar em olhar, de gritos de vizinhança, Gauderino devorteia o rancho á espera da morte, com quem pretende ainda tomar umas cuias, antes da derradeira mateada na querência do infinito.


Convites para mateadas, churrascadas, charlas e palestras, pelo zap: 48 999 61 1546. É só botar uns pilas na guaiaca que eu me bandeio pra prosa.


A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...