quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Sobre violência, Sofrimento e Perdão



Tenho um hábito que passei a cultivar há muitos anos atrás, e que aprendi lendo a Bíblia. O texto está em Efésios, 4:26-27 e diz assim:Mesmo em cólera, não pequeis. "Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento.Não deis lugar ao demônio".  Interessante ler o capítulo inteiro, porque não se trata de uma lição de religião apenas, mas um tratado de ética e de moral, e mais que isso, um conselho de psicanálise, onde mais que fazer cessar a discórdia e buscar a paz, o texto propõe uma interrupção daquilo que nos leva ao sofrimento em cadeia, contínuo.

O sofrimento contínuo pode ter uma causa externa (prisão, maus tratos, doença, de muitas maneiras, enfim), ou interno, isto é, aquilo que está dentro de minha alma, de meus pensamentos, de minhas atitudes, e que consequentemente poderia ser mais fácil de ser mudado. Mas não é, infelizmente. Mudar o mundo é  mais fácil do que mudar a nós mesmos, uma uma razão bastante simples: Os outros nós podemos ver, mas a nós é mais difícil, pois ainda que tenhamos  um espelho que mostra nossa aparência exterior, até mesmo ele nós procuramos enganar, maquiando e penteando, porque espelho só mostra a superfície mais insignificante de nós mesmos, mas não é capaz de desnudar o nosso caráter, uma vez que conseguimos mentir até mesmo para o espelho, até mesmo para nós próprios.

Quando Sócrates dizia que devemos conhecer a nós mesmos, estava dando combustível para que Paulo de Tarso propusesse aos Efésios que modificassem suas características sociais, mas além disso, que deixassem de sofrer. E quem é  que sofre? Sofre aquele que remói mágoas, que remexe podridão do passado, e que alimenta contendas. Sofre aquele que pensa estar fazendo justiça incitando vingança, porque enquanto tal "justiça" não  ocorre, ele continua sendo infeliz, e quando a vingança acontece, nunca será suficiente para saciar sua sede por sangue, e assim, aquilo que propõe reparar o erro de um, torna-se adubo para as ervas daninhas do ódio do outro.

Quando estamos diante de um malfeito de alguém e respondemos com incitação um malfeito pior,não é  o agressor quem sofre os danos, mas somos nós que apodrecemos e não percebemos. Quando propusemos que uma atrocidade seja saciada com outra atrocidade ainda maior, não estamos reparando o mal que já foi cometido, este irreparável, senão pelo Justo Juiz que julgará vivos e mortos no Dia do Juízo, e dará a cada um a sua paga, segundo o mal ou o bem de seu coração. Porém, aqui e agora, mal nenhum se repara com mal continuado por outro, ainda que se denomine justiceiro.

Quando disse que aprendi algo e aqui divido este aprendizado com você é que eu sou aquilo com o qual eu me alimento, e em minha vida não há prato que aceite alimento estragado. Não sou bom o suficiente, mas nem mau que não possa reparar meus erros, e nessa escada, de degrau em degrau, procuro subir, um por um, para tropeçar menos, não porque querer dizer que sou bom, mas para que o mal não diga a mim que sou aliado dele.

Resolver suas questões antes que os tribunais precisem interceder é garantia de sono tranquilo. Talvez não se curem os males do mundo,mas ao menos dorme-se em paz.

Perdoar não significa dar razão ao agressor, mas tirar o morto de nossas costas para que não apodreçamos junto. Quem nos fere e não se arrepende disso, é um cadáver espiritual e exala mau cheiro, especialmente enquanto estiver agarrado às nossas costas, por isso, libertá-lo é certeza de que podemos nos banhar no perfume do perdão, que nos deixa dormir em paz e acordar mais leves.


Mesmo em cólera, não pequeis. Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento.
Não deis lugar ao demônio.
Efésios 4:26,27
Mesmo em cólera, não pequeis. Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento.
Não deis lugar ao demônio.
Efésios 4:26,27

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Dpacard - Inteligência Criativa




Dpacard Inteligência Criativa é o nome Fantasia de minha empresa, até porque quem faz blog não vive de brisa. Quando eu anuncio, não é por vaidade nem pra me gabar do que eu faço, mas para dizer:Olha! Estou aqui!! Contratem meus serviços,porque vai ser bom pra sua empresa! Entendeu?  Não? então tá. Eu desenho!
















Porque o povo precisa de heróis - Capítulos da política de Gramado



Estudei vários títulos para a chamada deste comentário, e confesso que estou escrevendo já o artigo e ainda não decidi o que escrever, tamanha a variedade de possibilidades, em se tratando de falar de heróis dentro da política. Mas vou evitar mais atalhos e seguir direto ao ponto: PMDB, PP, PSBD e PDT em Gramado (tive solicitações para lembrar também do PT, então está lembrado, embora eu prefiro falar dos bons nomes deste Partido no município, e esquecer a sigla o mais rápido possível, tantas foras as vezes que fui maltratado pelos seus correligionários na esfera nacional, que prefiro jogá-los no claustro dos esquecidos e sugerir que procurem outra ideologia para trabalharem por sua cidade, embora do PDT de Gramado eu também não guardo boas lembranças, mas vamos caminhar pra frente que fica melhor).

O Ser Humano precisa de referências desde que nasce. Ainda sem enxergar direito, o bebê precisa ouvir a voz da mãe para saber que está seguro. Isso também ocorre com os animais. Todo ser vivo é gregário, isto é, necessita estar ligado a outro semelhante para sentir-se seguro e uma vez seguro, buscar a felicidade. Assim também ocorre com a política. Precisamos de heróis, de líderes, de referência, de ideologias e quem as abrace como causa para que também as abracemos como objetivo. Assim, só na sociedade anárquica ou utópica (que dá na mesma, pois ambas são intangíveis) é que ninguém é de ninguém e todos fazem o que é preciso de forma sincronizada sem um comando central. Nada mais estúpido achar que um corpo caminha sem pernas, que olhos vejam sem um cérebro para processar as imagens, ou que mãos trabalhem livres sem sincronismo dos braços ou de uma com a outra, ou que uma civilização possa crescer sem seus herois e pensadores. Não pode, assim como também uma comunidade não se posiciona se não souber em que direção deseja ir e não chegará a lugar algum sem que se organize para a jornada.

