terça-feira, 22 de janeiro de 2019

O peregrino - Conto

Imagem relacionada
...
Imagem: Internet


Ninguém sabia seu nome, nem de onde viera. Apenas o chamavam de "Peregrino", e para os mais incultos, era "Seu Pelegrino". Falava pouco, e olhava de lado, desconfiado, solene, exceto para as crianças, a quem não economizava sorriso, especialmente com o olhar.

Catava umas ervas por onde passava, e com elas chamava atenção sobre si, quando pediam algum conselho para dores do tipo que não aparece, nos aparelhos dos médicos, mas enchem hospitais de doenças, e algumas vezes até, de doentes. Com suas ervas e rezas, ele era capaz de fazer leitura de almas, estas, as mais doentes. Peregrino fazia ar de mistério, balançava uma caneca velha amassada e rodopiava gemendo umas mandingas em linguagem incompreensível, para que os chás pudessem fazer efeito naqueles que deles bebessem com fé. A fé é assim mesmo, incompreensível, e no dia em que somos capazes de compreendê-la, perde o efeito, pois a força está no mistério, assim como o chá, cuja força está em quem bebe e não em quem serve.

Em todas as cidades existem uns doidos. Uns mais, outros menos, mas é só ter um velório, que lá estão eles: os malucos e os bêbados, chorando mais que os enlutados. Bêbado e doido choram com sentimento verdadeiro, ainda que nem tenham conhecido o morto. Bêbado e doido são como mariposas, que não resistem a passarem uma noitada de farra à volta de um poste iluminado, assim também, maluco e borrachos, não se contém diante de qualquer aglomeração de pessoas, ainda que seja velório ou comícios políticos.

Mas também, em todas as cidades, de tempos em tempos, aparecem os peregrinos. São tipos sinistros, silenciosos, avessos à higiene pessoal e à socialização, que deslizam pelas rodovias, ora empurrando um carrinho de mão ou de supermercado, cheio de traquitanas, cuja utilidade seja digna de análise sociológica, haja vista que  dificilmente teriam eles, utilidade específica para o tambor de uma máquina de lavar enferrujado, ou cinco pares de sapatos desencontrados e de numeração inferior aos seus próprios pés, amarrados,uns aos outros e pendurados no cabo do carrinho. Ou a pilha de jornais velhos embolados em sacolas de mercadinho, amontoadas com trapos velhos e outras inutilidades simbólicas que chamam de suas. E tente oferecer comida, quando não estão com fome, apenas tente, e ver´a expressão "sheakesperiana" de desprezo e orgulho contrastando com a aparência desgrenhada e indiscutivelmente de uma nobreza às avessas, capaz de fazer calar a hipocrisia do gesto de quem quase força uma esmola para aplacar a consciência.

Peregrino, nosso convidado para este ensaio, fugia bastante deste arquétipo,pois era asseado, agradável, cortês, e acima de tudo, generoso. Abstêmio, estendia a mão espalmada ao rejeitar um gole de cachaça que lhe ofereciam, ao passar por um boteco, onde os bêbados sociais tentavam divertir-se às custas do forasteiro, mas não funcionava com este andarilho.Não senhor. Apenas pedia, delicadamente um copo de água, e quando a fome apertava, com singular educação, olhava em direção aos quitutes do balcão, e tecia bondosos elogios ao perfume que exalavam, e às propriedades nutritivas das especiarias utilizadas na composição dos sabores oferecidos. Funcionava quase sempre, e era convidado a assentar-se com os demais, que respeitosamente ouviam suas histórias e dissertações sobre temas de relevância espiritual ou cultural. Naquele dia, eram vendidos mais refrigerantes e quitutes, do que cervejas ou pinga.Mas até o bodegueiro, com um pano sujo ao ombro, recostava-se no lado externo do balcão para ouvir-lhe dissertar sobre Divina Proporção ou história das civilizações.

Todo andarilho tem uma historia triste, e nem todos querem contar sua história, porque é triste. Muitos caíram na estrada porque perderam alguém da família de forma dramática. Outros, porque caíram na bebida, nas drogas, e desmoronaram em suas carreiras e laços familiares.Cada história é única, mas alinha-se com as demais no resultado dos dramas: as ruas, a estrada, o mundo sem fronteiras a desbravar.

Peregrino não era um andarilho qualquer.Não falava asneiras, embora fosse divertido, bem humorado, contador de piadas, e menestrel. Cantava canções antigas e compunha versos de improviso para divertir a assistência. E como já mencionei, se houvessem crianças no ambiente, as canções eram direcionadas aos pequeninos. Peregrino era crianceiro, adorava os pequeninos, e era amado por eles também.  Não era apenas falante, mas sabia e gostava de ouvir também, e em dado momento, sua presença suscitava desabafos e choros, confissões, e pedidos e conselhos. E Peregrino, os dava, mas não ao modo tradicional de perguntas e respostas, mas suscitava os queixosos a formularem suas próprias perguntas, e refletirem sobre possíveis respostas, silenciosamente pensadas e pesadas como possibilidade de mudanças. Era assim que Peregrino deixava saudade por onde passava. Era assim que edificava relações em sua jornada. Jornada que teve um começo, mas não havia planos para o fim, pois acreditava que o mundo é redondo e há muitos lugares para caminhar, muitos ouvidos para levar esperança, muitos corações machucados para abrandar com seus chás, suas rezas, e sua prosa agradável.

