Estatisticas

G-TR8D9ENS3Z

quinta-feira, 18 de novembro de 2021

O Hospital que veio antes do primeiro hospital (Familia Puhl), em GRAMADO de priscas eras

Esta história precisa ser contada com um pouco mais de detalhes, pois desenhar esta casa, foi um exercício de tentativa e erro, com base apenas, inicialmente, nas informações de duas pessoas, a quem irei aqui descrever com enorme gratidão: Ilse Miguelina Puhl, e Dirceu Hugo Daros.

Esta história começa quando, ao desenhar o Hospital de Caridade Santa Teresinha, das páginas anteriores, minhas lembranças chegavam à uma informação, a mim passada, pela minha avó, Maria Elisa Dias Cardoso, e também pelo Dr. Erico Albrecht, Médico e dono do hospital, por muito tempo. Diziam eles que aquele hospital havia sido construído por um certo Valentim Puhl. E era tudo o que era dito. E nada se sabia de João Valentim Puhl, até aqui. Percorri (virtualmente) os mais idosos de meus grupos nas redes sociais, perguntando se alguém sabia alguma coisa sobre Valentim Puhl, mas a resposta era um grande vazio. Um amigo, mais velho que eu, Sergio Bertoja, disse que ouviu sua mãe, dona Lacy Bertoja, dizer, que havia uma família Puhl, em Gramado, mas que fora embora nos anos 50. E era toda a informação que eu tinha.

Determinado a encontrar, no mínimo, alguma referência ao Valentim Puhl, fui procurar no Facebook, como também no Google, por este nome e nome da família, ao que aparecem em localidades distintas, sobrenomes “Puhl”. Encontrei então uma comunidade desta família, e solicitei ingresso, justificando minha ousadia de invadir seu espaço. Prontamente fui aceito, e enviei as imagens do hospital e mais outras, a apresentação do livro, e contei a história, e também a razão desta busca. Travei amizade com um membro da família, sr Celso Puhl, que contou-me que são da região do município de Santo Cristo, no Rio Grande do Sul, e que ele, Celso morava em Santa Rosa, a “terra da Xuxa” (está neste livro a casa de Bernardina Meneghel, (tia da Xuxa) que morou em Gramado), mas que nunca tinha ouvido falar de Valentim. Celso prometeu-me visitar um parente que tem um livro de genealogia da família, mas ficou nisso. Não prosperou a informação.

Continua após a Publicidade

Conheça este projeto (Contato 48 999 61 1546)

Enquanto isso, conheci outra pessoa, também da família Puhl, que relatou conhecer um parente do João Valentim Puhl. E pouco tempo depois, adicionou-me no whatsapp, outro Celso Puhl, mas que não tinha nenhuma ligação (talvez distante apenas) com o primeiro Celso, e numa breve conversa, contou-me que era neto de João Valentim, filho de dona Ilse Miguelina Puhl, com 96 anos de idade, e perfeitamente lúcida, simpática, gentil. Em poucos instantes, estávamos numa "live", onde perguntei muitas coisas, e ouvi a seguinte história:

Meus pais moravam em São Sebastião do Caí, e mudaram para Linha Imperial, em Nova Petrópolis” – contou Ilse. “Meu pai era alfaiate, e minha mãe, Lúcia Matilde  Puhl era paciente do Dr Carlos Nelz. Era aminha mãe, a grande empreendedora, dinâmica, da família Stürmer. Foi a partir dessa amizade, incentivada pelo Dr Nelz, que meus pais alugaram uma casa da família Daros (Augusto Daros), e nela, montaram um pequeno hospital, com cerca de oito quartos.”

A conversa seguiu por mais alguns minutos, e ficou marcado um novo encontro, em outra oportunidade.  Porém, embora com estas ricas informações, infelizmente, dona Ilse não dispunha de uma fotografia desta casa. Mas, como acaso não é algo em que eu acredito, a palavra-chave para localizar outras informações eram o sobrenome: Daros! Augusto Daros, era o avô da saudosa historiadora Marília Daros, e de seu ainda saudável irmão, Dirceu, que tornou-se um grande colaborador deste trabalho, trazendo memórias valiosas sobre outras casas e histórias aqui levantadas. E em cheio, acertado: Dirceu sabia da casa, e mais ainda, havia morado por sete anos no lugar, pois assim que foi concluído o novo hospital, Hugo e Soely Daros, foram morar na casa. Dirceu, então, relatou que havia oito quartos na parte de cima da casa, o que combinou com a informação de Dona Ilse, sobre os oito quartos. Mas Dirceu foi ainda mais preciso, informando que os quartos estavam na parte de cima, o que chamamos de Sótão. 