Quando D-s quis livrar Seu povo da escravidão, poderia ter enviado anjos ( e o fez, mas apenas para punir o Egito), mas escolheu um Homem. Quando o Rei de Portugal quis alargar suas fronteiras, não lhe bastavam navios para transpor os oceanos, porque para comandar estes navios eram necessários Homens. Quando há uma lavoura por plantar e colher, D-s envia a chuva e a luz do sol sobre a terra que também concedeu, mas são os braços de homens e mulheres quem lançam as sementes e segam a safra depois de madura.  Assim também neste modelo quero mostrar que um Partido não se faz sem filiados, que uma eleição não se vence sem candidatos, mas que na linha de frente, partido algum caminha sem ter alguém em que possa se espelhar e a quem seguir. Nenhuma campanha se faz sem um líder por quem se faça até mesmo sacrifícios por segui-lo, se este representar mais que seu próprio ego, mas um projeto de libertação, de desenvolvimento, de orgulho para quem o siga e que ocupe no panteão da história um lugar acima dos outros heróis. Assim é que se fazem os grandes lugares no mundo e é assim que se edificam as civilizações.

O PMDB de Gramado, que nada tem a ver com a mesma sigla no cenário nacional, está avançando com estratégia bem direcionada, e é inegável que é desta legião de devotos pela fidelidade e pela honradez dos compromissos os levaram a trabalhar silenciosamente até alcançarem a vitória nas eleições de 2016, mas que muito mais que isso, crescerão muito nos anos que os separam da próxima oportunidade de ocuparem a cadeira que, deste partido, pertenceu a Nelson Dinnebier, cuja ausência arrefeceu o espírito, mas que começam a resgatar na presença de um novo líder que desponta pacientemente, e fielmente em escudar seu parceiro do PDT, a quem prometeu acompanhar, apoiar e honrar o compromisso e a confiabilidade outorgadas pelo seu Partido. 

Cabe ao jovem Evandro Moschem a tarefa de resgatar o PMDB para o PMDB, assim como cabe a um dos postulantes de seu adversário, o PP, mostrar quem é digno de ocupar a cadeira que foi de Pedro Bertolucci, e aqui menciono Pedro, quando poderia igualar outros prefeitos da mesma bandeira desde que Gramado se fez independente, mas estou falando de carisma pessoal e não de registros eleitorais. Seja Nestor, duas vezes Prefeito, seja Ubiratã, três vezes o mais votado, Seja Luia Barbacovi, que tomou uma rasteira ao ser preterido para a cabeça de chapa, ou no mínimo vice de Pedro na campanha, ou seja ainda Jorge Drumm, que também silenciosamente promove o crescimento intelectual e estratégico do PSDB, todos eles, tem a oportunidade e a dura tarefa de resgatarem os heróis que o povo  busca para que as bandeiras políticas, sejam quais forem, sejam desfraldadas com galhardia e mostrem às novas gerações que política não é algo ruim, e que é a boa política quem motiva o povo a seguir a jornada, pois tal como Canaã, que esperava logo depois de um deserto, assim também Gramado espera por aqueles que queiram ser os líderes do povo, e que assim o sendo, queiram gravar em pedras na história os seus feitos, mas sobretudo gravarem no coração das pessoas as suas marcas de liderança.

Quanto ao PDT, insisto que é um Partido de um nome só, e que não reciclou suas ideias, o que tem uma ótima oportunidade para fazê-lo, dada a crise moral que assola o país. Um Partido que produziu tantos líderes, esvaziou-se nisso. Lideres demais e conexão com o povo de menos. Prova disso é o que venho dizendo há tanto tempo sobre Gramado: PDT tinha o que os outros não estocaram para a crise e soube afinar o passo para ocupar o vazio deixado pelos líderes que gravaram suas marcas na história, mas deixaram de compartilhar seus segredos com as novas gerações, e liderança tem segredos, tem maneirismos, tem estratégias e tem sobretudo paixão. Mas sempre é bom lembrar que paixão é  uma faca de dois gumes se não for transformada em amor. 

Hoje Gramado paga o custo da acefalia política e urge que se faça escola de heróis, pois nunca se sabe quando virá a próxima crise ou oportunidade que sejam revelados.

Para ser um herói não é preciso andar com a cueca sobre o pijama e voar com uma capa vermelha, mas é preciso caminhar entre a multidão e fazer-se notar pela sabedoria e confiabilidade.  Este líder tem um povo à sua espera. Quem se habilita?



domingo, 26 de novembro de 2017

A história das religiões de Gramado até os anos 90 - Católicos que eram judeus e não sabiam, Umbandistas, Luteranos e outros


Quero começar uma serie de histórias dentro da própria historia de Gramado, abrindo alguns parêntesis de certas particularidades que construíram Gramado até o presente momento, embora, por tratar de minha memória pessoal, sem me preocupar com a exatidão das datas ou nomes de todos os envolvidos, tratarei daqueles que conheci de perto e travei algum tipo de relacionamento com seus personagens.

Vou começar pela origem de Gramado, eminentemente católica, trazida pelos seus primeiros moradores, a saber, Tristão José de Oliveira  e sua esposa, Leonor Gabriel de Souza  (Gabriel é sobrenome), ambos descendentes de Cristãos Novos, que eram judeus convertidos ao catolicismo pela truculência da Inquisição, por meio de seus ancestrais, e que vestiram as sandálias do cristianismo católico até o fim da vida. 

Deles foi a doação do terreno onde hoje fica o Cemitério Católico, e seu jazigo é um dos primeiros próximos à entrada.Portanto este ramo da família chega Católico e assim, com a vinda da demais famílias (Benetti, Bertolucci, Corrêa, e outros), a fé católica tem suas raízes firmadas no lugar.

No final da década de 1920, missionários luteranos provenientes de São Sebastião do Caí, levam à Gramado os ensinos da Reforma Protestante, e desta forma obtém a conversão de um filho de Tristão, José Francisco de Oliveira, também conhecido com "Zé Tristão", por causa do pai, que torna-se incentivador da fé luterana, e por meio dele, nasce dentro da família , um grupo de sobrinhos de José Francisco, que são são convertidos à fé protestante, os filhos de Vítor Pereira Dias e Maria Francisca de Oliveira. Entre estes, estão minha avó, Maria Elisa Dias (Cardoso), seu irmão João Vitor Pereira Dias, e as irmãs Maria José Dias (Zezé), Lucinda Pereira Dias, Margarida Pereira Dias, Lina Pereira Dias e Leonor Pereira Dias. Todos eles, juntos, reuniam-se em casa para seus cultos, ainda que a contragosto de Tristão, que mantinha-se devoto ao catolicismo.