Peregrino nunca se despedia. Odiava despedidas! Dormia à porta dos botecos por onde havia encontrados novas amizades na noite recente, e ainda noite, precedendo o alvorecer, com a mochila às costas, bebia uns goles de água, e seguia seu curso. Ninguém sabia de onde vinha, e tampouco havia condição de saber onde encontrá-lo novamente, mas aquele andarilho que chegava recusando bebida e saía ao amanhecer, deixava profundas lembranças em todos, ainda que com poucas horas de proximidade. O maior atributo de Peregrino era sua sabedoria quando se calava,e era o seu silêncio que intrigava e deixava saudade. Peregrino talvez fosse um anjo. É, talvez fosse sim. Isso eu não sei dizer, pois não tenho uma tabelinha que identifica anjos, exceto quando já se foram, sem deixarem pegadas. É! Peregrino caminhava com passos bastante leves, e nunca deixou pegadas. Só saudade.



Contatos para palestras: (48) 999 61 1546

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Das Dores e Fridulino - Fábula

...
Imagem - Internet


Das Dores, a quem as comadres abreviavam para "Dasdô", levantava com o pé esquerdo enfiado no urinol, e começava as tarefas do dia, chutando o pé do armário com o dedinho estropiado do pé direito. Toda vila tomava conhecimento de que ela acordara, nem tanto por isso, mas porque, ato contínuo, enfiava a cara na janela, esticava o pescoço, se retorcendo pra posicionar o berro em curva, descabelada, ainda sem a dentadura(que nesse tempo estava com três dentes em falta), vestindo o camisolão preto desbotado, e uma das tetas quase despencando pelo parapeito, e desatava a verborréia rumo ao marido (se é que aquilo podia ser chamado de marido):

- "Fridulino, desgraça! Eu não te mandei que levasse o penico pra lavar ainda treisontonte? Onde é que tu anda com essa cabeça de porongo, seu bosta imprestável?"


Fridulino apenas esticava o pescoço instintivamente, em direção aos berros, e serenamente retornava ao cócoras para terminar de obrar, enquanto pitava um toco de palheiro, resmungando qualquer blasfêmia que parecia demonstrar nenhuma importância aos berros da macróbia.

Dasdô corria, pulando em uma perna só, até a varanda, onde havia um velho tanque de tábuas também acinzentadas e cobertas de limo, que transbordava água da velha bica de mangueira preta, para lavar o pé enlameado de bosta e mijo. Enquanto lavava o pé, praguejava heresias e barbaridades, desconjurando o marido por todas as desgraças do mundo, desde que o mundo era mundo, pois afinal, era era culpado pela estrada barrenta, porque não atormentara o Prefeito,para que mandasse uma patrola para emparelhar a buraqueira. Era culpado, o Fridulino, na opinião dela, porque a vizinha comprara um vestido novo, e ele, nem para comprar-lhe um vestido novo, prestava. 

Com os pés lavado, caminha até a ponta da varanda e estica o pescoço, ainda vestindo o camisolão desbotado, que deixava uma teta de fora, e berra pelo marido, que apenas resmunga, acocorado, dando uma última pitada no palheiro babado, e depressa passa a mão em um sabugo de milho para limpar o traseiro, do jeito que der. Examina o sabugo, e o atira sobre a "obra" que fizera, erguendo as calças e ajeitando os suspensórios, para atender à patroa que à esta altura dos fatos, já engrossava a veia do pescoço, e desatava o cordel de ofensas ao atarantado sujeito.

- "Busque lenha e pique cavaco pra móde acender o fogo, seu imprestável!" - Berrava ela, ainda sem dentadura, e com a teta ainda de fora. E traga uns temperos da lavoura, se quiser comer alguma coisa (ele queria comer alguma coisa, mas era ele mesmo quem preparava seu pirão).