Foi assim, que, juntando as informações e observações que eu já havia coletado sobre os padrões arquitetônicos da Gramado da primeira metade do século XX, e aventurei-me a traçar a volumetria da casa, uma vez que não haviam fotos disponíveis com esta informação. Isso feito, enviei ao Celso Puhl, para que mostrasse à mãe, e pudesse ela, corrigir os detalhes, já com um esboço na frente. Dona Ilse confirmou que, sim, de acordo com suas lembranças, a casa erra assim mesmo.

Continua após a Publicidade

   

Para visitar o anunciante, clique na imagem abaixo




Publicidade

A conversa seguiu por mais alguns minutos, e ficou marcado um novo encontro, em outra oportunidade.  Porém, embora com estas ricas informações, infelizmente, dona Ilse não dispunha de uma fotografia desta casa. Mas, como acaso não é algo em que eu acredito, a palavra-chave para localizar outras informações eram o sobrenome: Daros! Augusto Daros, era o avô da saudosa historiadora Marília Daros, e de seu ainda saudável irmão, Dirceu, que tornou-se um grande colaborador deste trabalho, trazendo memórias valiosas sobre outras casas e histórias aqui levantadas. E em cheio, acertado: Dirceu sabia da casa, e mais ainda, havia morado por sete anos no lugar, pois assim que foi concluído o novo hospital, Hugo e Soely Daros, foram morar na casa. Dirceu, então, relatou que havia oito quartos na parte de cima da casa, o que combinou com a informação de Dona Ilse, sobre os oito quartos. Mas Dirceu foi ainda mais preciso, informando que os quartos estavam na parte de cima, o que chamamos de Sótão. 

E assim, Gramado já sabe um pouco mais de sua história quase esquecida.

Primeiros estudos, que aos poucos, e à medida em que conversava com os personagens mencionados a seguir, eram esclarecidos: Localização de janelas, portas, varanda, e combinados com a fotografia de um fragmento da casa, que mostrou-me o caramanchão de Glicínias, que sugeriu então as cores da casa. O modelo finalizado é o que aparece na página anterior.

Augusto Da Ros, Italiano de Treviso, casado com Angelina Nicoletti Da Ros ( Irmão do Major Nicoletti, fundador de Gramado ) e foi o proprietário  desta casa depois do Hospítal e após a morte dos dois, ficou para os herdeiros e moramos até o ano de 1.949 quando os mudamos na propriedade vizinha ao meu Padrinho Benno Ruschel da Farmácia Galeno.
(Dirceu Daros)

">Dirceu Hugo Daros, o velho goleiro do Botafogo, de Ribeirão Preto, que nasceu na casa.

 Dona Ilse Miguelina Puhl, filha mais nova de João Valentim Puhl

Família Daros (Cortesia Dirceu Hugo Daros, do acervo de Marilia Daros Franzen)


Se gostou deste trabalho, as imagens estão à venda em formato impresso, por coleções ou sob demanda.
Segue nosso catálogo em SÉPIA, traço, de toda a coleção.
Solicite detalhes.
48 999 61 1546 whatsapp



Continua após Anúncio do Editor







Dona Ilse fez questão de lembrar que havia uma escada externa, no lado esquerdo do hospital Santa Teresinha.

Dia de neve na horta do hospital Santa Teresinha


Estas são as únicas fotos, remanescentes, que mostra a família Puhl diante do novo Hospital Santa Teresinha.
Acervo da Família Puhl, cortesia de Celso e Ilse Miguelina Puhl)


Valentim, Lúcia (E),a pequena Ilse, e outra familiar (D), em Rio do Sul, SC



Família Puhl, em sua nova casa, no município de Rio do Sul, onde foram morar, após a venda do Hospital Santa Teresinha, em Gramado, ao Dr. Erico Albrecht.



...."e foi assim, que comecei a encontrar a saída do labirinto, seguindo o fio da curiosidade e a determinação de conhecer a história atrás da história, do Hospital do Dr Erico..."
Primeiros estudos "as cegas"




Você pode escolher o ângulo da casa e encomendar, em alta resolução, com efeitos artísticos, ou cores naturais, para imprimir e emoldurar. Também pode solicitar em traços, para imprimir e pintar.
Contate com a editora Ille Vert (48) 999 61 1546 whatsapp apenas R$ 29,00












Anuncie neste Blog - 48 999 61 1546 whatsapp



















Nenhum comentário:

O Beijo do Apolônio (Da séria série: Causos tão abiçurdos que só podem ser de verdade)

 Daí, o Apolônio Lacerda foi à uma bailanta, pra módi bebericar umas brahma, e dançar umas marca cas prenda. A noite era quente, mas põe que...