Era interessante que Tristão, devoto católico, cultivava, assim como sua família, dos costumes ancestrais do judaísmo. e tais costumes foram preservados pelos filhos. Querem ver? A grande maioria de seus descendentes casaram-se entre a própria família. No caso das netas aqui citadas, as mulheres que tinham "Pereira",não tinham "Maria" no nome, costume judeu de preservação em caso de prisão pelos inquisidores, e ainda que o "Santo Oficio" tenha sido oficialmente extinto em 1823, o medo perdura até hoje, pois perseguir judeus é quase um esporte de tempos em tempos, e todo cuidado era necessário. Mais que isso, a repetição de nomes, hospitalidade familiar, e outros tantos costumes que seguiram sem que as pessoas soubessem a razão.

Assim, João Vitor descobriu uma religião cristã que guardava o Sábado judaico, e junto com Maria Elisa, passaram a seguir este costume, após terem permanecido algum tempo na doutrina luterana.. Outras famílias que  chegaram mais tarde também seguiam esta crença, e assim, nasceu a Igreja Adventista em Gramado.

Mas, o restante das irmãs permanecia na fé luterana, ainda que sem uma igreja para praticarem seus cultos. Porém, neste tempo chegaram missionários metodistas que implantaram sua pequena comunidade e logo construíram um humilde templo para seus cultos, especialmente com as crianças, que necessitavam de uma escola, a qual chamavam de "Escola Dominical", e conquistaram a simpatia também dos luteranos, que enviavam seus filhos para esta escolinha, para que aprendessem o catecismo e as doutrinas bíblicas. Assim foi que na casa da família Moura, filhos de Maria José e Olídio Elias de Moura, os filhos todos tornaram-se metodistas até o presente momento, com algumas exceções, e a mãe, com parte dos filhos, permaneceu na fé luterana, iniciada por José Francisco, o "Zé Tristão".

Ainda na fé metodista havia as famílias Bertolucci, Benetti e Beux, que certamente poderão enriquecer este conteúdo com suas próprias lembranças.

Já que evoquei o velho "Zé Tristão" do passado, lembro que ele foi também o fundador, junto com sua irmã, Maria Virgínia de Oliveira, os precursores dos cultos africanos em Gramado. Maria Virgínia morou até o fim da vida, na mesma casa do pai, Tristão, e no porão desta casa, havia um Terreiro de Umbanda, de onde foi disseminado pelo município desde os anos 60 em diante.

Da mesma família Moura e também Corrêa, nasce a Sociedade Torre de Vigia, conhecidos os seus membros como Testemunhas de Jeová, levada à Gramado por Francisco Vaz Corrêa Filho, e sua prima em segundo grau e esposa (curioso costume judaico) Cândida de Moura, filha de Maria José (Zezé). Originalmente membros da fé metodista, Francisco um dia, segundo seu próprio relato, enre um mate e outro, recebeu um folhetim de alguém, à porta da igreja, e após lê-lo por várias vezes e atentamente, dirigiu-se ao Pastor, em momento de culto, com os livros pertinentes ao seu cargo na igreja, atravessou a nave sob os olhares da congregação, colocou-se em frente ao pastor, depositou os livros sobre o púlpito e disse: "A partir desse momento em diante não professo mais esta religião. Sou Testemunha de Jeová!". Virou as costas e foi-se embora, de braços com a esposa. Hoje, com mais de noventa anos de idade e ainda lúcido e estudioso, Francisco conta esta história, enquanto Cândida ri e faz seu crochê, acompanhada de uma cuida de chimarrão.

No alto do lugar chamado de "Morro dos Cabritos", no fim da rua, vivia um casal que não tivera filhos e por esta razão, adotaram um menino, a quem o educaram amorosamente na fé da Igreja Assembleia de Deus. Eram Arquimimo e Manoela , e o menino chamava-se Adão, moço educadíssimo e um virtuose de memória no conhecimento das sagradas Escrituras. Citava de cor capítulos e versículos com extrema naturalidade, ao recitar a Bíblia, e eu tive a honra de ter sido  colega de escola no primário, lá na Vila Moura, e ambos, alunos de minha mãe, Ester Cardoso (Fauth), que além de professora do ensino primário, era também nossa professora de religião na escola pública.

Falei da Igreja Luterana, mas convém que eu defina, pois há em Gramado duas correntes do luteranismo: A primeira, citada, era a IELB - Igreja Evangélica Luterana do Brasil, e mais tarde chegou sua prima, IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil, sendo que uma seguia orientações de sua central norte americana em Missouri e a outra em Ohio. A primeira, é a igreja que ficava em frente (ou quase) ao Hospital de Caridade Santa Terezinha, na Avenida Borges de Medeiros, sentido norte, e a segunda, IECLB, é a belíssima igreja do relógio, no alto de um morro que outrora foi alcatifado por hortênsias, mas hoje está espremida entre prédios, hoteis e restaurantes.

A forte atuação da IELB, que é pouco proselitista, está na áera social, onde é a mantenedora do Instituto Santíssima Trindade, na Linha Moreira, um Lar que acolhe crianças e idosos da região.

Embora minha família tenha sua ascendência judaica, nunca praticou judaismo enquanto religião, senão pelos próprios costumes, e disso tenho conhecimento pelas longas (e saudosas) horas de conversa com minha avó, que as repetia e repetia e repetia, para que eu viesse a fazer o que estou fazendo hoje: registrando, para que não se percam e meus filhos e netos as possam um dia contar também. Não tenho nenhum compromisso cartorário coma exatidão dos fatos, uma vez que eu não sou historiador, mas um contador de histórias. Apenas conto o que sei e aquilo que me contaram, do jeito que foi contado. E como dizia o personagem "Chicó", da peça "O Auto da Compadecida", do saudoso Ariano Suassuna, o que eu conto, eu não sei porque é assim, só sei que é.

A partir dos anos 80 começaram a chegar novas congregações em Gramado. Com a construção do CTB  Centro de Treinamento Bíblico de Gramado - Janz Team, onde tive o privilégio de iniciar meus estudos de Grego Bíblico, e frequentar na condição de amigo e colega de alguns alunos, em outras áreas, tornei-me simpatizante do lugar e tenho até hoje, dali, grandes e queridos amigos.

Deste seminário, nasceram congregações como Cristianismo Decido, de uma linha evangélia ou Pentecostal, e outros Ministérios que se espalharam pela região, porque muitos pastores foram formados neste educandário da fé.

Hoje há um belo templo da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, também conhecidos como Mórmons, e também da IURD - Igreja Universal do Reino de Deus, além de muitas filiais dos Adventistas e Assembleanos que se disseminaram pelos bairros e interior(De tudo que relatei, fixei como território apenas a parte urbana do Município).