E assim, dia a pós dia, o azedume de um e outro era fermentado.Não trocavam sequer um "Bom dia!",porque se ele desse tal "Bom dia!",viria um saco de ofensas e desgraças de arrasto, e caso, por estes descuidos da vida, o cumprimento partisse dela, quem escarrava janela a fora, fingindo que tossia, para não ter que responder, era ele. Deste jeito, andavam, ela se arrastando com um trapo amarrado na perna besuntada por linimento e chás, e com a teta de fora, ou ele,se peidando pela casa, com a calça rasgada nas virilhas, e o saco espiando o mundo, como se tivesse vontade de fugir daquele ambiente infecto. Um e outro, com a bunda fedendo, ou a teta de fora, eram unidos pelo ódio que sentiam entre si, e pela vida, após longos anos de esquecimento da razão que os unira, um dia, ao som de melodias, ao perfume das flores da primavera, quando juraram amar-se até que a morte os separasse. O problema é que a morte se esquecera deles, e até é compreensível aceitar que nem mesmo a morte queira um de bunda fedendo e outra com a teta de fora. Seria muito zoada, debochada, pelos colegas, quando aparecesse no mundo das sombras e do silêncio, com aquela dupla de infelizes.Não, a morte não os queria daquele jeito, e precisava,imagine, a morte preocupada com seus clientes, dar um jeito para que se tornassem mais apresentáveis, no dia solene da partida. Assim, a morte aliou-se à dor, ao sofrimento, à angústia,à maledicência, à todos os males do mundo, chamou a mentira, o ódio, as facilidades ao mal, e abriu a porteira para que saíssem à farra.

Assim, todos os males do mundo cercaram aquelas duas infelizes criaturas, e como milagres acontecem, um e outro estavam de costas entre si, para defenderem um ao outro, e defenderem aqueles a quem amavam,  para enfrentarem todas as dores do mundo, na ânsia de protegerem-se do mal que vinha de fora. Fridulino não via mais a teta de fora de Dasdô, e Dasdô não sentia mais o cheiro de bunda do companheiro, porque um e outro apenas se abraçavam em choro convulso e no desejo de confortarem-se entre si. E então, assim abraçados, um não via o outro, mas olhava distante no passado, vendo uma pessoa amada que caminhava em sua direção. Ela via um jovem elegante e valente, ousado, trabalhador, e ele via uma princesa perfumada e com um sorriso que iluminava a escuridão da vida. Um e outro sentiam apenas o perfume da historia que deixaram apagar-se m seu caminho, e outro, abraçando o "um", falava apenas pelo bater do coração. Um e outro corações se encontraram, e finalmente a morte poderia trancafiar seus assistentes desvairados,  pois já restaurara duas vidas de seu itinerário. No entanto, era tão sublime o quadro, que a senhora vestida de preto pensou que poderia voltar outro dia, pois os que lhe pertencem,não a desampararão de seus compromissos.

E o que aconteceu depois disso? Bem, Dasdô continuava com a teta de fora, e Fridulino ainda não limpava direito a bunda, então evitava assentar-se sobre os travesseiros, e Dasdô vestia uma roupinha mais adequada, ao menos quando recebia visitas na varanda, para falar mal de Fridulino, e darem gargalhadas dos causos contados. Fridulino, de seu cantinho debaixo da macieira, ajeitando seu palheirinho, silenciosamente também gargalhava, deixando à mostra os dentes tortos e amarelos, todos os três.

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

O general durão e a editora de fundo de quintal

...
Foto: internet

Tava aqui puxando o carretel das memórias, e localizei um rosto conhecido, o do General Carlos Alberto dos Santos Cruz, que toma posse hoje como Ministro do Presidente Bolsonaro, e encontrei a resposta em 1996, quando o então Presidente, Fernando Henrique Cardoso visitou Gramado. Bem, se não era ele, era alguém com o mesmo biotipo, mas tenho em conta ser bom fisionomista, e creio não estar assim, redondamente enganado. Creio que era ele sim.

Eu tinha uma humilde revista, chamada Hortênsias (nada a ver com uma que existe hoje, que foi plágio descarado), e recebi credenciamento para acompanhar a comitiva presidencial durante dois dias, o que fiz, em companhia de uma pequena multidão de jornalistas mais tarimbados na função. Eu era o bobo alegre que olhava pra um e outro e anotava tudo o que diziam, pois eles sabiam fazer melhores perguntas que eu.


Como eu morava próximo a uma casa de idosos, visitada pelo cortejo, cheguei antes, para conseguir um lugar mais privilegiado para as fotos. Lá já estava o aparato de segurança presidencial, comandado pelo então Tenente Coronel Carlos Alberto, extremamente simpático e atencioso, explicando-me como funcionava o esquema de segurança, etc e tal.
Falei a ele que eu fazia uma pequena revista de interesse local, ao que me respondeu que já conhecia a revista, e deu-me detalhes de minha editora com precisão matemática, e ainda pediu-me que enviasse a ele um exemplar,com a reportagem. Nunca enviei,pois esqueci de pedir o endereço. E nem era preciso. Com certeza ele recebeu minha revista já impressa, antes mesmo de mim.


*Coloquei uma foto dele em traje civil, porque foi assim que o conheci.

A morte do Teiú e o marasmo da vida

O lagarto Teiú é muito comum pelas matas, e até pelas áreas arborizadas das cidades. Aqui mesmo, onde moro, tem uma pequena reserva de mato,...