Um fato bastante curioso e  que o gramadense, de maneira geral, é bastante conservador no tocante às religiões. Não há um grande número de conversões, e o crescimento dá-se por imigração, o por nascimentos. Um caso a ser estudado pela antropologia, ou de uma resposta talvez bastante simples: Todas as religiões e seus representantes são respeitados, e quando as coisas estão indo bem, ninguém muda de religião. As conversões em massa acontecem no campo do sofrimento e da miséria. Então não posso afirmar que haja certa mornidão religiosa em Gramado. Apenas que até o momento,não houve necessidade de migrações.Time que ganha não se muda.

Quando ao judaísmo, Gramado começou a receber as famílias judias, provenientes de Porto Alegre, que passavam temporadas de verão e inverno em suas casas no Bairro Planalto, mas nunca houve uma Sinagoga, nem movimentos de cunho religioso, nem mesmo sionista em Gramado, o que não significa que não haja manifestações desta cultura e religião na cidade. Apenas com discrição, entre encontros familiares e bastante  reservados.

A religião é o que administra o ânimo de uma comunidade, pois esta sempre começa e cresce à volta de uma igreja (ou Sinagoga, Mesquita, etc), e a partir de seus valores, sua comunidade arquiteta sua história. Esta é a minha. Talvez um dia eu conte também a sua.

Religião, fé, religiosidade são sentimentos muito pessoais, onde uns acomodam-se à fé dos pais, e outros buscam seu próprio caminho. Uns aceitam rótulos, e outros preferem enriquecer seu conteúdo. Perguntam-me se eu me "tornei judeu". Não, não me tornei judeu, porque eu sempre fui judeu. O que fez a diferença foi que depois de certo tempo, assumi esta identidade, e fui resgatar as minhas raízes. Isso nada tem a ver como minha crença doutrinária,uma vez que eu nunca busquei reconhecimento formal de judaísmo, pois não preciso de reconhecimento. Quero apenas conhecimento. Mesmo porque, se reconhecimento bastasse, eu deveria ser católico, pois fui batizado nesta religião por causa de meu pai, ao nascer, mas como fui criado na fé Adventista, aos dez anos de idade, fui reconhecido como tal, através do batismo. Porém, casei na Igreja Luterana (IECLB), em 1979. Assim, na visão de uns, tenho uma salada missionária, e na minha própria visão, sou hoje um "Dati", um estudioso das Escrituras, tentando conhecer melhor um pouquinho das maravilhas legadas pelo Criador, o D-s (Deus) de Abraão, Isaac (nome de meu tio e meu filho) e Jacó.


O Passado, o Futuro, e o Caráter do Presente



Nossa história relata aquilo que nós fomos, o que fizemos, por onde caminhamos, e as coisas que vimos pelo caminho. Então, história é aquilo que você não tem capacidade de mudar, ainda que conte uma história diferente daquela que viu acontecer, ela ainda será uma história mal contada, mas será a história, ainda que oculta.

Sua história é única, mesmo que tenha sido compartilhada com outros, porque suas decisões também foram únicas, ou as decisões tomadas em seu nome, pela eventual falta de liberdade, aconteceram na sua esfera de ação, mesmo que não no seu domínio, e mesmo que tenha sido você um entre uma multidão de semelhantes, aos quais foi determinado um destino semelhante (escravidão, prisão, torcida de futebol), uma massificação, ainda assim você foi único e seu momento foi, embora compartilhado nas ações, único no sentir. Seu coração pulsou para bombear sangue apenas para o seu corpo. Os seus pensamentos foram apenas seus, enfim, você foi, é e continuará a ser único, mesmo depois de sua morte, porque as lembranças a seu respeito serão únicas, e até mesmo o esquecimento de sua existência terá também sido único. O seu esquecimento, a sua insignificância ou a sua relevância, são seus. Isto foi o seu passado. E o seu passado, embora relacionado a você, não foi propriamente seu, ou melhor, não é definitivamente seu, porque na minha crença (e talvez na sua), o Tempo pertence à D-s, que É O que Vier a Ser, acima e além de todos os parâmetros que conhecemos ou que jamais viremos a conhecer. Mas Ele É O Dono de seu passado, porém, há outro personagem que se infiltra na sua história e diz-se dono de seu tempo, ou já que sabe que não pode ser dono daquilo que não tem capacidade para mudar, diz-se dono das lembranças que o seu tempo podem beneficiar aos propósitos escusos dele, e resgata nas suas memórias aquilo que já deveria estar engavetado no passado, as piores memórias, as memórias ruins, tristes, sofridas e que fizeram, eventualmente alguém sofrer. É o Diabo. Ele rebusca na sua vida coisas que já foram perdoadas, apagadas da lembrança, exterminadas, e abarrota o seu Presente com objetivo de mudar aquilo que ele também não tem nenhum poder de mudar ou administrar: o Futuro.

O Futuro não é seu. O Futuro é de D-s, o Criador. A Ele e unicamente à Ele são as coisas que ainda serão, e que somente Ele também pode resgatar as coisas que já se foram para que você as administre em seu tempo, que é o Presente, e que nesta administração você se torne coparticipante da administração do seu futuro. Assim, se o Diabo remexe naquilo que causou desgosto um dia para continuar a desgostar sua vida hoje e amanhã, D-s pega estes desgostos e os transforma em experiências de perdão, ensinamento, vivências, e dá à você a chave capaz de abrir as gavetas do amanhã e depositar estas lembranças como um tesouro a ser guardado para sua reserva moral daqui até as portas da Eternidade. Então, se o Passado é a arma do Diabo para desanimá-lo, e o Futuro, a esperança de transformar as mágoas em alegria, cabe à você, dono do Presente, este instante cristalino e volátil, etéreo, a possibilidade de negar os efeitos do passado e aceitar as possibilidades do futuro. Cabe à você encarcerar o inimigo das almas em sua insignificância daquilo que aconteceu lá atrás, e abrigar-se às Asas do Altíssimo para que o Futuro seja um vale de certezas onde jamais haverá passado a lembrar, mas presente a desfrutar.

Shalom

sábado, 25 de novembro de 2017

O milagre da multiplicação dos Queijos e convites - Lembrança dos Festivais de Cinema de Gramado



Essa aconteceu com dois grandes amigos meus, cujos nomes declinarei em beneficio da honra das pessoas,  mas os fatos são fiéis ao acontecido.

Pois o caso deu-se durante uma edição do Festival de Cinema de Gramado, num tempo onde a tietagem ainda não conhecia Instagram, facebook ou zap-zap. Era no bico que a coisa funcionava mesmo. O fato deu-se numa Noite de Queijos e Vinhos da Galeteria Mamma Mia, cujo evento era o mais concorrido dentre os não menos famosos coquetéis e desfiles do Festival de Cinema.

Artistas, políticos, autoridades, empresários, socialites, imprensa, cineastas, e até pessoas normais eram convidadas a participar e refestelar-se nestes eventos memoráveis. Noutra ocasião, contarei outros, de outros tempos. Mas por ora, serve esse que vos passo a relatar (adoro essa linguagem narrativa medieval), porquanto verdadeiro, como descrevi.

Eram cerca de onze ou onze e meia da noite, e havia uma fila quilométrica de pessoas que acreditavam no destino e que o tal destino iria providenciar um convite de acesso ao paraíso dos glutões, onde vinhos, queijos e guloseimas à farta, jorravam pelas mesas, e quem quisesse poderia devorar de tudo e o tanto que desejasse e pudesse comer.

Meu amigo era o coordenador técnico do Festival, e estava no hall de entrada do restaurante, pelo lado de dentro, observando o movimento do lado de fora. Assustador. Gente de todo lado, desejando entrar. Mas para entrar, só com convite, e convites não eram vendidos e som entregues pela coordenação, pelos patrocinadores e pelo Gabinete do Prefeito. E quem meu amigo vê naquele instante, do lado de fora, cercado por populares, cumprimentando  abraçando um por um? O Prefeito (o qual recuso-me a citar o nome para não difamar a pessoa, ainda que por uma boa ação)! 

De chofre, meu amigo não pensou duas vezes! Passou a mão numa pilha de convites já recebidos, mas não inutilizados, enfiou no bolso do casacão, saiu lá fora, passou pelo prefeito, enfiou a pilha de convites no bolso dele, se piscaram, e ele saiu de fininho. Em poucos instantes, a felicidade de certo tanto de gente mais sortuda pela  proximidade fez brilhar a noite estrelada, pelos sorrisos e abraços, seguidos pela lepidez com que adentravam no lugar e escorregavam rapidamente para as mesas adornadas de refestelos.

Sim senhor. Naquele dia e em outros tantos desta natureza, perceberam o tamanho do carisma que o tal Prefeito tinha com seu povo. Fizeram uma coisa errada naquele dia, mas nunca foi tão legal errar como daquela vez, disse meu amigo. A bem da verdade, o Prefeito não perguntou de onde saíram os convites, e meu amigo considerou que se não havia pergunta, então também não tinha que contar de onde os recolhera.

Coisas de Gramado.Coisas de Gramado, sim senhor, senhora ou senhorita.

Imagem ilustrativa de internet

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

A cobrança do Apolônio Lacerda



Parafuso solto é um eufemismo para destrambelhado, sem noção ou amalucado. Não que Apolônio Lacerda fosse isso tudo,mas ele tinha métodos, digamos, pouco convencionais para cobrar um devedor, e quando o fazia, era em público mesmo para constranger a pessoa, e como deram a ele um emprego de cobrador, tinha que se virar feito bolacha em boca de véia pra cobrar os cabortêro.

O grande problema é que Apolônio tinha uma péssima memória visual e confundia as pessoas, levando ambos a constrangimento desnecessário, mas que saía-se muito bem, tenho que admitir. o Matuto era ligeiro no tirocínio.

Certa ocasião, conta ele próprio, que entrou num restaurante da cidade grande, e caminhou em direção a um casal muito elegante, sentado próximo ao balcão, e de longe, erguendo o dedão, berra:

- Mãs chê! Tu me morre tão cedo (acentuando o "tão", viu? Tou te percurando!(Acentuando também o "viu?")! Tava memo te percurando, veiáco cachorro! Jaguara desmamado!


Todos param, arregalam os olhos assustados, olhando aquela figura com os cabelos lambidos de banha e bigodes imensos caídos pelo queixo, e faz-se silêncio total á espera de uma reação do ofendido. Não houve. Ficou tão pasmo e inerte quanto assustado e desinformado.

-Mas e continua me oiando a plasta, como se não tivesse nada pra me dizêri, animáli (acetuando o "animáli")! Tu é um animáli, jaguara!
- Desculpe, senhor, mas está falando comigo?
- Não, veiáco! Tou falando co garrão da bota que vou te enfiá nas venta! Mas a vontade que me dá d te metê o relho e um soco nos beiço, que é pra tu aprendê a não sê veiáco!
- Agora o senhor já está passando dos limites! O que tem contra mim? Nem lhe conheço!
- Pous não conhece memo, mãs, chê! A minha ermã tu conhece bem, e fais seis meis que tu não paga a pensão do guri, nem a prestaçã da  geladêra dela, coitada! E o guri, que sente tanto a falta do pai (aqui Apolônio chega às lágrimas de tanta ternura). Ele prigunta: Cadêle meu páaaai? Mas cadêle meu paaai? Taí! Se escondendo das conta, se escondendo do mundo, trocô até de cara. Era cabiludo e agora tá careca! Era barbudo e tá aí com essa cara de bunda de piazote! Andava de bombacha e guaiaca e agora anda só de cola fina, gravata!
- Senhor, penso estar me confundindo, eu nunca....(nem terminou a frase e de canto de olho olhou pra esposa, que já ajeitava a mão num sapato pra meter nas fuças do adúltero). Eu nunca usei barba comprida, nunca usei bombacha, pois nem gaúcho eu sou...
- Mâns chê(falou de modo mais paternal agora)! Tu pensa! Quantas veis tu chegô lá e ele mandava simbora os outro só pra te fazê bilu? Quantas vêis tu saiu de lá borracho cas cerôla dela na cabeça no lugári do chapéu, e ela foi atrais ajeitá, pra módi tu não passá verguenza em casa ?  Tu devia honrá o nome do teu pai, o teu nome, Guajarino! 
- Guajarino? Mas que guajarino? Meu nome é Leopoldo!!!!
- Ah la fresca! Mãns chê! Inté de nome tu trocô também, patife? NUNCA MAIS dirija a palavra à mim, maleva!
 (Dito isso, tal como entrou, misteriosamente, virou as costas e se retirou do lugar, deixando o pobre Leopoldo procurando um lugarzinho pra se enfiar, uma toca de rato, um buraco qualquer, enquanto todos o olhavam com olhar B-52 carregado até o bico).

Lá fora, apolônio olha para o lugar que entrou e observa o número do prédio: 69!

- Mãns chê! O bietinho dizia 96! Ah la fresca! Nunca mais eu boto as fuça aqui por perto.....

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

O lado bom de ser velho



O lado bom de envelhecer é que pode-se dizer coisas que não dizemos na juventude. Falar da velhice, por exemplo! Quem pode falar daquilo que não conhece, exceto por teorias? Pois bem, eu agora posso, por duas razões: Primeiro, porque estou entrando hoje na Terceira Idade, a qual o politicamente correto é chamar de "Melhor Idade". Melhor idade, pra quem fatura em cima de velhos, isso sim. Quem inventou esse termo foram os empresários do ramo de entretenimento pra velhos, aos quais teimam em chamar de idosos, e eu mesmo, poderia ter sido duramente cirticado se usasse o termo "Velho" para definir um macróbio. Velho sim senhor! Eu sou velho portanto, esta é a primeira razão, então.

A segunda razão é que, como diz meu amigo Sebastião Fonseca de Oliveira, é que eu sou velho desde que nasci. A frase é dele, mas eu tomo emprestada para passar uma carraspana em quem tem vergonha de ser velho, ter um velho por perto, ou ter que tratar com velhos, não sendo esta a sua atividade de ganho, e ser velho desde que nasceu significa antecipar trejeitos próprios dos velhos, tais como ralhar por qualquer motivo, e agora descobri que não é por mau humor, não. É por diversão mesmo! Velho ralha pelo prazeroso sabor de ver a cara de quem está à sua frente, sem reação, segurando a mão para não descer um tabefe no debochado azedo que faz de propósito o que faz, só pra se divertir depois. Então eu nasci velho para aprimorar a técnica desde cedo na vida.

Mas pra quem acha que ser velho é esperar a morte, não senhor, ser velho é recordar da vida que passou e gastar todas as horas do dia planejando a vida que ainda tem. Mas sim, velho pensa na morte, e a tem como boa amiga, uma vez que já que é com ela que vai passar boa parte do tempo, é bom que se tratem como parceiros então. E assim, falar mal da morte é coisa de quem não sabe bem o que é viver. Então, não, não tenho nenhum medo da morte. Só tenho medo que chegue sem que eu esteja arrumado pra ocasião. Daí, descobri que o melhor traje para encontrá-la, é nu. Sim senhor, peladaço, com os aparatos balouçando, isso  porque a morte é muito seria, e imaginar ter que passar um tempo da eternidade ao lado de quem não dá umas gargalhadas de vez em quando, isso sim me preocupa. Assim, o melhor negócio para garantir uma boa velhice, é rir, assim como, o pior negócio é esquecer como se ri. 

Rir à toa deve ser tão importante quanto comer mingau de boca aberta, e se rir enquanto come mingau de boca aberta, e soltar um peidinho enquanto isso tudo acontece, é risada garantida, especialmente vendo a pobre pessoa que nos serve o mingau ter que sair fugida e tropeçando em tudo, com um prato de mingau quente numa mão, e com a outra tapando o nariz, equilibrando o prato e voando aos pulos pelos móveis (que misteriosamente foram parar no meio do caminho), para poder escapar do fedor.

Há muitas formas de rir na velhice, mas rir à toa, sim senhor, que coisa boa. Daí que é sempre bom ter netos pequenos por perto,pois eles possuem um dispositivo com sensor automático de tristeza, que liga sempre que detectar uma lágrima a caminho, e nos fazem rir, e rir muito, porque netos são equipados com muitos dispositivos que acionam os músculos de nossa face capacitando-nos à dar boas gargalhadas das barbaridades ingênuas que fazem e dizem na nossa frente. Fazem de propósito, eu sei, pois estão mancomunados com os anjos que tem esta missão na nossa reta final para a eternidade: Nos levar sorrindo para o repouso.

Ainda vou escrever muito sobre envelhecer, se lembrar. Se não lembrar, escrevo outra coisa qualquer, uma vez que uma coisa que velho pode fazer é escrever.  pense em quantas lembranças temos e quantos sonhos não realizados podemos contar. Pense num compêndio de memórias que aconteceram e que nunca aconteceram, as quais contamos como causos, lorotas,  bobajadas... Enfim, ainda quero escrever muito, mas hoje vou encerrar por aqui, porque acabei de chegar aos sessenta anos, e tenho muito que descobrir nessa nova idade de velho. Além disso, preciso soltar um peido, por isso vou localizar alguém para estar ao meu lado neste momento solene. Só uma coisa não eu acho que não vou acostumar a ouvir: ser chamado de "Senhorzinho!" Senhorzinho é a vó!

*Foto: Internet
PS* Nenhum velho rabugento foi maltratado mais que o necessário para escrever este texto.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Causos de Gramado que sua vó nunca te contou - O matuto que trocou a esposa por uma bicicleta e duzentos contos



Sua vó talvez não tenha lhe contado, mas como sou mais precavido que ela (véio tem que guardar tudo, começando com as lembranças), me encarreguei de "ispicular" com os meus velhinhos enquanto ainda tinham boa memória e disposição para contar causos, até porque, engana-se quem acha que velho só serve pra ralhar com os jovens, e enriquecer a indústria de fraldas. Não senhor! Velho tem excelente memória, especialmente das coisas antigas. É como se você tivesse uma pilha de pratos de vidro, empilhados, e embaixo do primeiro, lá no fundo, tenha um bilhete. Você não consegue ler o que diz o bilhete,pois os demais pratos são as lembranças mais recentes. Porém, à medida em que o tempo passa, os pratos vão sendo retirados, e você passa a lembrar das coisas mais antigas, dos tempos de antanho, das priscas eras de sua infância. E ainda feliz por lembrar disso, conta a todo momento destas lembranças para alguém, que não tem o mesmo entusiasmo de ouvi-las, quanto tem você de contar o que lembra. Mas sempre que aparece um Pacard com paciência para ouvir seus relatos, eles brotam como água de uma fonte inesgotável. E foi assim que construí minhas lembranças, ora próprias, ora emprestadas dos meus queridos, que já descansam, mas nem por isso foram esquecidos, até porque suas memórias aqui guardadas podem ser tudo, menos esquecimento.

O causo do Jardineiro que negociou a esposa por uma bicicleta e Duzentos contos

Pois havia um velho político,muito generoso com os pobres, que certa ocasião, para ajudar um matuto, associou-se a ele, e adquiriram um cortador de grama, para que o matuto pudesse trabalhar, ao que o matuto contava aos quatro ventos que era sócio do "Sêo Fulano", e alargava um belo sorriso com a boca escancarada e os quatro dentes à mostra (eram cinco, mas um deles ficava lá no fundo da boca e não aparecia ao sorrir).

Certa ocasião, o matuto, cujo nome não vou revelar, mas o causo foi contado como verdadeiro e assim o relato, era casado com uma moça de pequeno porte físico, uma anãzinha, muito jeitosinha, coisa e tal, e que vestia sempre um longo vestido cheio de babados, e usava um chapéu que a deixava muito formosa, chamada Penélope (óbvio que o nome era outro). 

Onde o matuto ia, Penélope ia junto,mas sempre uns dois passos atrás, em clara mostra de submissão ao esposo e senhor. Moravam no interior, e uma vez ao mês iam "pro Gramado", (O Gramado era como chamavam o centro do município) fazer negócios e comprar mantimentos para o ranchinho onde moravam.

Passado certo tempo, o matuto passou a ir acompanhado de outra senhora, e não se viu mais Penélope, a moça formosa de pequena estatura, com seu vestido de babados e chapéu com flores. E curioso pela situação, um amigo do matuto perguntou por Penélope.

- Vendi!
- Largou dela, você quer dizer?
- Também,mas também apareceu um bom negócio e eu vendi ela.

O amigo ficou horrorizado com tal declaração. Que mundo era esse onde um homem vende a própria esposa? E quis saber mais.

- O fulano de tal andava interessado nela e ela também arrastava uma asa pra ele. Arrastava o rabo também. Daí em vez de virar corno, eu resolvi lucrar com a sem-vergonhice   deles, e ofereci ela por quinhentos conto.

O amigo já havia mudado de cor umas tres vezes. Mas segurou a fúria e perguntou:

- Tu ofereceu tua esposa por quinhentos contos? Como teve coragem?
- Também pensei nisso, e não quis explorar o comprador, daí baixei pra duzentos contos e uma bicicréta! Fechemo negócio.
- Mas e esta moça que está com você, sabe disso?
- Lógico que sabe, e mesmo mandou eu falar contigo. Tenho aqui um retrato dela, óia!Quer comprar por oitocentos conto?

Não sei como terminou o causo.Mas quem me contou, jura que aconteceu de fato.


*Imagem de internet

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Não alimente os macacos, nem o ego dos maus políticos



Aqui ao lado de onde moro, tem um pequeno bosque que mescla árvores nativas, frutíferas, com plantas exóticas, por ter sido, em algum passado já esquecido, uma bela chácara. A cidade cresceu e veio tomando conta das pequenas chácaras da ilha, que ainda resistem pela bravura e teimosia de seus antigos moradores, que por estarem satisfeitos com o suprimento das necessidades mínimas, próprias para a manutenção da dignidade, que a vida lhes ofereceu.

São, na grande maioria, pescadores ou funcionários públicos aposentados, que desmembraram seus estreitos lotes recebidos por herança, e cedidos aos filhos e netos, que foram construindo uma casa atrás da outras, mantendo entre uma e outra, uma pequena horta, um pomar, e até alguma criação de animais, como porcos, vacas, galinhas ou cabras. Nem parece ser uma capital, mas é. Isso sem contar ainda que estamos a menos de duzentos metros do maior mangue urbano do mundo, cujos vizinhos, para deleite de meus netos, são as aves estranhas e com eventual sorte de encontrá-los, alguns jacarés, que confiadamente posam com a bocarra aberta abastecendo seu couro espesso e craquento do causticante sol que não falta neste lugar.

Nossa diversão diária é observar um bando de macaquinhos, da espécie "Mico", ou eventualmente um "Macaco Prego" maior, que vem abastecer seus bandulhinhos com as frutinhas, ou sejamos honestos, com as bananas que os pacientes de um hospital deixam para refestelo dos rabudos.

Na realidade a ilha inteira é  formada por pequenos núcleos urbanos abraçados por morros polvilhados de animais de todo tipo, protegidos e fiscalizados, para que continuem vivos e preservando o ambiente onde vivem, e trazendo alegria para quem gosta de escrever e matear de janelas abertas para saudar o amanhecer.

Existem, no entanto, algumas regras que devem ser seguidas, determinadas por Lei, acrescidas por instruções e campanhas das autoridades ambientais e sanitárias, para que jamais se alimentem os animais selvagens, especialmente os macacos, sejam eles pequeninos e fofinhos, ou grandes e rabugentos e isso, por uma razão muito simples: Porque quando recebem comida fácil, tornam-se em pouco tempo acostumados, preguiçosos, obesos, e desocupados, e tanto lá como cá, no território humano, gente desocupada que ganha as coisas de mão beijada, às custas do esforço alheio, ainda que dados de boa vontade, tem muito tempo livre para fazer coisas imprestáveis, como por exemplo, mentir, roubar, trair, derrubar, desmerecer, e toda sorte de inutilidades desnecessárias à existência humana, isso simplesmente porque alguém teve a boa vontade de servir-lhes por bondade, e em troca deveriam tais beneficiários devolver estes serviços à sociedade, o que chamamos de boa política.

Mas tanto na Natureza quanto na política, há os que descobriram que a boa fé do povo pode tornar mais prazerosa a vida, porque não necessitam mais lutar pela sobrevivência, e ocupam seu tempo em descobrir novos benfeitores, entre a nada difícil tarefa doméstica de se proliferarem pendurados nas árvores e nas cercas com cara de bonachões, posando para fotos, e esticando as mãos pequenas (de quem nada produz nem as caleja) para receberem a paga pelo nada que contribuem.

Isso acontece com macacos, quatis, lagartos e qualquer animal que se acostuma com a proximidade das pessoas. Até mesmo as abelhas que recebem melado de açúcar na caixa da colmeia, tornam-se preguiçosas para pesquisar néctar pelos campos distantes. A esperteza, portanto, é o mal tanto dos bichos quanto das pessoas, uma vez que os animais que se entregam ao ócio das facilidades põem em risco sua liberdade, assim como os maus políticos que se entregam ao ócio do ego inflado põem em risco a sociedade à qual fingem representar.

A política brasileira está em ebulição, e eu sou daqueles crentes iludidos que prega uma mudança de paradigmas nesta política que emana dos Partidos para o poder e do poder para o povo, nesta ordem, mas que pode emanar do povo, a partir do pensamento,e o pensamento nem sempre anda de dieta, pode sim ser alimentado fartamente, este sim, diferente de maus políticos e de bichos preguiçosos, quanto mais bem nutrido, mas capacidade tem de servir à sociedade. Assim nasce a verdadeira política. Por você e por mim. E eu estou fazendo a minha parte, provocando você a pensar, ainda que diferente de mim. Provocando os bons políticos a que reciclem seus conceitos, ainda que opostos aos meus conceitos. E deixando de dar alimento de graça aos maus políticos, para que seu ego se ajuste ao tamanho de sua boca e sua bica se ajuste ao tamanho dos serviços que presta. Mesmo que em silêncio, o que em muitos casos seria a verdadeira forma de fazer política. Não o silêncio do povo, mas o silêncio das estultícias que a gratuidade dos horários políticos e as tribunas costumam enfiam pelos nossos ouvidos, ano após ano. Eleição após eleição. E depois de eleitos, entrevista após entrevista. Até que nossas florestas e nossa democracia cheguem ao fim.

*Quero informar que nenhum Macaco-Prego, Mico, Quati, Raposa, nem político de alcova e oportunista foram maltratados para esta reflexão.

domingo, 19 de novembro de 2017

Entropia ou Utopia - O que define a política de Gramado hoje?


Segundo a Física, Entropia é o que acontece num sistema termodinâmico bem definido e reversível, a função de estado cuja variação infinitesimal é igual à razão entre o calor infinitesimal trocado com meio externo e a temperatura absoluta do sistema, simbolizada por S, ou trocado em miúdos
num sistema físico, é a medida da energia não disponível para a realização de trabalho. Guardem essa definição, pois vamos precisar dela umas algumas linhas logo abaixo.


Utopia é um substantivo feminino que define o lugar ou estado ideal, de completa felicidade e harmonia entre os indivíduos, ou esmiuçando fica sendo a correta  descrição imaginativa de uma sociedade ideal, fundamentada em leis justas e em instituições político-econômicas verdadeiramente comprometidas com o bem-estar da coletividade.

Percebem que uma não combina com a outra? Assim como uma pilha de lanterna que possui dois polos em extremidades inversas, também a entropia e a utopia jamais se encontrarão. Isso também acontece (e muito) na  vida política, e aqui particularmente, na situação política de Gramado. Vamos entender a coisa.

Passado quase o primeiro ano de governo dos partidos alinhados com a Esquerda, em Gramado, e inversamente proporcional ao primeiro ano de esbarrões e tropeços de sua oposição ainda fleumática, a política mais uma vez está comprovando que os políticos e os Partidos não estão preparados para exercê-la, e quando o fazem, aos tropeços, esbarrões, deslizes ou inércia, colocam-se ao sabor da sorte para o que der e vier, do tipo: Vamos ver o que acontece para saber como é que fica. Apenas isso. E enquanto isso, o tempo, que é o chicote das massas, estala suas doloridas chibatadas nas costas de quem postou-se como espectador com o chapéu na mão à espera de algumas sobras dos banquetes das festivas campanhas e dos cargos e das benesses que o poder assegura.

Para saber  que acontece e aconteceu em Gramado desde outubro de 2016 até aqui, basta traçar um gráfico com duas linhas, uma que representa a atuação do novo governo, e outra que representa a atuação da oposição, e verá que ambas caminham devagar e em paralelo plano, onde não há picos virtuosos de um, nem atitudes de confronto ideológico de outro. Duas linhas rasteiras e esguias que temem o manifesto das ideias, antes agem de forma pessoal e individual, quando surgem as oportunidades de exposição de seus feitos.

Se de um lado, no governo, temos os fachos piscantes individualistas feito pirilampos em noite de verão, rebolando seus traseirinhos iluminados pela escuridão, onde as flores e a mata, o verdadeiro cenário de seu bailado deveria figurar como cenário e assim resultante da simbiose destas criaturinhas em seu papel dentro do equilibrio da vida, mas que nenhuma obra que dignifique tantas luzes dentro de suas próprias casacas, por outro lado temos uma oposição que desaprendeu a nadar, muito menos a enfrentar águas turbulentas, e disputa o pouco fôlego entre manter o nariz fora dágua para respirar, e movimentar os pés para manter-se à tona, uma vez que o fundo era mais fundo e barrento do que imaginavam encontrar quando perceberam sua condição de oposição.

O governo está desaparelhado para o sucesso que encontrou e faz malabarismos para manter-se em movimento, uma vez que também caminha sobre uma corda bamba chamada Comunidade, que urge respostas e atitudes de quem deveria iluminar pela cabeça e não pelo traseiro.

A oposição está desassistida como um todo. Nenhum partido até aqui ousou mostrar-se disposto ao confronto verdadeiro e dinâmico, porque quem os representa está ainda tentando ajustar-se a sim mesmo enquanto corporação. Estrelismos irrompem da noite para o dia. Intrigas se amontoam pelas redes sociais. Decisões são proteladas, quando deveriam ser em lugar disso, prolatadas. Falta pulso firme em nome do "Politicamente aceitável", e um empurra-empurra joga nas costas do povo o desespero da incertza, porque em seu nome não há mais quem fale, pois ainda que sejam cobradas nas tribunas e em público atitudes do executivo pela oposição, esta cai em ouvidos moucos, porque sua voz é surda e seu discurso é vazio.

Quem é a oposição em Gramado hoje? A imprensa? Os Sindicatos? Os Partidos? Talvez um pouco de cada, mas nao existe uma integraçao. Não existe um axioma que os conduza a métodos de persuasão, os quais favoreceriam até mesmo o governo, que muitas vezes, de mãos vazias e sem respostas, anseia por pressões da sociedade e das oposições para que tome suas decisões, ainda que contrárias à sua própria vontade, porque governo nenhum tem capacidade de acertar sempre, e faz a oposição o papel de conselheira nestes momentos, mesmo que em lados opostos da mesa, para que estas decisões sejam equilibradas e o mais próximo que sejam daquilo que parece ser o justo, ainda que imperfeito.

A incerteza da política nacional não deveria sr muro de separação, mas de arrimo para que as oposições de Gramado se unissem e dessem sustentação ao novo projeto da política nacional que se configura e certamente virá. E o que vai encontrar, senão um emaranhado de individualismos procurando tirar vantagem daquele partido que melhor lhes servir?

Não! Não deve ser este o modo de amparar, ainda que do lado oposto de uma mesa pública, um projeto de oposição construtiva em lugar de um grupo de derrotados choramingando pelas vielas e atrapalhando o caminho daqueles que tem a coragem de colocar-se a favor do povo e em benefício de Gramado.


Será utopia acreditar que Gramado possa ser um modelo de conjunto de forças para o Brasil, e que tem bem mais que chocolate, massas e cinema para mostrar ao mundo? 

Sim! É utopia, e sempre será, enquanto a entropia continuar a fazer ninho nas cabeças cujas orelhas deveriam ladear cérebros, mas nem para usar chapéu servem mais,porque chapéu caiu de moda.

Eles estão acomodados, já sabemos. Mas e você?



A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...